Militares de Pinochet, os torturadores chilenos convidam Bolsonaro para visitá-los na prisão

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Wagner Fernandes de Azevedo | 22 Março 2019

A ditadura chilena de Augusto Pinochet foi a mais expressiva aliança do liberalismo com o autoritarismo no continente latino-americano. Calcula-se, em relatório divulgado em 2011, que desde o golpe militar em 1973 até 1991 foram mais de 40 mil mortos, desaparecidos ou torturados pelo governo. Um dos notáveis admiradores da ditadura é Jair Bolsonaro, que chegou ao país na quinta-feira, 21-03. A complacência com a violência foi reconhecida pelos seus agentes. Militares condenados por violação dos direitos humanos enviaram uma carta convidando o presidente brasileiro para visitá-los no cárcere.

Jair Bolsonaro nunca escondeu sua admiração pela ditadura sangrenta que Pinochet dirigiu no Chile. Ainda em 1998, quando deputado, o capitão reformado declarou em entrevista à Veja que “Pinochet deveria ter matado mais gente”.

Em outra entrevista, em 2015, para o apresentador João Kleber, na Rede TV, defendeu o ditador, afirmando “que ele fez o que deveria ter sido feito”.

Para além disso, em 2006, manifestou solidariedade a Augusto Pinochet Molina, pelo seu afastamento do exército, devido a um pronunciamento no velório do seu avô, o ex-presidente. “Minha solidariedade e admiração por sua dignidade ao não se curvar às mentiras da esquerda e honrar o nome do avô [...] o elevado índice de desenvolvimento humano ora desfrutado pelos irmãos chilenos em muito se deve às ações desenvolvidas no governo do saudoso general Pinochet”, escreveu em um telegrama, que o ministério das Relações Exteriores do Brasil não entregou.

Tamanha admiração já havia sido reconhecida quando José Antônio Kast, político chileno, apontado como “neopinochetista”, veio ao Brasil para ajudar na campanha presidencial e aprender com Bolsonaro como a extrema direita pode vencer na América Latina. No final de 2018, Eduardo Bolsonaro foi ao Chile para conhecer o sistema previdenciário por capitalização implantado por Pinochetque reflete hoje no empobrecimento de idosos, pois 80% das aposentadorias estão abaixo de um salário mínimo –, retribuiu a visita a Kast e declarou que o governo de seu pai quer fazer do Brasil “o próximo Chile”.

Na tarde de quinta-feira, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, em entrevista à GaúchaZH reforçou a necessidade de aplicar no Brasil as mesmas bases macroeconômicas de Pinochet, porém destacando que a violência na época foi um fator necessário. "No período de Pinochet, o Chile teve de dar um banho de sangue. Triste, o sangue lavou as ruas do Chile, mas as bases macroeconômicas fixadas naquele governo... já passaram oito governos de esquerda e nenhum mexeu nas bases macroeconômicas colocadas no Chile no governo Pinochet", afirmou o ministro.

Chegada a vez de Jair Bolsonaro viajar ao país, que como um presente de aniversário a si próprio, como quem faz ode à ditadura, como adolescentes fazem à Disney, aterrissou na quinta-feira, 21-03, em Santiago.


Jair Bolsonaro chegou quinta-feira, 21-03, ao Chile. Foto: Marcos Corrêa | Presidência da República

A visita trouxe expectativa na prisão de Punta Peuco, onde militares do regime Pinochet estão presos por violação de direitos humanos. Segundo a agência CNN Chile, o advogado Raúl Meza Rodríguez ficou encarregado de entregar a Bolsonaro uma carta escrita à mão pelos seus clientes detentos. Na carta, os militares pedem que seja feita uma visita para que o colega militar brasileiro conheça a condição em que se encontram. De acordo com a CNN Chile, a carta faz referência às saudações de Bolsonaro ao regime pinochetista.

Punta Peuco é uma prisão para ex-militares condenados pelos crimes contra a humanidade, porém contestada pelas suas instalações "luxuosas" para um prédio carcerário. Entre os detentos estão cúmplices do regime, torturadores e assassinos do Estado. Mais de 100 militares já foram condenados e presos. 

Entretanto, a contemplação pela visita não foi unânime. Líderes da oposição, como o presidente da Câmara dos Deputados Iván Flores e a mesa-diretora do Senado liderada por Jaime Quintana e Alfonso de Urresti, anunciaram que não participarão do almoço agendado pelo presidente Sebastián Piñera.

Outros sete deputados da oposição apresentaram um projeto de resolução que pede a Piñera que declare Jair Bolsonaro como “persona non-grata” no Chile. O texto menciona que o projeto se fundamenta “na defesa da democracia, dos direitos humanos, do direitos das mulheres, da comunidade LGBTI e dos povos originários [...] pois nos parece preocupante a visita de um presidente que defenda a proliferação dos discursos de ódio e que avalize as violações de direitos humanos”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Militares de Pinochet, os torturadores chilenos convidam Bolsonaro para visitá-los na prisão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV