Itália e o caso Sea Watch: “A Igreja de Turim pronta para acolher os migrantes”

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Junho 2019

No final da Missa de São João, o arcebispo, de improviso, na catedral repleta de fiéis, lançou uma proposta - saudada por aplausos - para resolver o caso dos migrantes a bordo do Sea Watch 3: acolhê-los na diocese.

"Desejo manifestar minha solidariedade - disse D. Cesare Nosiglia – a todos que na Itália e até em nossa cidade estão se manifestando pacificamente para chamar a atenção para a situação de grave e injusto sofrimento em que 43 pessoas se encontram no navio Sea Watch ao largo de Lampedusa. Um grupo de nossos concidadãos esta noite começou a dormir em frente à igreja de San Dalmazzo por esse motivo. Acrescento que, como sempre o fez em outras circunstâncias semelhantes, a Igreja de Turim está disposta a acolher sem ônus para o Estado esses irmãos e irmãs o mais rapidamente possível, se isso puder servir para resolver o problema".

A reportagem é de Pier Francesco Caracciolo, publicada por Vatican Insider, 24-06-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

No final da celebração, ele explicou aos jornalistas: "Turim é uma cidade onde muitas famílias se disponibilizaram, temos uma lista que inclui cerca de vinte. Depois temos o Cottolengo e o Sermig que sempre nos ofereceram grande disponibilidade. Podemos ir busca-los e, se quiserem, vamos trazê-los para cá. Obviamente, depende do governo, se estiver disponível para esse tipo de serviço. Não queremos dinheiro, nenhum euro, queremos assumir uma situação que não pode continuar assim. Se é possível dar um sinal para que a diocese de Turim faça tal coisa, espero que seja aceito. Falei sobre isso com a prefeita e o presidente da câmara. Eu vou pedir à Caritas nacional que faça contato com o ministério".

Para a prefeita Chiara Appendino, aquele de Nosiglia "é um apelo muito significativo e disse, aliás publicamente, que os migrantes não ficariam a cargo do Estado. D. Nosiglia se destaca mais uma vez por sua sensibilidade. Eu acredito que seja uma maneira para sacudir a consciência de todos”.

Mais morno foi comentário do assessor regional para as atividades produtivas, Andrea Tronzano: "Todo bem com a caridade cristã, mas existem leis nacionais e internacionais a serem respeitadas. Um apelo também para a Holanda: o navio carrega bandeira holandesa”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Itália e o caso Sea Watch: “A Igreja de Turim pronta para acolher os migrantes” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV