Comissão Pastoral da Terra lança relatório Conflitos no Campo Brasil 2018 na sede da CNBB

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos A. Gadea

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Abril 2019

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) lançou no dia 12 de abril, a publicação anual, Conflitos no Campo Brasil 2018. É a 34ª edição do relatório que reúne dados sobre os conflitos e violências sofridas pelos trabalhadores e trabalhadoras do campo brasileiro em 2018, neles inclusos indígenas, quilombolas e demais povos tradicionais. O lançamento ocorreu na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília (DF), com participação dos representantes de membros do Conselho Nacional e da coordenação executiva da pastoral.

A reportagem é publicada por Conferência Nacional dos Bispos Brasileiros - CNBB, 15-04-2019.

Em nome da presidência da CNBB, o bispo auxiliar de Brasília e secretário-geral da entidade, dom Leonardo Steiner, acolheu aos participantes presentes no lançamento do relatório. O secretário-geral da CNBB afirmou ser importante refletir sobre o aumento da violência no campo e destacou que o relatório não é apenas da CPT mas da Igreja no Brasil que está atenta às questões que afligem os irmãos indígenas, ribeirinhos, quilombolas e sem terra.


Capa do Relatório Conflitos no Campo Brasil 2018 da Comissão Pastoral da Terra

Segundo o bispo de Ruy Barbosa (BA) e presidente da CPT, dom José de Witte, o número de mortos decorrentes de conflitos diminuiu mas em contrapartida aumentou o número de lideranças assassinadas. Dom José destaca o caráter científico do trabalho e do Centro de Documentação Dom Tomás Balduíno, traduzido em números coletados pelo trabalho de base da pastoral e também nas análise de especialistas.

O Relatório Conflitos no Campo Brasil 2018 registrou 1.489 conflitos em 2018 ante os 1.431 de 2017, o que representa um aumento de 3,9%. A maioria destes conflitos, segundo Antônio Canuto, jornalista e colaborador da CPT, estão concentrados na região amazônica. Eles somam um total de cerca de 1 milhão de pessoas envolvidas, um aumento de 35,% em relação a 2017 que registrou o envolvimento de 708.520 pessoas envolvidas.

A representante do Grupo Nacional de Assessoria (GNA) da Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (FASE), Diana Aguiar, reconheceu a importância do relatório. “O caderno em sua trajetória é uma memória da memória que a história não conta”, disse. Esse registro, em função das séries históricas, é importante para manter esta memória, afirmou.

O relatório mostra que 2018, com 276 casos registrados, é o ano com o maior número de conflitos por água desde que a CPT começou o registro em separado dos conflitos por terra no ano de 2002. 73.693 famílias estão envolvidas nesses 276 conflitos por água; 85% delas são comunidades tradicionais. O número de conflitos é 40% maior do que em 2017 e o de famílias envolvidas, 108% maior.

Outros dados que chamam a atenção

2.307 famílias foram expulsas do território. Esse número é 59% maior que o de 2017. Para a metodologia da CPT, expulsão é o ato de retirar da terra seus ocupantes, sem ordem judicial (despejo). Nesses casos, os responsáveis pela expulsão são, geralmente, fazendeiros, empresários, o suposto dono que, por conta própria, obriga as famílias a sair, principalmente através da pressão de jagunços e, muitas vezes, com a participação ilegal da própria polícia. Em grande parte, a expulsão se dá em terras griladas.

O relatório deste ano busca homenagear a luta das mulheres pelo reconhecimento do trabalho na defesa de direitos da vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro, em março de 2018 e da irmã Alberta Girardi, religiosa da Congregação das Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade (Orionitas) com destacada atuação junto aos sem terra e aos sem teto. A irmã faleceu em 30 de dezembro de 2018.

O bispo de Ruy Barbosa (BA) e presidente da CPT, dom José de Witte, o bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, Antônio Canuto, jornalista e colaborador da CPT, a doutora em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e membro do Grupo Nacional de Assessoria (GNA) da FASE (Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional), Diana Aguiar participaram da mesa de apresentação dos dados do relatório.

Os dados podem ser acessados na página da Comissão Pastoral da Terra.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Comissão Pastoral da Terra lança relatório Conflitos no Campo Brasil 2018 na sede da CNBB - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV