"Querem que os refugiados morram afogados". Papa denuncia a injustiça de bloquear os navios da ONG Open Arms

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS
  • Desigualdade entre ricos e pobres é a mais alta registrada no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Março 2019

Francisco, ao responder ao jornalista espanhol do canal espanhol LaSexta, afirmou: “Para que se faz isso? Para que se afoguem”.

A reportagem é de Nello Scavo, publicada em Avvenire, 27-03-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“Manter o navio parado é uma injustiça. Para que se faz isso? Para que se afoguem.” Foi assim que o Papa Francisco respondeu ao jornalista espanhol Jordi Évole quando perguntado se sabia que, “no porto de Barcelona, o navio da Open Arms estava parado”.

Évole se encontrou com o Papa Francisco na última sexta-feira, 22 de março, em Roma. Durante a conversa que durou mais de uma hora, o papa não hesitou sobre nenhuma das perguntas feitas pelo jornalista do canal LaSexta, como os casos de abuso sexual cometidos por religiosos, o papel das mulheres na Igreja, a memória histórica, a desigualdade ou imigração e refugiados. A entrevista exclusiva vai ao ar na íntegra no domingo, 31 de março, no canal espanhol LaSexta.

É preciso lembrar que, em janeiro, a Capitania dos Portos de Barcelona havia negado aos três navios da ONG Proactiva Open Arms a permissão para deixar o porto catalão para chegar ao Mediterrâneo Central e continuar a atividade de busca e socorro às vidas dos náufragos que chegavam da Líbia.

Um procedimento que parecia contraditório: mesmo querendo garantir a segurança das pessoas salvas e das tripulações, acabou impedindo o resgate de outras vidas no mar, deixando uma das fronteiras mais letais do mundo (com mais de 17 mil mortos nos últimos cinco anos, segundo as estimativas mais confiáveis do ACNUR e da OIM), o Mediterrâneo Central, desprovido de navios de socorro.

Só o navio Alan Kurdi, da ONG alemã SeaEye, neste momento, é o único barco que voltou ao mar e às patrulhas no Mediterrâneo Central, nos arredores de Sabrata.

Navios ainda bloqueados

Neste momento, todos os outros navios das ONGs estão parados nos portos, embora não havendo procedimentos judiciais contra eles, mas por causa de problemas burocráticos. Além da Open Arms (que tem três navios), está parado o navio Aquarius, da SOS Mediterranée, na França.

O navio foi originalmente objeto de investigação pela Procuradoria de Catânia (Itália), mas, depois, a ordem de apreensão nunca foi notificada, enquanto a investigação em Catânia se dirige rumo ao arquivamento.

Em Malta, ainda sob pretextos administrativos, está parado o Lifeline, da ONG homônima. Em janeiro passado, em sinal de solidariedade aos voluntários forçados a permanecer no porto, o arcebispo maltês Scicluna embarcou no navio.

Depois, foram parados por inquéritos judiciais, sem que nunca tenha havido ou iniciado qualquer processo, o navio da ONG alemã Jugend Rettet, em Trapani, e o Mare Jonio, em Lampedusa, à espera de que a Procuradoria de Agrigento decida se prorrogará a apreensão probatória ou permitirá que a tripulação do Mediterranea volte ao mar.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Querem que os refugiados morram afogados". Papa denuncia a injustiça de bloquear os navios da ONG Open Arms - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV