Carta aberta ao cardeal Reinhard Marx: renomados católicos e católicas alemães se manifestam

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Direito à Moradia, Direito à Cidade

Edição: 533

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Mais Lidos

  • "Coquetel" com 27 agrotóxicos foi achado na água de 1 em cada 4 municípios – consulte o seu

    LER MAIS
  • 17 de abril: as marcas de um massacre

    LER MAIS
  • O bolsonarismo arrependido já começou nas classes populares

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Fevereiro 2019

“O abuso na nossa Igreja também tem causas sistêmicas. A tentação do clericalismo acompanha o clero como uma sombra. A perspectiva do poder em associações de homens atrai pessoas de grupos de risco. Tabus sexuais impedem necessários processos de esclarecimento e de amadurecimento.”

Publicamos aqui a carta aberta escrita por oito renomados católicos e católicas alemães ao cardeal Reinhard Marx, presidente da Conferência dos Bispos da Alemanha.

A carta foi publicada em Publik-forum.de, 05-02-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Caro Sr. Cardeal Reinhard Marx,

Os abusos sexuais cometidos por clérigos católicos contra menores e pessoas que deveriam ser protegidas, e as tentativas de acobertar esses crimes por parte dos bispos responsáveis foram causa de graves danos à vida das vítimas e abalaram a fé dos cristãos católicos próximos deles.

No fim de fevereiro, os presidentes das Conferências Episcopais nacionais discutirão essa crise com o Papa Francisco e tomarão as devidas precauções para que as pessoas que devem ser protegidas no futuro o sejam de fato e não sejam prejudicadas. Isso é urgentemente necessário. As pessoas não devem buscar o bom pastor na Igreja e, ao invés disso, encontrar-se no meio dos lobos.

Por isso, pedimos-lhe que apresente francamente em Roma o principal resultado do estudo MHG: a saber, que o abuso na nossa Igreja também tem causas sistêmicas. A tentação do clericalismo acompanha o clero como uma sombra. A perspectiva do poder em associações de homens atrai pessoas de grupos de risco. Tabus sexuais impedem necessários processos de esclarecimento e de amadurecimento.

Desde 2010, os bispos alemães têm feito progressos tanto na prevenção quanto na sanção de atos de violência. Depois da publicação do estudo MHG em setembro de 2018, eles expressaram a sua perturbação e pediram perdão. Mas eles também sabem que, agora, limitar-se às palavras não é mais suficiente.

A impressão de que, no fim, nada vai mudar, porém, cimentou a desconfiança em relação à Igreja-instituição em muitos dos nossos contemporâneos. E, ao contrário de antigamente, a desconfiança não se detém mais às portas da Igreja. A maioria dos católicos comprometidos não pode mais defender o ordenamento pré-moderno da Igreja. Eles se limitam a suportá-lo. E, todos os anos, são milhares aqueles que se livram do peso e vão embora.

Alguns responsáveis minimizam e dizem: os escândalos não são tudo. A mídia exagera. O importante é a vida normal nas paróquias e nas instituições da Igreja. É claro, muitas coisas boas são realizadas todos os dias por voluntários e por empregados. Mas justamente aí se espalhou uma profunda decepção. O sol da justiça não surge mais. Sob um céu de chumbo, a alegria da fé se atrofia.

Por isso, apelamos aos nossos bispos: tenham confiança no senso da fé dos seus fiéis e devolvam à Igreja aquela veracidade e vastidão sem as quais o Evangelho não pode respirar! Usem o seu poder espiritual para reformas corajosas: comprometam-se, vocês mesmos, com uma efetiva divisão dos poderes – que se enquadra melhor com a humildade de Cristo e com o contexto das leis que valem para todos. Promovam a abolição das superestruturas do ministério ordenado e abram-no às mulheres. Deixem aos padres diocesanos a escolha da sua forma de vida – para que o celibato possa remeter novamente, de forma credível, ao reino dos céus.

Escutem o testemunho da Bíblia e as experiências dos fiéis e façam uma reavaliação da moral sexual – incluindo uma avaliação inteligente e honesta da homossexualidade.

Caro Sr. Presidente, caros Srs. Bispos, vocês podem contar conosco. Se vocês se colocarem à frente do movimento de reforma, definitivamente poderão contar conosco atrás de vocês.

Mas também contamos com vocês. Os bispos têm em suas mãos a responsabilidade como um caderno para marcar os seus progressos. Abram uma página nova, escrevam ali '2019' e comecem... Uma boa viagem a Roma e cordiais saudações ao Papa Francisco.

Johannes zu Eltz, deão da cidade de Frankfurt
Gaby Hagmans, diretora da Cáritas de Frankfurt
Bettina Jarasch, política de Berlim
Claudia Lücking-Michel, política de Bonn
Dagmar Mensink, política de Frankfurt
Klaus Mertes, SJ, reitor em St. Blasien
Jörg und Ingrid Splett, filósofo de Offenbach
Ansgar Wucherpfennig, SJ, reitor em Frankfurt

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Carta aberta ao cardeal Reinhard Marx: renomados católicos e católicas alemães se manifestam - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV