Cientistas defendem um “decrescimento" econômico para enfrentar a crise climática

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O Papa se cansou dos ‘tesouros’. Há anos desejava a reforma das finanças”. Entrevista com Oscar Andres Maradiaga

    LER MAIS
  • Agro é fogo: Queimadas são crimes do agronegócio!

    LER MAIS
  • “Não podemos esperar que o atual modelo econômico resolva os nossos problemas. Não resolveu e não resolverá”, constata o Papa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Mai 2019

O modelo econômico de crescimento constante deve mudar. Isso é defendido pelos cientistas do Instituto de Ciência e Tecnologia (ICTA-UAB) e da Universidade Goldsmiths de Londres (GUL, sigla em inglês), que acreditam que as políticas de crescimento verde não servem para enfrentar a emergência ecológica e que a redução das emissões só é compatível com um decrescimento econômico.

A reportagem é publicada por Público, 28-05-2019. A tradução é do Cepat.

Os professores Jason Hickel (GUL) e Giorgos Kallis (ICTA-UAB) produziram um estudo científico que examina as políticas de crescimento verde, tal como se articulam nos principais relatórios do Banco Mundial, da OCDE e do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

O estudo, intitulado Is Green Growth Possible? (O crescimento verde é possível?) foi publicado pela revista New Political Economy e põem em prova essa corrente política em relação às evidências empíricas existentes, e os modelos da relação entre o PIB e a pegada material e as emissões de CO2.

O relatório considera inviável que possa haver uma "dissociação absoluta do PIB do uso de recursos" e indica que, embora alguns modelos mostrem que ele poderia ser alcançado em países com altos rendimentos sob condições altamente otimistas, "mas não realistas", isso não pode se sustentar a longo prazo.

Estes resultados partem dos níveis de crescimento existentes, cerca de 2-3% ao ano, e indicam que seria possível alcançar reduções absolutas no uso de recursos com um crescimento do PIB inferior a 1% ao ano. "No entanto, para obter reduções rápidas o suficiente para atingir limiares seguros, seriam necessárias estratégias decrescentes", concluem os pesquisadores.

Em referência às emissões de CO2, os autores duvidam que seja possível reduzir as emissões com rapidez suficiente para manter um "orçamento" de carbono que permita um aumento na temperatura do planeta abaixo de 1,5º C ou 2º C, segundo o Acordo de Paris.

Pesquisadores indicam que as reduções de emissões em consonância com os 2°C "só são viáveis se o crescimento do PIB mundial for reduzido para menos de 0,5%" e afirmam que as reduções para 1,5ºC "só são viáveis em um cenário de decrescimento".

"Em outras palavras, embora precisemos de todas as intervenções políticas do governo e toda a inovação tecnológica que possamos alcançar, qualquer tentativa bem-sucedida de alcançar reduções de emissões adequadas exigirá uma redução proporcional na demanda global de energia", concluiu Kallis.

A conclusão dos pesquisadores é que "as políticas de crescimento verde carecem de apoio empírico" e questionam "a legitimidade" dos esforços do Banco Mundial e da OCDE em promover o crescimento verde como uma saída de emergência ecológica.

"Qualquer programa de políticas baseado em pressupostos de crescimento verde, como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, necessita ser revisto com urgência", alerta o estudo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cientistas defendem um “decrescimento" econômico para enfrentar a crise climática - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV