Um novo livro sobre a homossexualidade no Vaticano sairá na próxima semana. O que podemos esperar?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco: “Sou a favor das uniões civis, as pessoas homossexuais têm direito a uma família”

    LER MAIS
  • Somos todos “luderanos”. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS
  • Não é novidade: Papa Francisco defende as uniões civis há anos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Fevereiro 2019

Um livro prometendo expor o que o autor alega ser hipocrisia de líderes da Igreja Católica, sobre questões relacionadas à homossexualidade, será publicado na próxima semana, coincidindo com o início da tão esperada cúpula do Vaticano para discutir os problemas da Igreja sobre os abusos sexuais do clero – levando algumas pessoas a se preocuparem com padres gays serem culpados pela crise.

O artigo é de Michael J. O’Loughlin, publicado por America, em 14-02-2019. A tradução é de Natália Froner dos Santos.

De acordo com um comunicado de imprensa de sua editora, Bloomsbury, “In The Closet of The Vatican” (No armário do Vaticano, em tradução livre) do jornalista francês Frédéric Martel, “expõe a podridão no coração do Vaticano e da Igreja Católica Romana atualmente”. Martel, que também é sociólogo, teria passado quatro anos conduzindo mais de 1.500 entrevistas, incluindo conversas com 41 cardeais, dezenas de padres e outras autoridades do Vaticano. Isto, de acordo com o jornal The Tablet, que também alega que o livro relata que 80% dos padres trabalhando no Vaticano são gays, não sendo necessariamente sexualmente ativos.

A tese central do livro de 576 páginas, de acordo com o comunicado de imprensa, é que “quanto mais homofóbico é o prelado, maiores as chances dele mesmo ser gay”.

Uma parte da edição francesa do livro foi publicada pela revista Le Point no dia 13 de fevereiro. De acordo com o artigo, Martel explora os ataques contra o Papa Francisco, a quem Le Point chama de “herói” do livro, mas gasta muito mais tempo examinando os papados e assessores de João Paulo II e Bento XVI.

Nas últimas décadas, algumas autoridades do alto escalão católico têm estado à frente da batalha contra casamentos do mesmo sexo e de direitos LGBT. Mas o Papa Francisco tenta dar um tom mais acolhedor à discussão, nos últimos anos, mantendo a doutrina da igreja quanto a sexualidade e casamento, mas incitando menos críticas ao se aproximar da comunidade LGBT.

O reverendo James Alison, padre e teólogo britânico, dedicado aos assuntos de sexualidade e sacerdócio, disse à America que quando se trata de padres homossexuais “o que realmente importa é a honestidade”.

Pe. Alison, que foi entrevistado diversas vezes para o livro de Martel, disse que um sistema que impede os padres de serem honestos sobre sua própria sexualidade, cria condições suscetíveis ao escândalo. Oficialmente, homens gays são barrados do sacerdócio, instrução confirmada, em 2016, pelo Papa Francisco. Mas críticos dizem que o banimento não funciona de fato, ao invés disso, mantém gays que ainda desejam servir ao sacerdócio, presos no armário.

“Que há um grande número de padres homossexuais [a serviço do Vaticano] não deveria será questão”, ele disse. “O fato é que eles estão no armário de uma forma ou outra, e portanto estão suscetíveis a serem chantageados. Este é o problema”.

Alison disse que esse tipo de sigilo pode levar alguns bispos e padres a viverem vidas duplas, um fenômeno que Francisco condena repetidamente, e isso contribui para os abusos financeiros e sexuais que abalaram a igreja nas últimas décadas.

In the Closet of the Vatican deve ser lançado em 8 idiomas e em 20 países, em 21 de fevereiro, mesmo dia que se inicia a cúpula de bispos de todo o mundo com o Papa Francisco, em Roma, onde eles discutirão maneiras de lutar contra o abuso sexual infantil.

Essa data de lançamento deixa algumas pessoas preocupadas.

James Martin S.J., editor da America, cuja dissertação “The Challenges and Gifts of the Homossexual Priest” (Os desafios e dádivas de padres homossexuais, em tradução livre) foi publicada em 2000, diz estar desapontado.

“Infelizmente, o momento da publicação do livro torna inevitável que a discussão sobre ele confunda a questão dos padres gays com os abusos sexuais”, disse o padre Martin, acrescentando que os primeiros relatos descrevem o livro como tendo “uma camada quase impenetrável de fofoca”.

Sean Larsen, teólogo e editor-chefe da revista acadêmica on-line Syndicate, disse que, nas primeiras recepções do livro, ele vê um teste de Rorschach sobre questões da homossexualidade.

“Eu realmente temo o equívoco entre pedofilia e abuso sexual com a homossexualidade, mas esse equívoco somente se dá se você vê a homossexualidade como um problema ou um escândalo”, disse Larsen.

Especialistas dos Estados Unidos já disseram que não há relação entre a orientação sexual e abuso de menores. Enquanto alguns bispos sugeriram que a igreja olhe mais atentamente para ligações entre o grande número de padres gays e o abuso, muitos líderes de alto escalão da Igreja, incluindo o Papa Francisco, disseram que a cultura clericalista é a culpada.

Por sua parte, padre Alison disse que o sigilo exigido de muitos padres gays pode fazer deles “incapazes de olhar o que está acontecendo ao redor”, mesmo que nunca tenham tido um comportamento abusivo.

“É aí que o livro é realmente útil. Ele mostra quão mentiroso o mundo do ‘não pergunte, não fale’ é, e como isso faz com que todos os envolvidos sejam incapazes de lidar com a verdade”, ele disse. Referindo-se a padres cujos comportamentos vão contra o que é esperado deles, padre Alison disse “Eles apenas precisam se sentir chantageados”.

Sobre como “resolver” o desafio cultural, Alison disse que, na teoria, a solução é simples.

“Acontecerá quando jovens, ao entrarem no sacerdócio, sejam capazes de ser honestos sobre quem eles são, e bispos sejam capazes de ser honestos sobre quem eles estão ordenando”, ele disse. “No momento, nada disso é possível”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um novo livro sobre a homossexualidade no Vaticano sairá na próxima semana. O que podemos esperar? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV