Amazônia, palco de um desafio decisivo

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Bolsonaro institui o Dia do Rodeio na Festa de São Francisco de Assis

    LER MAIS
  • “O transumanismo acredita que o ser humano está em um suporte equivocado”, afirma filósofo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Setembro 2019

Respira-se o odor da história à medida que se aproxima o Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica (6 a 27 de outubro), e com razão. Porque é pela sobrevivência da Amazônia, ou pela sua destruição alegremente retomada pelo presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que passa o destino do planeta.

A reportagem é de Iacopo Scaramuzzi, publicada por Jesus, 09-09-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Porque independentemente dos viri probati, o pontificado de Jorge Mario Bergoglio parece correr rumo a esse compromisso quase como se fosse o seu ápice.

Porque, a meio milênio das brigas furiosas em terras de missão, serão um jesuíta e um franciscano, um argentino e um brasileiro, sentados displicentemente lado a lado, que liderarão a assembleia: o presidente, o Papa Francisco, e o relator geral, o cardeal Claudio Hummes.

Mas há mais: como explica o historiador Philip Jenkins no livro “La storia perduta del cristianesimo” [A história perdida do cristianismo] (Ed. EMI), “a diferença fundamental que explica a sobrevivência” da fé é “o grau de profundidade com que uma Igreja se enraizou em uma comunidade em particular e a medida em que a religião se tornou parte da atmosfera respirada pelo povo”.

Nos séculos passados, “a Igreja egípcia demonstrou uma maravilhosa capacidade de enraizamento, enquanto as africanas não conseguiram exercer uma influência significativa fora das cidades. Enquanto os egípcios expressavam a fé cristã na linguagem das pessoas comuns, tanto nos centros urbanos quanto nos campos, os africanos se concentraram apenas em algumas categorias e em algumas raças. O cristianismo egípcio se indigenizou; a sua homóloga africana permaneceu colonial”.

E, assim, “quando a sociedade mudou, quando as cidades caíram em ruínas, quando chegou a perseguição, a fé continuou em uma região, mas não na outra”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Amazônia, palco de um desafio decisivo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV