Honduras. A marcha dos condenados e as mudanças à vista...

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Sojeiros brasileiros compõem movimento político que derrubou Evo Morales

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Outubro 2018

A partir de Tegucigalpa, capital de Honduras, ate a fronteira com os Estados Unidos, a distância em linha reta é de 3500 km. Andando pelas estradas possíveis, trechos de asfalto e principalmente trilhas de terra, essa distância pode aumentar até 4.800 km.

Há algumas semanas, milhares de centro-americanos - hondurenhos, guatemaltecos, salvadorenhos, nicaraguenses - e também mexicanos e sul-americanos caminham, com esposas, filhos e outros parentes jovens, com o objetivo de alcançar os Estados Unidos, entrar, legalmente ou não, conseguir um emprego e uma casa e começar uma nova vida.

São os condenados do hemisfério americano, parte dos condenados da Terra, famintos, sem emprego, sem futuro, desesperados ... São uma parte, pequena, do exército de pobres e empobrecidos que tentam manter viva a última esperança, o chamado "sonho americano".

O comentário é publicado por Il Sismografo, 22-10-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eles não têm nada a perder. Nada, também porque não possuem nada. No máximo, podem ser detidos, presos e mandados de volta, mas pelo menos tentaram e isso, para eles, já é alguma coisa. Aliás, nesse momento é o único recurso que eles têm para dizer que querem viver, que apesar de tudo estão vivos. Permanecer em seus países e cidades, sem tentar, seria a condenação final, aquela dos descartados que em determinado momento se apagam como uma vela.

Agora, essas pessoas, milhares, enquanto andam, sobrevivem graças à enorme generosidade dos povos da Guatemala e do México, liderados pelas dioceses católicas que há dias mobilizam-se freneticamente para dar aos “passantes” o que podem: água, roupas, medicamentos, alimentos , sapatos ...

O que está acontecendo nessas terras da América não é um fenômeno qualquer. É muito grave e alarmante. A forma em que essa migração em massa se desenvolve é sem precedentes. Nunca tinha sido visto antes. Sob certos aspectos, assemelha-se a fenômenos já vistos ao longo do deserto do Saara, no caso da "rota dos Bálcãs" ou nas costas ocidentais da África.

Ninguém é capaz de antecipar como esse caso irá terminar. Talvez essa onda humana vá se romper contra a Polícia Federal e o Exército dos Estados Unidos, e depois cairá o silêncio. Já aconteceu em outras situações asiáticas e africanas.

Em qualquer caso, o continente americano não será mais o mesmo. Os tempos futuros desenharão outra realidade, do Alasca à Patagônia, e com toda a probabilidade será inquietante. A marcha dos condenados é um sinal de alarme.

Veja o mapa do caminho percorrido pela Caravana de Migrantes: 

(Foto: TeleSur)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Honduras. A marcha dos condenados e as mudanças à vista... - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV