James Martin denuncia o "oceano de ódio" que tenta impedi-lo de participar do Encontro Mundial das Famílias, em Dublin

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Agosto 2018

O padre James Martin denunciou o "oceano de ódio e ameaças" que tem recebido depois que se recolheram mais de dez mil assinaturas pedindo que se cancele sua participação no Encontro Mundial das Famílias, de Dublin. O jesuíta afirmou, no entanto, que não se deixará intimidar pela pressão, afirmando que "estes manifestantes não só estão do lado errado da história, como estão do lado errado do Evangelho".

A reportagem é de Cameron Doody, publicada por Religión Digital,14-08-2018. A tradução é de Graziela Wolfart.

"Que tipo de jesuíta seria eu se deixar que o ódio me impeça de amar?", perguntou Martin, em comentários recolhidos por Catholic Herald, depois que a petição organizada pelo movimento irlandês Tradição, Família e Prosperidade lhe acusou de "apoiar a transexualidade das crianças" e "defender que os homossexuais se beijem durante a missa".

"Padre Martin também está em desacordo com a qualificação do Catecismo da Igreja Católica que aponta a inclinação homossexual como 'gravemente desordenada'", continua a reclamação de seus críticos, que também lhe culpam por impedir que os homossexuais "cheguem a uma verdadeira compreensão de sua condição à luz do ensinamento da Igreja e da misericórdia de Deus", o qual qualifica como um "grande dano". "Cremos que o erro e a confusão que [ele] semeia não deveriam ter espaço no Encontro Mundial das Famílias", sentenciam os censores, pelo que pedem "encarecidamente" que os organizadores do Encontro retirem seu convite para falar.

O pedido de silenciar padre Martin não surtiu, até o momento, nenhum efeito, e os organizadores do evento assinalam que não está prevista nenhuma mudança no programa das intervenções. As críticas tão pouco incomodaram o jesuíta, que minimizou a homofobia deste percentual "muito pequeno" de católicos.

"Tenho o apoio de meus superiores jesuítas, vários cardeais, arcebispos e bispos, e também da maioria dos fiéis, muitos dos quais têm pessoas LGBT em suas famílias", salientou o padre.

Apesar das pressões que constantemente recebe, o jesuíta continua sendo um ferrenho defensor da dignidade dos católicos LGBTI. No encontro de Dublin, aproveitará seu recente livro "Construindo uma ponte" - respaldado pelos cardeais Joseph Tobin e Kevin Farrell - para dar uma palestra sobre como promover uma melhor acolhida na Igreja aos fiéis de outras orientações afetivas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

James Martin denuncia o "oceano de ódio" que tenta impedi-lo de participar do Encontro Mundial das Famílias, em Dublin - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV