Parte do Exército busca blindar imagem da Força caso Bolsonaro fracasse

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Outubro 2018

O medo dos militares é que uma derrocada do projeto de direita seja colocado na conta de toda a caserna, prejudicando um ativo fundamental em tempos atuais: a confiança da população na instituição, escreve Ana Maria Campos, jornalista, em artigo publicado por Correio Braziliense, 22-10-2018.

Eis o artigo.

Mesmo com o embarque desmedido na campanha do presidenciável Jair Bolsonaro, integrantes do Exército iniciam um movimento na tentativa de blindar a imagem da Força no caso de fracasso do eventual governo do capitão reformado. O medo dos militares é que uma derrocada do projeto de direita seja colocado na conta de toda a caserna, prejudicando um ativo fundamental em tempos atuais: a confiança da população na instituição.

O assunto é um dos temas da pauta do Alto Comando do Exército que se reúne esta semana, em Brasília — diga-se, o encontro já estava agendado anteriormente. A questão é complexa. Bolsonaro, às vésperas de se tornar o presidente eleito do Brasil, não é o candidato dos sonhos dos mais qualificados oficiais da força. Ao contrário, sempre foi visto como um sindicalista — defensor de interesses corporativos — que ficou pelo meio do caminho da qualificação militar. Pior, um capitão reformado controverso que mais atrapalhava do que ajudava a imagem da corporação.

Parte dos oficiais do Exército, por exemplo, votou em outros candidatos no primeiro turno, simplesmente por desconfiar de Bolsonaro. Com a chegada do segundo turno, a adesão foi total, apesar de alguns receios do programa nas áreas econômicas e, surpresa, de segurança. Os principais nomes da reserva, como general Augusto Heleno, entraram no projeto do deputado federal e, assim, quebraram resistências para a adesão de uma vez por todas. Mas isso não significa que a preocupação com a imagem tenha sido esquecida, a ponto de existir receio com a quantidade de militares que migrariam para o governo.

Movimentos

Segundo quem acompanha mais de perto os movimentos dos militares do Exército, haverá uma pressão para indicações da turma nos cargos de segundo escalão. É isso que o Alto Comando reunido nesta semana tentará analisar e, a depender do aprofundamento do tema, propor recomendações, justamente para não misturar de vez o governo Bolsonaro com a caserna. De certa forma, isso já vem sendo feito entre o pessoal da Marinha, que tenta manter distância da campanha do presidenciável — o mesmo não pode ser dito da Aeronáutica, apesar de restrições de brigadeiros.

Na semana passada, o Correio mostrou que, com a perspectiva de vitória de Bolsonaro, os militares já fazem apostas para a substituição do general Eduardo Villas Bôas no comando do Exército. Caso o presidenciável siga a tradição, que determina que a escolha deve ser feita a partir do critério de antiguidade, o novo chefe da Força será Edson Leal Pujol, atual chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia. A tal tradição foi interrompida por Dilma Rousseff justamente na escolha de Villas Bôas, em 2105. Nascido em Dom Pedrito (RS), Pujol tem 63 anos e foi o primeiro da turma na Academia Militar das Agulhas Negras, a Aman, em 1977. Em 2013, foi nomeado comandante da Força de Paz na Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah).

Na lista dos cotados ainda estão os generais Paulo Humberto, chefe do Estado Maior do Exército; Mauro Cid, chefe do Departamento de Educação e Cultura; e Carlos Barcellos, do Comando Militar do Norte. Todos os quatro oficiais são da turma de Bolsonaro na Academia das Agulhas Negras, no fim da década de 1970, e têm mantido conversas com o deputado sobre as diretrizes para um eventual governo. A questão aqui a ser observada é quem vai mandar mais na tropa: o novo comandante ou o general Heleno, que já foi anunciado como Ministro da Defesa do eventual governo.

Pataquada

Um dos melhores exemplos dos militares em não confundir a imagem das Forças com o novo governo está na declaração do deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidenciável. Durante uma palestra antes do primeiro turno das eleições, ele, em tom de ameaça, disse que, se o Supremo Tribunal Federal impugnar a candidatura do pai, terá de pagar para ver o que acontece. “Será que eles vão ter essa força mesmo? O pessoal até brinca lá: se quiser fechar o STF, você sabe o que você faz? Você não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo. Não é querer desmerecer o soldado e o cabo, não.” A declaração não pegou mal apenas entre os ministros da Corte, mas também entre os militares.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Parte do Exército busca blindar imagem da Força caso Bolsonaro fracasse - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV