Rosa Luxemburgo, ícone e figura controversa da esquerda

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Direito à Moradia, Direito à Cidade

Edição: 533

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Janeiro 2019

Social-democrata, comunista e revolucionária: há um século, a política Rosa Luxemburgo foi assassinada. Ela permanece tão controversa quanto admirada – assim como seu contemporâneo Karl Liebknecht.

A reportagem é publicada por Deutsche Welle, 15-01-2019.

A ativista, teórica e política Rosa Luxemburgo | Foto: Wikimedia Commons

Alemanha, 100 anos atrás. A Primeira Guerra Mundial acabava de terminar, e o imperador estava foragido, mas o país ainda não estava em paz. No dia 9 de novembro de 1918, o deputado social-democrata Philipp Scheidemann proclamava a República Alemã. Mas a revolução, iniciada por soldados e apoiada por trabalhadores, ainda estava acontecendo – e a população continuava morrendo, porque alemães matavam alemães, cada um lutando pela forma de governo que ele ou ela acreditava ser a correta.

Em janeiro de 1919, a situação piorou. Manifestações em massa estavam na ordem do dia. O governo provisório da Alemanha – com o líder do Partido Social-Democrata (SPD, na sigla em alemão), Friedrich Ebert, à frente – era uma coalizão do SPD e do USPD, o Partido Social-Democrata Independente, mais radical. O partido ficou sob tremenda pressão das ruas, aumentada pela criação, na virada do ano, do Partido Comunista Alemão (Deutsche Kommunistische Partei, ou KPD). Seus protagonistas eram dois ex-membros do SPD: Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo.

Devido à sua postura antiguerra inflexível, os dois ficaram isolados na antiga legenda desde o início, depois que o SPD votou a favor de um empréstimo para o conflito em 1914 para financiar a Primeira Guerra Mundial. Luxemburgo e Liebknecht deixaram a agremiação e se filiaram ao USPD. No inverno revolucionário de 1918-19, por um breve período seu sonho de uma República Soviética socialista parecia estar se tornando verdade.

O modelo era a Rússia, onde a revolução de 1917 já havia sido bem-sucedida – mas onde desembocou rapidamente numa ditadura. Rosa Luxemburgo rejeitou essa evolução. Historiador em Hamburgo, Marcel Bois afirmou em entrevista à DW que Luxemburgo sempre considerou democracia e socialismo "indissociáveis".

Bois explicou que a política acreditava que, além da paisagem política, a economia alemã também deveria ser estruturada de forma democrática. Foi por isso que ela apoiava o movimento soviético, mas foi contrária a um golpe de Estado. Esta também havia sido a posição inicial do KPD: seu manifesto declarou que o poder governamental nunca deveria ser assumido exceto "por vontade clara e inequívoca da grande maioria das massas proletárias na Alemanha".

'Karl, esse ainda é o nosso programa?'

Historiadores da atualidade ainda discordam sobre o papel desempenhado pelos dois comunistas mais conhecidos da Alemanha no Levante Espartaquista, em janeiro de 1919. Marcel Bois acredita que o ímpeto primário veio de forças revolucionárias no setor industrial, e que Liebknecht "se permitiu ser tomado pelo clima geral". Liebknecht tinha a intenção de derrubar o governo, enquanto Luxemburgo teria dito ao seu camarada: "Karl, esse ainda é o nosso programa?"

Esse episódio, segundo os relatos, indica como Luxemburgo e Liebknecht lutaram para decidir qual seria o curso "certo" a seguir. Com suas mortes violentas na época, a divisão da esquerda como um todo entrou numa nova fase, de turbilhões ainda maiores.

No dia 15 de janeiro de 1919, os dois revolucionários foram mortos brutalmente. Liebknecht foi assassinado a tiros por soldados do Freikorps, formado por extremistas de direita, mas que agiram pelas ordens do SPD no poder. A versão oficial diz que ele foi morto "enquanto tentava fugir". Luxemburgo também foi morta a tiros, e seu corpo foi atirado no canal Landwehr, em Berlim.

Karl Liebknecht | Foto: Wikimedia Commons

'A liberdade é sempre a liberdade dos dissidentes'

Socialistas e comunistas ainda realizam um protesto silencioso anual em memória de Rosa Luxemburgo. Milhares de pessoas fazem uma peregrinação ao memorial socialista no bairro Friedrichsfelde de Berlim – normalmente no segundo domingo de janeiro.

Durante os anos em que a Alemanha ficou dividida, o regime comunista do leste insistia em manter o ritual – uma contradição em si, já que lembrava uma mulher e um homem que rejeitaram uma ditadura de um partido único. Porém, desde o primeiro dia, a ex-República Democrática da Alemanha (RDA), ou Alemanha Oriental, com seu todo-poderoso partido único SED (Partido Socialista Unitário), foi precisamente isso.

O historiador Marcel Bois, especialista em comunismo, lembra que próximo ao fim da antiga RDA, dissidentes decidiram invocar a memória de Liebknecht e Luxemburgo. No ano que antecedeu a queda do Muro de Berlim em 1989, eles usaram a cerimônia tradicional para desafiar o governo estatal, carregando banners que exigiam mudanças sociais radicais e que ostentavam citações da própria Rosa Luxemburgo. Um dos slogans foi seu famoso comentário feito em crítica à Revolução russa: "A liberdade é sempre a liberdade dos dissidentes".

Fundação Rosa Luxemburgo, uma 'pequena forma de reparação'

Hoje em dia, o legado espiritual de Rosa Luxemburgo é mantido pela fundação que leva seu nome. A diretora da organização, Dagmar Enkelmann, acredita que batizar a instituição, politicamente próxima do partido A Esquerda, com o nome da revolucionária assassinada foi "uma pequena forma de reparação".

Em entrevista à DW, Enkelmann disse que é lamentável que a Alemanha Oriental colocou Luxemburgo "num pedestal". Como resultado, afirma, as pessoas na época prestaram muito pouca atenção em suas ideias teóricas, que podem ser consultadas em seus artigos de jornal e nas cartas que escreveu.

Olhando para as próximas eleições legislativas europeias, marcadas para maio deste ano, Enkelmann diz lembrar com desconforto da desunião que sempre parece assombrar a esquerda. Atualmente, não está claro se a esquerda será capaz de se unir para formar uma bancada parlamentar conjunta.

Para Enkelmann, que é ex-integrante do Parlamento pela legenda A Esquerda, partidos de direita rapidamente conseguem chegar a um acordo. Ao mesmo tempo, 200 anos de experiência mostram que "a esquerda política sempre é muito rápida em construir barricadas em seu próprio interior" e trabalha muito pouco "no que realmente nos une". Rosa Luxemburgo também passou por essa experiência – e pagou por ela com sua vida.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rosa Luxemburgo, ícone e figura controversa da esquerda - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV