Papa Francisco: "As migrações enriquecem nossas comunidades: Jesus também foi um refugiado"

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS
  • “A capacidade de constituição de novos horizontes da esquerda brasileira, hoje, é nula”. Entrevista com Vladimir Safatle

    LER MAIS
  • Depressão vertiginosa que o Brasil atravessa também é herança da esquerda, diz Le Monde

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Janeiro 2019

"Mudar-se e se instalar noutro local na esperança de encontrar uma vida melhor para si e para a própria família: este é o desejo profundo que moveu milhões de migrantes ao longo dos séculos." E ainda: "Os êxodos dramáticos dos refugiados" são "uma experiência que o próprio Jesus Cristo experimentou, com seus pais, no início da sua vida terrena, quando eles tiveram que fugir para o Egito para escapar da fúria assassina de Herodes."

A reportagem é publicada por Paolo Rodari, publicada por La Repubblica, 17-01-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Papa Francisco escreve um prefácio para a obra Luci sulle strade della speranza (Luzes nos caminhos da esperança, em tradução livre) uma coletânea de seus ensinamentos magistrais sobre os migrantes, refugiados e tráfico, publicado pela Seção de migrantes e refugiados do Dicastério vaticano para o Desenvolvimento Humano Integral, que entra no coração de um problema que tem profundamente tocado até mesmo a sua família: os avós paternos de Jorge Mario Bergoglio chegaram na Argentina vindos da Itália em janeiro de 1929. A coletânea é um documento de 38 páginas que ilustra realidades e respostas sobre o flagelo do tráfico, indicando suas causas, solicitando o reconhecimento, ilustrando as dinâmicas e possíveis modalidades para superar o fenômeno.

Francisco se mantém longe dos acontecimentos da política italiana. Mas, mais uma vez, chamado para falar sobre migração, chega ao coração de uma questão que divide e toca no fundo o país e em relação ao qual ele pediu uma intervenção decisiva da comunidade europeia.

"A viagem do migrante – lembra - nem sempre é uma experiência feliz. Basta pensar nas terríveis jornadas das vítimas do tráfico. Neste caso, porém, também há oportunidades para a superação, como aconteceu com o pequeno José, filho de Jacob. vendido como escravo pelos irmãos invejosos, que no Egito se tornou administrador do faraó". "Da mesma forma que a história humana, a história da salvação foi marcada por caminhos de um tipo diferente - migrações, exílio, fugas, êxodos, todos motivados pela esperança de um futuro melhor em outro lugar. E mesmo quando o evento foi induzido com intenções criminosas, como no caso do tráfico, não podemos deixar que seja roubada a esperança de libertação e resgate".

O tráfico é uma questão muito sensível para o Papa. Já na época em que ele era arcebispo de Buenos Aires, de fato, dedicava um dia de sensibilização na Praça Constitución ao tema, mesmo diante da indiferença da maioria.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco: "As migrações enriquecem nossas comunidades: Jesus também foi um refugiado" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV