Para Nature, eleição de Bolsonaro é ameaça à Ciência

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Outubro 2018

Alinhamento de Bolsonaro com ruralistas prejudicaria também proteção ambiental

A conceituada revista científica britânica Nature publicou na última semana reportagem em que alerta para as consequências de uma eventual eleição de Jair Bolsonaro (PSL) para a Ciência no Brasil. "Um dos dois principais candidatos propôs a eliminação do Ministério da Ciência, enquanto o outro tentaria aumentar o financiamento de pesquisas", compara a publicação.

"Uma onda populista de um candidato presidencial de direita no Brasil ameaça ter enormes impactos nos orçamentos de pesquisa e nas políticas ambientais", alerta a publicação, que afirma que Bolsonaro, polêmico ex-oficial militar, delineou planos que enfraqueceriam também a proteção do meio ambiente.

A informação é publicada por CartaCapital, 09-10-2018.

A revista avalia que o orçamento federal para a Ciência caiu drasticamente ao longo de quase uma década e que políticos alinhados à indústria estão lentamente desmantelando as regulamentações ambientais do País. "Mas os dois principais candidatos presidenciais ofereceram visões muito diferentes para abordar essas questões, deixando os cientistas no limite."

A Nature lembra que, como deputado, Bolsonaro votou diversas vezes com a bancada ruralista, que busca ativamente enfraquecer as regulamentações ambientais. "Ele propôs tirar o Brasil do acordo climático de Paris em 2015 e eliminar os ministérios da Ciência e do Meio Ambiente, reorganizando-os sob o Ministério da Agricultura", afirma o texto. Na região amazônica, Bolsonaro está buscando promover a expansão agrícola e industrial em detrimento das proteções ambientais e dos direitos das comunidades indígenas.

"Haddad, por outro lado", afirma a Nature, "tem uma visão mais geral que enfatiza a ciência, a inovação e a ação sobre as políticas climáticas e ambientais", com promessas de promover as energias renováveis, como eólica e solar, enquanto combate o desmatamento e mantém proteções para territórios indígenas na Amazônia.

Ainda segundo a revista, ao contrário de Bolsonaro - que pediu mais pesquisa e desenvolvimento do setor privado - Haddad se comprometeu a aumentar os gastos federais em Ciência. "Ele propôs elevar o investimento nacional em pesquisa e desenvolvimento para 2% do PIB, usando uma combinação de financiamento governamental e privado. Isso traria os gastos científicos do País ao mesmo patamar do visto nos países industrializados".

O texto lembra, porém, que as propostas de Haddad não deixam claro como concretizas as metas, já que o Brasil aprovou a emenda constitucional que congela investimentos públicos por 20 anos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para Nature, eleição de Bolsonaro é ameaça à Ciência - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV