Feminismos: uma revolução que Marx não perde

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • A radical visão teológica do Papa Francisco

    LER MAIS
  • O surgimento dos ''cismáticos devotos'' na Igreja Católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Novembro 2018

A relação entre o marxismo e o feminismo foi abordada, pelo menos, a partir de duas lógicas: a do amor romântico e a da suposta cegueira de Karl Marx sobre a questão de gênero. A celebração do bicentenário de seu nascimento oferece uma oportunidade para rever esses números e explorar novas leituras de um vínculo de produtividade inquestionável. É necessário, para isso, evitar o reducionismo que assombra as duas tradições (marxista e feminista).

O artigo é de Laura Fernández Cordero, doutora em Ciência Sociais pela Universidad de Buenos Aires — UBA, pesquisadora do Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas — CONICET, publicado pela revista Nueva Sociedad, de outubro de 2018. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

No centenário do nascimento de Karl Marx, Antonio Gramsci negou a celebração do grande pensador como messias ou como pastor. "Nosso Marx", disse ele, é grande demais para reduzir suas ideias à uma parábola ou sintetizar seu trabalho num credo de ocasião [1]. Seu desejo não está longe do de Michel Foucault, que propôs uma leitura revolucionária de Marx que, junto com Sigmund Freud e Friedrich Nietzsche, encontraria uma nova discursividade para o Ocidente [2]. Todos buscam subtrair Marx das leituras limitadas, parciais e tranquilizadoras, e restaurar uma certa noção de totalidade ou, pelo menos, de impacto geral e inescapável sobre o modo como o mundo contemporâneo é interpretado.

O cenário do bicentenário parece bem diferente; mesmo sem pretender fazer uma avaliação exaustiva, observa-se nas comemorações um Marx colocado em relação a um número infinito de assuntos específicos. O paradoxo dessa tendência é evidente no número de mesas e painéis que, há algum tempo, incluem intervenções do tipo: "Marx e mulheres", "Marx e feminismo", "Marx e gênero" ou, sem hesitação, "Marx e a Mulher". No pior dos casos, parece um tipo de cota temática. Mulheres específicas, em mesas específicas das quais falamos, na aparência, questões muito específicas. Convites que podem ser genuínos ou evidência da necessidade de estar em sintonia com uma vanguarda feita de feminismos, movimentos de mulheres e ativismo LGBTIQ+.

No melhor dos casos, essa cota, sugerida em títulos tão concisos, nos permite vislumbrar muitos e diversos Marx. O marido da abnegada Jenny, companheira no caminho do exílio e da miséria. Ele obstinado em um empreendimento revolucionário, que estava sempre acima de sua família. Aquele que, apesar do anacronismo, mereceria a acusação homofóbica. Aquele que fez teoria sobre a situação das mulheres em termos antropológicos, históricos e políticos. E também aquele Marx que acompanhou o crescimento de três filhas e escritoras políticas e, quando isso não era comum, levou a sério o questionamento de uma mulher (sabe-se que foram necessários muitos rascunhos para responder Vera Zasúlich sobre a viabilidade de uma revolução na atrasada Rússia czarista). Se, nessas ocasiões, evita-se o erro comum de tomar "gênero" como sinônimo do termo "mulher", pode surgir o Marx que nasce masculino, com seu poder e suas limitações. Primogênito após a morte de seu irmão. O jovem noivo que escolhe uma mulher um pouco mais velha. O escritor determinado que contesta a outros homens a liderança e a aceitação da palavra. O provedor irregular e endividado. O pai que procria dentro e fora do casamento. O velho e as doenças que fragmentam seu trabalho sempre inacabado.

Os socialistas, entre os quais Marx e Engels que escreveram o Manifesto Comunista, não eram alheios à ideologia da emancipação das mulheres que percorria a Europa. Aqueles que no final do século XIX passaram a questão a limpo foram August Bebel e Friedrich Engels, responsáveis por legar ao mundo essas bíblias infalíveis nas bibliotecas socialistas e anarquistas: Mulheres e Socialismo e A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado. Ambos seguem as premissas dominantes do próprio Marx, espalhadas em textos publicados e em notas não publicadas. Talvez seja essa falta de análise sistemática que inspira o conhecido julgamento de que Marx era "cego ao gênero". Tal veredicto é muito infeliz por várias razões.

Em princípio, supõe-se que algo como "gênero" estivesse lá, disponível, à vista de todos, em cima da mesa. Ele não conheceu o laborioso processo de produção teórica feminista que elaborou o conceito ao longo do século seguinte. Tanto quanto se esquece o melhor do autor: o intenso trabalho teórico que vai de uma simples mesa para aquelas páginas maravilhosas sobre o fetichismo da mercadoria. Muito mais do que uma coleção de questões ou problemas, Marx é uma máquina de leitura, uma potência crítica. Outra questão recorrente para estes tempos: como as mulheres o leram? Sem entrar em disputas muito boas sobre essências ou singularidades históricas, essa questão deve ser imediatamente oposta: como os homens leram Marx? Eles vão me dizer (e há muitos especialistas) que os homens interpretaram isso em chaves muito diferentes, em comunhão ou em disputa com ideias anteriores, em tensão e em camaradagem com outros leitores, na contramão, seguindo uma corrente ou reinventando-a. Da mesma forma, tudo isso foi feito pelas mulheres leitoras de Marx. As reconhecidas não são muitas, pois não há tantas intelectuais famosas ou aquelas que vieram aos panteões da esquerda (ainda há muito a ser feito em termos de reconstruções biográficas e revoluções de cânones); no entanto, sabemos que elas tomaram vários caminhos. Para fazer uma rápida revisão, dentro dos partidos socialistas e comunistas se seguiram, em traços largos, os mandamentos de August Bebel e Engels: a subordinação é histórica, os trabalhadores precisam se organizar, as mulheres devem se livrar do trabalho doméstico, a revolução emancipará as mulheres etc. Mas, como acontece que há muito mais sob o sol de Marx do que os social-democratas e comunistas souberam transformar em manual, havia mulheres que prestavam atenção ao que Marx fazia, "enxergaram a mesa" e, portanto, em diferentes contextos históricos, com maior força nos anos setenta, o tiraram as barbas e depois sim, junto com outros feminismos não marxistas, elas traduziram a dominação patriarcal em teorias, em conceitos, em revoluções pessoais, em práticas políticas.

Por fora do "casamento"

Com essa pretensão de contradizer fórmulas persistentes, vamos rever essa figura de acordo com a qual o marxismo e o feminismo (nessa ordem) teriam passado por todo o arco das relações de casal. Em inúmeras intervenções se falam dos namoros, dos relacionamentos de ocasião, os casamentos felizes e fracassados, os divórcios escandalosos, os abandonos, as infidelidades e as ternas reconciliações. Essas imagens supõem entidades que poderiam alcançar uma fusão perfeita, do tipo que promete a reunião de uma laranja dividida ao meio. Dessa perspectiva, o marxismo careceria de algo que o feminismo pode oferecer e vice-versa. Na versão mais plana, uma forneceria a análise de "classe" e a outra, a de "gênero". Basta que elas se cruzem, isto é, eles estão em uma interseção. Embora estas cruzes tenham produzido vários resultados produtivos, é vital explorar fora do imaginário ditado pelo amor romântico, a fim de resistir ao ataque dos reducionismos que assombram ambas as tradições. Num artigo em que avalia a relação da obra de Marx com o pensamento utópico, Fredric Jameson enuncia de maneira muito clara sua poderosa manobra desmistificadora da natureza humana, uma operação que não se distancia, aponta o autor, das propostas construtivistas e antiessencialistas mais próximas no tempo que descartam uma essência humana preexistente: "dado que a natureza humana é histórica e não natural, dado que é um produto de seres humanos e não é inatamente registrada em genes ou em DNA, os seres humanos podem mudá-lo, isto é, não é uma condenação ou um destino, mas, ao contrário, o resultado da práxis humana” [3].

Uma autora como Silvia Federici encontra nessa luminosa contribuição de Marx uma das chaves de recuperação de seu legado por parte do feminismo. Com o método materialista-histórico colaborou na demonstração de que as identidades e hierarquias de gênero são construções sociais dinâmicas e transtornadas [4]. No entanto, é tão indubitável que Marx radicalmente desmantelou a suposta natureza eterna do humano, como encontrando esse mesmo gesto nos precursores do feminismo. As mulheres que lutavam para superar a subordinação a que eram submetidas eram forçadas a discutir uma "natureza" fixa e imóvel, de acordo com a qual não estariam qualificadas para a vida pública. De acordo com a filosofia mais disruptiva do Iluminismo, elas denunciaram um destino "natural" que, estritamente falando, tinha sido forjado no calor dos costumes, normas e credos por séculos. Em suas proclamações, a demanda por educação para as mulheres era mais do que um pedido para participar do conhecimento do mundo; Foi, acima de tudo, uma ferramenta para demonstrar a possibilidade de uma nova mulher e uma transformação cultural radical que tiraria a humanidade do obscurantismo. Olympe de Gouges é lida por Mary Wollstonecraft, lida por sua vez por Flora Tristan e Emma Goldman. Uma linha de discussão que passa por Virginia Woolf e chega a Simone de Beauvoir, para citar apenas alguns links importantes. Laboriosas mineiras dessa mina falaciosa que é a "natureza humana". Escavadoras que perfuraram o solo tranquilo do Ocidente viril, assim como aquela velha escavação da revolução que Marx esperançava.

Estas e outras, quase desconhecidas, nos permitiriam oferecer uma leitura de Marx de maior contato com o século que ele viu nascer. Não como um pretendente de um feminismo que procura pelo melhor candidato, mas em contraponto com seus contemporâneos. Abrir, por exemplo, aquele evento comemorativo que teria dedicado a Tristão - "precursor de nobres ideais" - e sobrepesar sua contribuição ao marxismo com a mesma dedicação com que se revisa o legado dos chamados socialismos utópicos. Sem dúvida, um autor menos canônico, mais nuançado e lúcido surgiria em sua primeira vocação para unir trabalhadoras e trabalhadores do mundo. E também surgiria outro Marx (que, como os espectros de Derrida, é legião), menos cego, mais polifônico, em diálogo com um dos temas centrais de seu tempo. Isso implicaria não apenas reler os textos conhecidos, mas também percorrer outros que são pouco percorridos, como tem sido feito graças à recente tradução para o espanhol dos artigos que compõem o volume "Sobre o suicídio" [5]. Claro, não para juntar-se ao concurso de quem foi o mais pioneiro, mas para destacar a vantagem crítica do feminismo. Porque se Marx, Freud e Nietzsche são mestres da suspeita - como Paul Ricoeur os caracterizou - ou fundadores da discursividade - como Michel Foucault os entronizou - é, em parte, porque estavam em um debate amistoso ou guerreiro com os professores da mais insidiosa suspeita, daqueles tempos: aquela metade da humanidade foi deixada de fora da modernidade que se estava parindo.

Esse modo de leitura exigiria a exploração de textos perdidos e autores duplamente marginalizados, primeiro por cânones hegemônicos masculinistas e heteronormativos e, posteriormente, pela recuperação seletiva e estabelecimento de alguns célebres reeditados. Ele também nos convida a revisitar as mulheres canonizadas com uma atitude reflexiva e não condescendente, com confiança na força que a crítica feminista conseguiu alcançar. De maneira semelhante, ler Marx hoje, não como um noivo vestido para a ocasião, mas como um interlocutor ainda presente, implica aceitar o próprio jogo de interpretações que nunca o deixarão impoluto ou intacto. Hoje em dia, as paredes da vizinhança e as paredes virtuais estão alertando: "O que eles chamam de amor é trabalho não pago". Como um espírito revelador para aquele outro aviso de Marx: "O que eles chamam de mesa, são relações sociais". Esse transmutado Marx circula de muitas formas, por caminhos que não terminam na academia e que entram nos bairros e movimentos populares. A própria Federici, que pode ser atribuída ao significado da frase, vagueia em carne e osso ou na forma de livros e fotocópias pelas mais diversas geografias locais. As materialistas francesas circulam em folhetos de confecção caseira, enquanto as reedições bem-sucedidas de textos de Marx coexistem com as leituras incontroláveis que o ciberespaço distribui. Marx não estará mais ajustado às exigências da história intelectual ou do purismo militante, mas com seus ecos honra aquela tese que pede à filosofia: menos devaneio teórico e mais compromisso com a transformação. Embora, aparentemente, esses pedaços de marxismo não estejam derrubando grandes estruturas, eles acompanham uma revolução da subjetividade que, longe do novo homem, continua a pôr em xeque a tão mencionada universalidade do humano.

Ao mesmo tempo, esse Marx sem instrução, lido em fragmentos (como em fragmentos que sua escrita tornou conhecida), é um bom antídoto contra as versões liberais do feminismo, aquelas que podem levantar uma reivindicação cara como o aborto legal e, ao mesmo tempo, lutam para dividir o topo com o parceiro burguês. Porque como podemos distinguir vários Marx, o feminismo se tornou múltiplo. No entanto, devemos conjurar a falsa tranquilidade que dá ao plural e fortalecer a variante que é até os tempos. Não será, evidentemente, o feminismo liberal bem conhecido, nem o que não tem dúvidas sobre a mulher como categoria transcendente e essencial. Será, com sua própria diversidade, a parte do feminismo que ousou discutir o tema de sua emancipação (pela força das trabalhadoras, negras, lésbicas e vozes periféricas), para desfazê-lo em profundas discussões filosóficas, para desarmá-lo à luz de produção teórica trans, para exprimir as suas identidades seguras nas caldeiras da teoria queer e, claro, para cunhar e criticar e transformar o conceito de gênero em uma categoria nunca parada. Assim, como Sara Ahmed diz: "quando não é mais dirigida a crítica do patriarcado, nem o é assegurado pelas categorias de 'mulher' ou 'gênero', é quando o feminismo está fazendo seu trabalho mais 'mobilizador'". E é por isso que: "A perda do objeto, mais do que sua criação, é o que permite ao feminismo se tornar um movimento, ao mesmo tempo em que abre possibilidades de ação que não são limitadas pelo que combatemos no presente" [6].

Lição aguda para os esquerdistas marxistas, pelo menos aqueles instigados, porque o sujeito político por excelência - o proletariado, a classe - sofre de instabilidade política e estrutural irreversível. A teoria feminista oferece o aprendizado de uma montanha de críticas e estratégias, em vez de buscar um casamento conveniente e sereno, no qual algumas ainda sonham, tendo os maridos no comando.

Marx com frutas e verduras

Uma das muitas atividades dedicadas ao bicentenário do nascimento de Marx, em Buenos Aires [7], organizou-se um programa que percorreu vários textos de Marx a partir de múltiplas linguagens e perspectivas. Entre os escritos menos conhecidos, a Coluna Durruti leu em uma chave performativa Escorpião e Felix, um romance satírico inconclusivo de um Marx muito jovem e insolente [8]. Em turnos, um ator e uma atriz leram diante de um busto de argila, que estava sendo alvo pela primeira vez frutas e verduras maduras. O rosto mais reconhecido do filósofo, com seus cabelos compridos e barba densa, foi deformado com cada banana ou melão esmagado contra a massa macia, ao ritmo de algumas risadas que provocavam seu texto zombeteiro. Vegetal e colorido, o ato culminou com um herói de Giuseppe Arcimboldo, um pouco irritado com os dois leitores fervorosos e seminus que saltaram em seu nariz. Embora o humor iconoclasta fosse evidente, a risada parecia um tanto quebrada, como se o público não tivesse certeza absoluta de sua reação. O clima da sala era de alta expectativa: o que mais vai fazer com aquele cara que já carrega uma cenoura como chifre? Quantos tapas aguentam essa massa de plástico e nosso apego a esse perfil de barba? É possível rir enquanto estou mergulhado nos sucos dessa destruição?

Além dessas condutas seguras com as quais a arte confere a solenidade do pensamento político, a reflexão sobre a herança marxista não costuma estar ligada ao humor ou ao riso. Pelo contrário, sentimentos negativos e bastante sombrios prevalecem. Após a queda do Muro de Berlim, um símbolo do encerramento da experiência das sociedades não capitalistas, houve uma proliferação de avaliações esperadas ligadas ao fracasso e à derrota. Mesmo essas emoções dominam as críticas, sejam elas analisadas ou tentadas superá-las. Por exemplo, um livro que coloca uma grande parte da produção teórica crítica contemporânea numa perspectiva histórica abre com um primeiro capítulo de começo vigoroso: "Tudo começa com uma derrota" [9]. Embora as conclusões de seu autor, Razmig Keucheyan, procurem destacar as tarefas pendentes para um futuro de transformação social radical, elas ainda estão sob o espírito da declaração de Perry Anderson que toma como epígrafe: "a derrota é uma experiência dolorosa que sempre somos tentados a sublimar".

Esta proposta visa, no entanto, vincular a teoria crítica contemporânea ao seu passado teórico e político (embora tenha alcançado maior status público após 1989), bem como conectá-la a eventos que renovaram a crítica social e política (como os protestos em Seattle contra o Organização Mundial do Comércio em 1999 ou o Primeiro Fórum Social Mundial em Porto Alegre em 2001). De certa forma, tentamos ressignificar o sentimento de derrota e, acima de tudo, definir algumas tarefas em vista de um futuro de mudança social. No entanto, aqueles que estão listados nas conclusões - a questão estratégica em interação com os movimentos políticos e sociais, a questão ecológica, maior atenção aos pensamentos críticos fora dos centros geográficos hegemônicos - poderiam acrescentar uma dimensão que o autor indica sem aprofundamento: uma reflexão teórica insistente sobre a produção de subjetividade, sem descurar uma avaliação política das modalidades subjetivas neoliberais. Poucas tradições acumularam muita reflexão nesse sentido como feminismos; uma crítica radical da esquerda não pode prescindir dela, nem pode ser desculpada em sua indiferença porque é considerada uma contribuição parcial ou de "gênero". Se algo pode ser recuperado nestes tempos de fragmentação e departamentalização, é o compromisso geral e totalizante da crítica feminista e da utopia.

Em outra tentativa de rever a memória da história da esquerda, Enzo Traverso propõe examinar o caráter das derrotas e a vitalidade do duelo das revoluções que não eram [10]. Essa linha que alcança, entre outros nomes, Rosa Luxemburgo e, é claro, Walter Benjamin, pode ligar-se de maneira muito produtiva às elaborações feministas em torno da perda, da melancolia e do poder paradoxal dos fracos. Contra o efeito paralisante da derrota e da frustração, vale a pena a efervescência feminista. Movimento que não desdenha nem a dor nem a raiva, mas que é muito menos enamorado das histórias fortes e masculinas do grande feito, da tomada de palácios ou dos estratagemas militares que são amargos quando não terminam em triunfo. Numerosas ativistas feministas e queer foram capazes de explorar outras frentes de batalha, valorizar outros louros e especular sobre a potencialidade de sentimentos negativos e distopias [11].

Em suma, "como mulheres", fizemos tudo com Marx e sem ele, mesmo dizendo que não somos mulheres e pedimos uma revolução do humano. Esta transformação está em andamento e Marx não a perde. Porque o panorama global e um contexto local de intensificação das políticas neoliberais — com o seu despertar do aviltamento da democracia, da pobreza e da repressão — clamam por novas leituras. Devemos medir os riscos, pode ser um Marx de gôndola de supermercado, exposto como uma opção ideológica mais. Nesse caso, vamos voltar ao seu gesto severo, ele não está pronto para a "revolução da felicidade" que algumas direitas latino-americanas prometem hoje. Ele não era um conciliador, nem um cara gentil. Ele não estava contente. Nós feministas que lemos Marx também não estamos.

Notas

[1] A. Gramsci: «Nuestro Marx», 1918. Há uma tradução em espanhol disponível em: https://gramscilatinoamerica.wordpress.com/2018/03/14/nuestro-marx.

[2] M. Foucault: Nietzsche, Freud, Marx, El Cielo por Asalto, Buenos Aires, 1995.

[3] F. Jameson: "La política de la utopía", en New Left Review, nº 25, 2004.

[4] S. Federici: El patriarcado del salario. Críticas feministas al marxismo, Traficantes de Sueños, Madrid, 2018.

[5] K. Marx: Acerca del suicidio, Las Cuarenta, Buenos Aires, 2012.

[6] S. Ahmed. La política cultural de las emociones, PUEG, Ciudad de México, 2015, pp. 267-268.

[7] Esse artigo retoma algumas passagens da minha intervenção na mesa que compartilhei com Emílio de Ípola e Horácio Tarcus, no marco de nascimento de Marx, no Teatro Nacional Cervantes (Buenos Aires, 7 de abril de 2018), do que participaram o Instituto Goethe e a Fundación Rosa Luxemburgo.

[8] A "leitura performática-iconoclástica-achimboldeana" foi realizada por Emílio Garcia Wehbi e Maricel Álvarez, com assistência de Martín Antuña.

[9] R. Keucheyan: Hemisferio izquierda. Un mapa de los nuevos pensamientos críticos, Siglo Veintiuno, Madrid, 2013.

[10] E. Traverso: Mélancolie de gauche. La force d’une tradition cachée (XIXE-XXIE Siècle), La Découverte, París, 2016; «Memoria del futuro. Sobre la melancolía de izquierda» en Nueva Sociedad No 268, 3-4/2017, disponible en www.nuso.org.

[11] Procuramos estabelecer algumas dessas conexões no seminário de pós-graduação que conduzimos com Nayla Vacarezza: "Esquerdas, feminismos e outros projetos apaixonados. Ferramentas teóricas e controvérsias políticas" (Cedinci/Unsam, 2018)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Feminismos: uma revolução que Marx não perde - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV