O alerta de clima na Cop24 em Katowice. Apenas doze anos para reverter a rota

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Dezembro 2018

“O desafio de interromper o sobreaquecimento do planeta e limitar o aumento das temperaturas estabelecido em 2015 em Paris, é cada vez mais difícil e o tempo disponível é cada vez mais limitado”. O alerta vem do clube de Kyoto, uma organização criada em 1999 e comprometida em atingir as metas de redução das emissões de gases do efeito estufa. Seu nome vem do Protocolo de Quioto, assinado durante a COP3 realizada em 1997. O diretor da organização científica Gianni Silvestrini, presente na Polônia para Cop24 destacou que "estamos diante de uma aceleração sem precedentes das mudanças climáticas e em risco não estão mais só as gerações futuras, mas também a nossa" e para isso é necessário agir rapidamente.

A informação é publicada por L'Osservatore Romano, 05/06-12-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

O painel de especialistas da ONU sobre mudança climática, lembra o especialista, afirma que "restam apenas doze anos para reverter a rota: é necessário que dentro desse prazo a comunidade internacional consiga estabelecer metas mais ambiciosas e cortar drasticamente as emissões nocivas até 2030. Estamos numa fase muito delicada”, conclui.

A ex-astronauta norte-americana Mae Jemison, convidada a participar da cúpula, lançou um apelo à "conscientização" da ameaça representada pela mudança climática. Embora a luta contra a mudança climática seja "provavelmente o problema mais importante" que a humanidade já teve que enfrentar, "devemos resolvê-la e é realmente essencial entender que o problema é de todos nós", continuou a primeira astronauta afro-americana a ter ido para o espaço. Uma opinião compartilhada pelo chefe da estação espacial internacional Alexander Gerst, que lembrou em uma mensagem dirigida aos participantes que "não temos um planeta B" à nossa disposição.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O alerta de clima na Cop24 em Katowice. Apenas doze anos para reverter a rota - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV