Bolsonaro apela ao “patriotismo” para ocultar os dados do desmatamento da Amazônia

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco tem o seu próprio ''Sínodo do Cadáver''

    LER MAIS
  • “A Igreja, e principalmente a Igreja na Amazônia, não será mais a mesma após este Sínodo”. Entrevista com o Pastor Inácio Lemke

    LER MAIS
  • Chile. O orgulho de resistir tomou as ruas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Agosto 2019

Ninguém melhor do que um militar como Bolsonaro, com três décadas de carreira política, para saber que os sistemas de medição da conservação da floresta amazônica beiram a perfeição no Brasil. Inauguraram-se no início dos anos 1970 e desde o final dos anos 1980 são uma referência mundial. Os planos do presidente - a exploração das riquezas naturais brasileiras -, no entanto, estão longe da lição que pode vir da análise dos resultados de estudos oficiais publicados, por exemplo, pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

A reportagem é de Victor David López, publicada por El Diario, 30-07-2019. A tradução é do Cepat.

Entre os avançados sistemas de controle do INPE, destaca-se o Deter-B, que identifica e mapeia em tempo real todos os tipos de alterações na superfície da floresta amazônica. Esse programa detectou, no mês de maio, 1.102,57 km² de áreas de alerta de desmatamento, das quais 739,68 km² correspondem à "eliminação completa da cobertura florestal (corte raso)". No mês de junho, as áreas de alerta atingiram 2.072,03 km², com 920,21 km² de eliminação total. Os estados do Mato Grosso e Pará levam a pior parte. Os dados do Deter-B podem ser consultados no site do Terra Brasilis.

"A área de desmatamento com corte raso, nos últimos três meses (abril, maio, junho), acumula 1.907,1 km²", indica o INPE. "Em 2018, foram registrados 1.528,2 km² no mesmo período, ou seja, se observa um crescimento de 24,8%." É complicado para Jair Bolsonaro se afastar do discurso antiambiental que demonstrou nos últimos tempos e refutar os exaustivos e minuciosos dados da tão elogiada instituição de seu próprio governo. Por isso, o presidente escolheu apelar ao nacionalismo e ao amor-próprio da população.

Nos últimos dias, tem dito, em primeiro lugar, as bases do que deveria fazer o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, Ricardo Galvão, toda vez que a realidade do desmatamento aparecer diante de seus olhos: "Pela responsabilidade, respeito e patriotismo" procure o seu chefe imediato, neste caso o ministro: olha, ministro, temos alguns dados aqui, vamos divulgá-los, porque devemos divulgá-los, prepare-se porque você vai sofrer algumas críticas ".

Bolsonaro disse à imprensa que a divulgação desses números dificulta os acordos comerciais, por causa da imagem negativa do país, e que não deveriam vir à luz sem que ele tenha conhecimento prévio. Acusou também o diretor do INPE de produzir e divulgar dados "que podem não coincidir com a verdade" e estar "a serviço de alguma ONG".

Conhecedor do modus operandi de Bolsonaro com aqueles que não se alinham exatamente a suas ideias - ataques em público foram um prelúdio para as saídas do ministro da Educação, do ministro da Secretaria de Governo e do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento -, Ricardo Galvão respondeu a partir de sua posição como cabeça visível dos dados alarmantes de desmatamento da Amazônia: "Faz parte de um plano para me queimar". Segundo Galvão, o líder ultradireitista "adotou uma atitude pusilânime e covarde de fazer uma declaração em público, talvez esperando que eu peça demissão, mas não vou fazer isso".

As vozes que apoiam o trabalho do INPE foram chegando em cascata. Edegar de Oliveira (diretor de conservação e restauração de ecossistemas do Fundo Mundial para a Natureza no Brasil) afirma ao jornal El Diario que "os dados são bastante consistentes, confiáveis, extremamente relevantes por sua qualidade científica e pelo fato de serem transparentes". Em sua opinião, os ataques de Bolsonaro têm mais a ver com a sua "falta de preparação" do que com o nacionalismo, e pecam mais pelo "imediatismo" do que pelo patriotismo. "Há produtores conscientes e preocupados em favor de produções sustentáveis, o Brasil não precisa desmatar para continuar abastecendo o mercado de commodities", explica Oliveira, perturbado com a atitude de um presidente que "vai na contramão disso."

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), comandada por seu presidente Ildeu de Castro Moreira, publicou um manifesto em defesa do INPE, de seu diretor e suas pesquisas. "Na ciência, os dados podem ser questionados, mas sempre com sólidos argumentos científicos, e não por motivações de natureza ideológica, política ou qualquer outra", apontam no texto.

A SBPC, juntamente com a Academia Brasileira de Ciências, entre outras instituições científicas, também enviou uma carta direta ao presidente, com cópia para os Ministros da Agricultura, Ciência e Tecnologia e Meio Ambiente. Na carta, explicam resumidamente o amplo espectro da palavra desmatamento: "Não se trata apenas de conservar a mata como um sistema essencial para a regulação do processo de mudança climática, de interesse internacional, mas também da preservação da rica biodiversidade e da sobrevivência da agricultura brasileira em todo o país, particularmente no centro-oeste e no sudeste, cujos regimes de chuvas dependem fundamentalmente da existência da floresta amazônica e de sua exploração sustentável."

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, citou o diretor do INPE para discutir os dados, e não saiu do script: "Entendo e compartilho a estranheza expressada por nosso Presidente". Pontes, tenente-coronel da Força Aérea Brasileira, uma das peças mais respeitadas do Executivo e o primeiro astronauta sul-americano a viajar ao espaço, também conhece bem o modo de agir de Bolsonaro quando quer encurralar um alto cargo que o atrapalha.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bolsonaro apela ao “patriotismo” para ocultar os dados do desmatamento da Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV