China legaliza campos de concentração para 'reeducar' muçulmanos

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • Comunidades Eclesiais de Base, sim. Artigo de Pedro Ribeiro de Oliveira

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Outubro 2018

Medida está prevista em lei 'para promover uma transformação ideológica e impedir o extremismo', e governo chinês tenta restringir a prática do islamismo; programa é acusado de ser uma lavagem cerebral.

A informação é publicada por O Estado de S. Paulo, 11-10-2018.

A China passou os últimos meses negando a existência de campos de concentração para “reeducação” de minorias muçulmanas. Nesta quarta-feira, 10, no entanto, a região de Xinjiang transformou o envio de muçulmanos uigures para campos de internação em lei e aumentou a preocupação internacional.

O programa é acusado de ser uma lavagem cerebral. Durante séculos, a China buscou restringir a prática do islamismo. Agora, a medida está prevista em lei “para promover uma transformação ideológica e impedir o extremismo”.

“Os governos locais passam a poder estabelecer organizações de reeducação e modificação religiosa e outros centros de monitorização de atividades extremistas, com o objetivo de transformar a mentalidade de pessoas que possam ter sido afetadas por ideias extremistas”, escreve o South China Morning Post, citando a nova lei.

A China nega que uma rede de campos secretos sejam utilizados para reeducação política ou detenções arbitrárias. Segundo as autoridades, alguns cidadãos culpados por crimes leves são enviados a “centros vocacionais” para que tenham melhores oportunidades de emprego. Além disso, afirmam que Xinjiang enfrenta sérias ameaças de combatentes islâmicos e separatistas, embora rejeitem acusações de maus-tratos.

Na região, organizações denunciam violência e tortura contra os uigures, com milhares de pessoas já tendo sido detidas e famílias inteiras desaparecido. Metade da população de 24 milhões de pessoas pertence a minorias étnicas muçulmanas. A maioria é de uigures, cuja religião, idioma e cultura, além do histórico de movimentos de independência e resistência ao domínio chinês, sempre irritaram Pequim.

Os uigures são uma das 56 etnias reconhecidas pelo governo. Eles vivem na região de Xinjiang, no noroeste do país. Eles se veem mais próximos cultural e etnicamente da Ásia Central do que da China, e falam uma língua próxima ao turco.

Em agosto, o Comitê da ONU para a Eliminação da Discriminação Racial manifestou “preocupação” com a situação da etnia. A vice-presidente do comitê, Gay McDougall, disse ter denúncias de que 2 milhões de uigures estariam sendo enviados para campos políticos de doutrinação. Segundo ela, o governo chinês “transformou a região autônoma uigur em algo parecido com um campo de concentração cercado de sigilo, numa zona sem direitos”.

O New York Times reportou que ex-detentos relatam que foram forçados a cantar músicas com letras elogiando o regime e quem não se lembrasse dos versos não recebia café da manhã.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

China legaliza campos de concentração para 'reeducar' muçulmanos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV