Bolsonaro diz que Abin monitora Sínodo da Amazônia

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês

    LER MAIS
  • “Estamos diante de uma crise do modelo de civilização”. Entrevista com Donna Haraway

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Setembro 2019

O presidente Jair Bolsonaro confirmou neste sábado, 31, que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) monitora o Sínodo da Amazônia, conforme revelou o Estado em fevereiro. O encontro de bispos previsto para ocorrer no mês que vem em Roma vai discutir temas ambientais e é visto com ressalvas pelo governo brasileiro.

A reportagem é de Lorenna Rodrigues, publicada por O Estado de S.Paulo, 31-08-2019.

“Tem muita influência política lá sim”, afirmou o presidente em almoço com jornalistas na tarde deste sábado, 31, no quartel-general do Exército, em Brasília. Quando questionado sobre o monitoramento da Abin, Bolsonaro afirmou que agência monitora todos os grandes grupos.

A declaração do presidente contraria o que o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) informou em fevereiro. Na ocasião, em nota divulgada à imprensa, o órgão a qual a Abin está subordinada negou que o evento fosse alvo de monitoramento. “A Igreja Católica não é objeto de qualquer tipo de ação por parte da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) que, conforme a legislação vigente, acompanha cenários que possam comprometer a segurança da sociedade e do estado brasileiro”, diz trecho do comunicado enviado na época.

A reportagem do Estado revelou que o Palácio do Planalto tenta conter o que considera um avanço da Igreja Católica em temas considerados agenda da esquerda, como mudanças climáticas, situação dos povos indígenas e desmatamento. Na ocasião, o alerta ao governo veio de informes da Abin e dos comandos militares, que relataram encontros de cardeais brasileiros com o Papa Francisco, no Vaticano.

Na sexta, em resposta a críticas do governo Bolsonaro, a Igreja Católica afirmou que os bispos envolvidos na organização do Sínodo da Amazônia estão sendo “criminalizados” e tratados como “inimigos da Pátria”. Em carta, religiosos rebateram avaliações de que o evento, que tem em sua pauta questões ambientais, represente alguma ameaça à “soberania nacional”, como argumenta o Palácio do Planalto e alas conservadoras do clero.

Na conversa com jornalistas, ao ser questionado se considera o papa “de esquerda”, Bolsonaro evitou responder diretamente. "Não vou arrumar confusão com os católicos. Só posso dizer que o papa é argentino", brincou.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bolsonaro diz que Abin monitora Sínodo da Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV