Extinção do peixe-boi-da-amazônia prejudica rios brasileiros

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma heresia pós-moderna: o uso distorcido da religião para sustentar teorias da conspiração

    LER MAIS
  • O testamento de Dom Jacques Noyer, bispo francês. “O celibato eclesiástico é uma falsa aventura”

    LER MAIS
  • As grandes mulheres por trás das vacinas contra o Covid

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Julho 2019

Ameaçada, espécie é vítima da caça e pesca acidental; estratégias de conservação são necessárias para proteger o mamífero.

A reportagem é publicada por G1, 17-07-2019.

Encontrado em quase todos os rios da Bacia Amazônica e com distribuição limitada por corredeiras, cachoeiras e ausência de plantas aquáticas, o peixe-boi-da-amazônia é uma das 1.182 espécies brasileiras ameaçadas de extinção.

O status ‘Vulnerável’ na Lista Nacional da Fauna Brasileira Ameaçada é resultado de um passado de exploração. De acordo com o biólogo Diogo Alexandre de Souza, no período colonial o peixe-boi era capturado em grande escala para a obtenção de carne, couro e gordura.

“Hoje, a principal ameaça continua sendo a caça internacional para obtenção de carne, popularmente apreciada na região amazônica. Além disso, o uso crescente de redes de pesca aumentou os registros de captura acidental de filhotes”, diz.

A degradação do habitat em virtude dos desmatamentos, assoreamento nas margens, poluição dos rios, construções hidrelétricas e mudanças climáticas severas também é uma ameaça destacada pelo especialista, que alerta sobre a necessidade de estratégias de curto, médio e longo prazo para mudar esse cenário.

“O estabelecimento de Unidades de Conservação reduz a pressão do desmatamento, mesmo quando não é possível fiscalizar a área com frequência”, comenta o biólogo da Associação Amigos do peixe-boi (AMPA).

Outro desafio é extinguir a caça, decorrente do hábito cultural amazônico do consumo da carne da espécie. “Assim, torna-se necessária a criação de um amplo programa de conscientização e educação ambiental, com ênfase nas localidades onde a pressão de caça é mais extensa”, diz.

Fertilizador dos rios

Importante para o controle do ecossistema aquático, o peixe-boi-da-amazônia é tido como fertilizador natural. “Isso porque ele disponibiliza nutrientes, através das fezes e da urina, essenciais para o fito e o zooplancton, base de toda cadeia alimentar aquática, contribuindo para a manutenção dos estoques de peixes na Amazônia”, explica Diogo, que teme o desaparecimento da espécie.

“Se o peixe-boi desaparecer, ocasionará um desequilíbrio enorme no ecossistema aquático. A proliferação de plantas reduz a entrada de luz na água, ocasionando uma série de danos aos organismos que dependem da luz solar”, diz.

O aumento da biomassa de plantas na água também pode dificultar a navegação de barcos pelos rios, fenômeno conhecido como ‘tapagem’.

Tamanho relativo

Com até 2,75 metros de comprimento e 420 quilos, o peixe-boi-da-amazônia é o menor representante da ordem Sirenia, dos peixes-boi e dugongo.

No entanto, a espécie, que ocorre desde o Peru, Colômbia e Equador até a foz do Rio Amazonas, é o maior animal herbívoro dos rios da Amazônia.

Exclusivamente aquático, o animal ocorre nos sistemas de rios de águas brancas, pretas e claras. “Sua distribuição e abundância estão relacionadas às variações sazonais de cheias e vazantes que ocorrem nos rios da região”, explica o biólogo, que detalha o comportamento migratório da espécie. “Na época de cheia o peixe-boi habita áreas de várzea, locais com maior disponibilidade de alimento. Na seca, pode migrar por até 200 quilômetros para canais mais profundos dos rios”, completa.

Herbívoro, o mamífero se alimenta de diversas plantas aquáticas e semiaquáticas: mais de 50 espécies fazem parte do ‘cardápio’.

Assim como o peixe-boi-marinho, o animal pode ficar submerso por períodos de até 20 minutos, em mergulhos prolongados. “Eles são extremamente discretos ao respirar, expondo brevemente o focinho na superfície da água”, conta.

Diferente dos outros peixes-bois, porém, o da Amazônia não apresenta unhas nas nadadeiras peitorais. De acordo com o especialista, a nadadeira caudal é grande, arredondada e achatada. “E o lábio superior preênsil facilita a manipulação do alimento”, completa.

Relativamente solitários, é comum encontrar a fêmea acompanhada do filhote por até dois anos. “A maturidade sexual é estimada em pelo menos seis anos, quando os indivíduos estão com aproximadamente dois metros de comprimento”, explica Diogo, que detalha os hábitos reprodutivos do peixe-boi.

“A gestação dura cerca de 12 meses e o pico de nascimento ocorre no início da cheia, período em que o alimento é mais abundante”, diz.

A baixa taxa reprodutiva, com intervalo entre nascimentos de pelo menos três anos, dificulta a recuperação das populações.

O ‘canto’ do peixe-boi

Os sons emitidos pelo peixe-boi-da-amazônia são o principal meio de comunicação da espécie. Isso porque, por viver em águas turvas, tem a visibilidade prejudicada. “Os sons não são tão altos e dificilmente audíveis pelos humanos. As vocalizações são rápidas e curtas”, comenta o especialista.

“A comunicação sonora entre mãe e filhote é fundamental para a identificação e localização no ambiente”, completa.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Extinção do peixe-boi-da-amazônia prejudica rios brasileiros - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV