8 anos depois: lições de Fukushima que não queremos aprender

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês

    LER MAIS
  • “Estamos diante de uma crise do modelo de civilização”. Entrevista com Donna Haraway

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Março 2019

Onde ficam as vidas humanas, na lógica do mundo econômico e político? Conluios sempre existem entre empresas e governos.

O artigo é de Chico Whitaker, foi presidente da Juventude Universitária Católica – JUC em 1953-1954, assessor da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB no 1° Plano Pastoral de Conjunto em 1965-1966, e assessor da Arquidiocese de São Paulo e da CNBB de 1982 a 1988. Foi vereador de São Paulo, SP. É sócio-fundador da Associação Transparência Brasil e foi professor no Instituto de Formação para o Desenvolvimento de Paris e no Instituto Latino-Americano de Pesquisas Econômicas e Sociais (Ilpes/ONU), publicado por CartaCapital, 12-03-2019.

Eis o artigo.

Há exatos oito anos, em 11 de março de 2011, no Japão, um forte terremoto estremeceu as estruturas da usina nuclear de Fukushima, seguido de um enorme tsunami que afogou suas máquinas. Pouco depois três dos seus reatores explodiram. Do desastre natural passou-se à catástrofe social e ambiental provocada por acidentes nucleares em que os reatores derretem. Era o terceiro desse tipo que ocorria no mundo, considerado impossível até o primeiro em 1979 nos Estados Unidos e o segundo na então União Soviética em 1986, em Chernobyl.

A radioatividade disseminada pela explosão levou à evacuação de 160 mil sobreviventes do terremoto e do tsunami e os milhões de habitantes de Tóquio quase tiveram a mesma sorte. Foram para alojamentos provisórios, onde estão até hoje, recebendo ajudas do governo. Entre os deslocados mais velhos, há várias vezes mais suicidas do que vítimas do tsunami. O governo ameaça abandoná-los para pressioná-los por sua volta a áreas ainda radioativas.

Onde ficam as vidas humanas, na lógica do mundo econômico e político? Conluios sempre existem entre empresas e governos. A Comissão de Inquérito do Parlamento japonês após o acidente assim definiu as causas do desastre. Para economizar recursos, a construtora da usina erguera um muro de 4 metros de altura para conter tsunamis, ignorando organismos técnicos do Estado que exigiam mais de 15 metros. A onda veio com 15 metros. Em 13 de março próximo será a última audiência de defesa de três dos dirigentes da empresa, em ação movida contra eles por organizações sociais. Podem ficar 5 anos presos – pena máxima no Japão por negligências que levam a ferimentos e mortes.

Mas razões de mesmo tipo levaram, no Brasil, a tragédias como a de Brumadinho, após Mariana. Desta vez com mais de 300 vidas perdidas. Causa, a mesma: descaso com a segurança em benefício do lucro. Possivelmente ainda mais no Brasil do que no Japão, nos falta uma cultura de segurança em equipamentos coletivos. Logo após Brumadinho foi a morte absurda de dez meninos em treinamento num grande time de futebol. E os 242 jovens da boate Kiss? E o incêndio do Museu Nacional, carbonizando nossa história? Exemplos não faltam. Como sempre: pouca fiscalização, laudos ignorados. Mas faz ainda mais falta confiar na Justiça para punir funcionários irresponsáveis.

Pior ainda é que há acidentes e acidentes. Os nucleares são muito mais violentos. Como dizem os especialistas, quando um acidente com derretimento do reator acontece, ele só começa a acontecer. Eles não são esquecidos no prazo de um luto: durante décadas ou séculos a radioatividade disseminada continuará matando quem for por ela contaminado.

Ora, é exatamente um acidente nuclear desse tipo que nos espreita, numa praia entre as duas maiores cidades do país, se o atual governo reiniciar, como pretende, a obra de Angra 3, a terceira de nossas usinas nucleares. Seu projeto é de 1977, anterior portanto aos três acidentes “impossíveis” já ocorridos. Para licenciar essa obra, em 2010, após sua interrupção em 1983, e nos garantir esse pesadelo assustador, a Eletronuclear engavetou um parecer de engenheiros de segurança sobre a necessidade de revisão do projeto, assim como uma recomendação do Ministério Público Federal nesse mesmo sentido. Alguma semelhança com a negligência e o conluio constatados no Japão?

Dizem os “responsáveis” que o projeto segue as normas pós 1979 da Agencia Internacional de Energia Atômica. Mas as informações a respeito são imprecisas e duvidosas. Por exemplo: entre as novas exigências, o edifício do reator terá três vezes mais solidez do que o do projeto de 77, para que resista a explosões?

Uma petição ao Ministério Público Federal por uma auditoria de Angra 3, internacional e independente, está recebendo milhares de adesões em todo o mundo. Lá fora se sabe que acidentes nucleares não respeitam fronteiras. A nuvem radioativa de Chernobyl cobriu toda a Europa. A água que resfria os reatores fundidos de Fukushima está contaminando o Pacífico.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

8 anos depois: lições de Fukushima que não queremos aprender - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV