Perda de biodiversidade aumenta o risco de ‘extinção em cascata’

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • "Nunca, nunca encobrir a realidade. Dizer sempre: 'É assim'”. Papa Francisco recebe a redação da revista jesuíta Aggiornamenti Sociali

    LER MAIS
  • O aumento da pobreza na América Latina submergente

    LER MAIS
  • Um estranho casamento: neoliberalismo e nacionalismo de direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Fevereiro 2018

Nova pesquisa mostra que a perda da biodiversidade pode aumentar o risco de “extinção em cascata”, onde uma perda inicial de espécies leva a um efeito dominó de novas extinções.

A reportagem é publicada por Universidade de Exeter e reproduzida por EcoDebate, 21-02-2018. A tradução e a edição é de Henrique Cortez.

Os pesquisadores da Universidade de Exeter mostraram que existe maior risco de extinção em cascata quando outras espécies não estão presentes para preencher a “lacuna” criada pela perda de uma espécie.

Mesmo que a perda de uma espécie não cause diretamente a extinção, o estudo mostra que isso leva a comunidades ecológicas mais simples que correm maior risco de “extinção” com a perda potencial de muitas espécies.

Com as taxas de extinção em seus níveis mais altos de sempre e com numerosas espécies sob ameaça devido à atividade humana, os resultados são um aviso adicional sobre as conseqüências da erosão da biodiversidade.

“As interações entre espécies são importantes para a estabilidade do ecossistema (uma comunidade de espécies interagindo)”, disse o Dr. Dirk Sanders, do Centro de Ecologia e Conservação do Campus Penryn da Universidade de Exeter, em Cornwall. “E porque as espécies estão interligadas através de múltiplas interações, um impacto em uma espécie também pode afetar os outros.

“Previu-se que as redes alimentares mais complexas serão menos vulneráveis às extinções em cascata, porque existe uma maior chance de que outras espécies possam amortecer os efeitos da perda de espécies.

“Em nosso experimento, usamos comunidades de plantas e insetos para testar essa previsão”.

Os pesquisadores removeram uma espécie de vespa e descobriram que isso levou a extinções secundárias de outras espécies, indiretamente ligadas, ao mesmo nível da rede alimentar.

Este efeito foi muito mais forte em comunidades simples do que para a mesma espécie em uma rede alimentar mais complexa.

O Dr. Sanders acrescentou: “Nossos resultados demonstram que a perda de biodiversidade pode aumentar a vulnerabilidade dos ecossistemas às extinções secundárias que, quando ocorrem, podem levar a uma maior simplificação causando cascatas de extinção”.

O estudo, apoiado pela Universidade francesa da Sorbonne, é publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences .

O artigo é intitulado: “Trophic redundancy reduces vulnerability to extinction cascades.” e está disponível aqui

Como funcionam as extinções em cascata

A perda de um predador pode iniciar uma cascata, como no caso de lobos, onde sua extinção em uma montanha pode causar um grande aumento no número de cervos. Este número maior de veados, em seguida, come mais material vegetal do que teria antes. Esta redução da vegetação pode causar extinções em qualquer espécie que também dependa das plantas, mas são potencialmente menos competitivas, como coelhos ou insetos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Perda de biodiversidade aumenta o risco de ‘extinção em cascata’ - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV