Não peçamos que as fotografias façam o que nós deveríamos fazer. Mudar a política

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • O suicídio no clero do Brasil

    LER MAIS
  • “Agro é fogo”: incêndios no Brasil estão ligados ao agronegócio e ao avanço da fome, diz dossiê

    LER MAIS
  • Polícia de RO invade casa de advogada para apreender material de defesa de camponeses

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Junho 2019

"Deveríamos colocar em nossas cabeças que a política muda de ideia apenas quando lhe convém e, no máximo, usa fotos como pretexto e desculpa, quando lhes convém. Não peçamos que as fotografias façam o que nós deveríamos fazer. Mudar a política."

O comentário é de Michele Smargiassi, jornalista italiano, apaixonado pela história e cultura da imagem, publicado por La Repubblica, 26-06-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o comentário.

Outra foto que "indigna as consciências", outra foto que "muda as escolhas políticas". Outra foto que não o fará. Oscar Alberto Martinez e sua filha Angie Valeria estão de rosto para baixo na água barrenta do Rio Grande, como Aylan Kurdi estava naquela cor de esmeralda do mar Egeu. Falou-se sobre essa foto que ela mudou a política europeia em relação aos migrantes.

É muito fácil, anos depois, concordar com Abdullah Kurdi, pai do pequeno Aylan, quando disse que a retórica sobre a fotografia de seu filho afogado era vazia, "os políticos disseram nunca mais, mas as pessoas continuam a morrer e ninguém faz nada”. A prova é o horrendo retorno daquela morte icônica. Deveríamos colocar em nossas cabeças que a política muda de ideia apenas quando lhe convém e, no máximo, usa fotos como pretexto e desculpa, quando lhes convém. Não peçamos que as fotografias façam o que nós deveríamos fazer. Mudar a política.

Oscar Alberto estava com medo de perder Angie naquela confusão. Ele literalmente tinha enfiado a menina dentro de sua camiseta. Ele ainda a abraça. Ela veste shorts vermelhos e sapatos, talvez com velcro como os de Aylan. A história se repete em farsa, mas os ícones se repetem em ferocidade. Centenas morrem ao longo daquela fronteira. Alguém escreveu que a morte é um assunto privado. Mas Oscar Alberto e Angie não morreram de um acidente de natação, morreram tentando escalar um muro construído pela política. Não há fato mais público do que a morte de um migrante morto pelo muro que o repele.

Que pelo menos não se peça para censurar a imagem. Por medo do que possa fazer para nós. Vamos nos perguntar o que poderíamos fazer para evitar outras imagens como esta. Uma tarja preta aparece nas mídias sociais quando você tenta compartilhar a foto: "Atenção! Esta imagem poderia ferir sua sensibilidade!” Vamos esperar que o faça. Que a fira muito, mas muito, que a faça sangrar. Melhor os pesadelos que provoca ter visto esta fotografia, do que aqueles que podem ocorrer por tê-la ignorado.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Não peçamos que as fotografias façam o que nós deveríamos fazer. Mudar a política - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV