Em poucos dias de bispo excomungado a bispo do Sínodo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa publicará, na próxima semana, a exortação pós-Sínodo da Amazônia

    LER MAIS
  • A “bomba” da segunda intervenção papal aos jesuítas

    LER MAIS
  • Caderno feminino do L’Osservatore Romano apresenta visão devastadora sobre o mundo das religiosas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Outubro 2018

Há vários dias repercute a notícia, certamente surpreendente e inesperada, que conta a história de dois bispos chineses que serão padres sinodais, os delegados da Igreja Católica na China, e que já nesta quarta-fera deverão tomar parte da celebração eucarística presidida pelo Santo Padre no Vaticano, às 10h, depois, às 16h30min da abertura da XV Assembleia sinodal sobe os "jovens, a fé e o discernimento vocacional", que terminará em 28 de outubro.

A informação é publicada por Il sismografo, 03-10-2018. A tradução é de Luisa Rabolini

Os dois bispos chineses, os primeiros na história dos Sínodos desde que foram instituídos pelo Papa Paulo VI por decisão do Concílio Vaticano II, são:

(1) D.Joseph Guo Jincai, Bispo de Chengde (província de Hebei), nascido 27 de fevereiro 1968. Ordenado bispo em 20 de novembro de 2010. Estudou no Prado e Lyon.

(2) D. Giovanni Battista Yang Xiaoting, Bispo de Yan'an (província de Shaanxi), nascido 9 de abril de 1964. Foi ordenado bispo em 15 de julho de 2010. Ele obteve o doutorado em teologia em Roma, em 1999.

Um aspecto singular diz respeito ao primeiro, D. Joseph Guo Jincai, porque até a publicação do Comunicado do Vaticano que anunciava e formalizava o acordo com o governo de Pequim, era um bispo excomungado porque tinha aceitado a consagração episcopal sem o consentimento papal pela sua nomeação. Logo após esse Comunicado, uma segunda nota do Vaticano admitia que "com o fim de apoiar a anunciação do Evangelho na China" o Papa Francisco decidiu readmitir na plena comunhão eclesial, "os restantes bispos ‘oficiais’ ordenados sem mandato pontifício", isto é, sem o consentimento da Santa Sé.

Os sete bispos Joseph Guo Jincai, Joseph Huang Bingzhang, Paulo Lei Shiyin, Joseph Liu Xinhong, Joseph Ma Yinglin, Joseph Yue Fusheng, Vicente Zhan Silu e Antônio Tu Shihua, O.F.M. Este último morreu em 4 de janeiro de 2017, mas antes de morrer - esclareceu a declaração - expressou o desejo de se reconciliar com a Sé Apostólica.

Esse segundo Comunicado concluía-se ressaltando o desejo do Papa Francisco no sentido de que com as decisões tomadas, "se possa iniciar um novo percurso, que permita superar as feridas do passado, realizando a plena comunhão de todos os Católicos chineses.

Um desses bispos chineses a quem o Santo Padre retirou a excomunhão é D. Joseph Guo Jincai, prelado que a partir de hoje é padre sinodal. Portanto D. Guo Jincai tem a seu favor uma espécie de recorde único: em menos de 10 dias passou de bispo excomungado, fora da comunidade eclesial, a bispo readmitido e nomeado delegado para o Sínodo.

E, neste caso, D. Guo Jincai, mas também o outro delegado, D. Giovanni Battista Yang Xiaoting, detêm outro recorde, por assim dizer, são os únicos padres sinodais que representam a Igreja (na China) sem ter sido eleitos pela Conferência episcopal chinesa (inexistente até agora segundo os critérios e as exigências da Santa Sé).

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em poucos dias de bispo excomungado a bispo do Sínodo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV