Cinco anos depois de Lampedusa, Francisco celebrará missa pelos migrantes

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Julho 2018

Cinco anos depois da primeira viagem fora dos muros vaticanos, em 8 de julho de 2013, para a Lampedusa, coração do Mediterrâneo, Francisco celebrará uma missa pelos migrantes nesta sexta-feira, 6 de julho.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada em La Repubblica, 05-07-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A celebração ocorrerá no Altar da Cátedra, na Basílica de São Pedro. “Será um momento de oração pelos falecidos, pelos sobreviventes e por aqueles que os assistem. Está prevista a presença de cerca de 200 pessoas, incluindo refugiados e pessoas que cuidam deles”, explica o diretor da Sala de Imprensa vaticana, Greg Burke.

Entre estes, com toda a probabilidade, estarão os dirigentes da Open Arms, a ONG espanhola que criticou o fechamento dos portos italianos, e ONGs de outros países europeus. E o Centro Astalli, o serviço jesuíta para os refugiados muito próximo de Francisco.

O papa, também durante a recente viagem a Genebra, pregou a necessidade da prudência no exercício da acolhida. Que significa fazer de tudo para acolher sem abrir mão das próprias prerrogativas organizacionais.

Também nesta sexta-feira, em Pozzallo, ocorre uma vigília de oração em memória aos migrantes mortos no mar. Ela será organizada pela diocese de Noto, pela Cáritas, pela fundação Migrantes e pela associação We Care, em colaboração com a prefeitura.

Nessa quarta-feira, 4, Francisco recebeu em audiência Andrea Riccardi, fundador da Comunidade de Santo Egídio. Entre os temas da conversa, também estavam os corredores humanitários.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cinco anos depois de Lampedusa, Francisco celebrará missa pelos migrantes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV