A profunda conexão de Maria Madalena com Jesus nos mostra o poder do amor

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Arcebispo brasileiro é atacado por liderar ''infiltração esquerdista'' na Igreja

    LER MAIS
  • A radical visão teológica do Papa Francisco

    LER MAIS
  • O surgimento dos ''cismáticos devotos'' na Igreja Católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Julho 2018

“Por uma grande parte da História Cristã — pelo menos até recentemente — o testemunho de Maria Madalena era praticamente invisível. Mesmo que seu testemunho seja o eixo central do qual depende a proclamação da Ressurreição, há séculos ela foi falsamente lembrada — pelo menos no Ocidente — como uma prostituta perdoada”, escreve Christine Schenk, irmã da Congregação de São José, mestre em enfermagem e teologia, co-fundadora da FutureChurch, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 17-07-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Rooney Mara interpreta Maria Madalena no filme nomeado em homenagem a seguidora de Jesus. (Transmission Films)

Eis o artigo.

Em meados de julho sempre me lembro de que é época de Maria Madalena. Há 20 anos, ajudei a organizar o que seria um evento anual da FutureChurch, projetado para honrar esta proeminente "apóstola dos apóstolos".

Inspirado pelas marchas globais das mulheres, neste ano o tema é "Celebrando Feminismo e Fé em União". Como a comemoração acontecerá no domingo, dia 22 de julho, a missa será especial para honrar esta grande mulher.

Tem sido gratificante assistir as celebrações de Maria Madalena se tornarem populares. Cerca de 250 a 400 eventos são realizadas ao redor do mundo todos os anos. Líderes da FutureChurch, Deborah Rose Milavec e Russ Petrus estão colhendo os frutos de sua fiel perseverança.

Por que se tornou tão popular celebrar a Santa Maria de Magdala?

Eu suspeito que os católicos comuns sejam atraídos para a ideia de ajudar a corrigir um erro notório. Além disso, há uma coisa intrigante sobre o ocultamento das mulheres no discipulado de Jesus. Afinal, muitas de nós mesmas somos "discípulas invisíveis". Não pensamos em nosso testemunho cristão como algo especial, mesmo sendo aquilo que dá sentido às nossas vidas e nos conduza a tomadas de decisão.

Poderíamos estar entre aqueles que o Papa Francisco fala quando cita santa Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein) em Gaudete et Exsultate?

É sabido que as maiores figuras de profecia e santidade conseguiram sair do fundo do poço. Mas na maior parte, o fluxo formativo da vida mística permanece invisível. Certamente, os pontos mais decisivos de virada na história do mundo são co-determinados por almas que nenhum livro de história menciona. E nós só vamos descobrir sobre essas almas a que devemos decisivas reviravoltas em nossas vidas pessoais no dia em que tudo aquilo que permanece invisível for revelado.

Por uma grande parte da História Cristã — pelo menos até recentemente — o testemunho de Maria Madalena era praticamente invisível. Mesmo que seu testemunho seja o eixo central do qual depende a proclamação da Ressurreição, há séculos ela foi falsamente lembrada — pelo menos no Ocidente — como uma prostituta perdoada.

Seu testemunho profético emerge do que é certamente o momento mais sombrio na vida dos antigos fiéis. Ela foi contar a seus irmãos — discípulos homens que devem ter achado que a promessa de um novo reino de Deus feita por Jesus era apenas um sonho — e eles não acreditaram nela. Antes da crença tomar seu devido lugar, eles precisavam ter suas próprias experiências do Cristo ressuscitado.

O profundo amor de Maria para com aquele que a tinha curado, a fez sair de casa naquela fatídica manhã. Primeiro, descobre que o túmulo estava vazio. E então o viu. Viu aquele não tinha a abandonado. Aquele que suas irmãs discípulas e ela não poderiam abandonar durante seu terrível sofrimento e morte.

E o resto, como dizem, é história. Ou é herstory [história a partir de uma perspectiva feminina, nde]?

Alguns estudiosos bíblicos suspeitam que as narrativas do túmulo vazio e da ressurreição chegaram para nós predominantemente pela história oral feminina. A memória da experiência das mulheres no túmulo era tão forte que não poderia ser extinta apesar de antigos escritores masculinos tentarem minimizá-la. Afinal, na cultura greco-romana as mulheres não eram permitidas ser testemunhas legais ou a falar publicamente.

Esta pode ser a razão por Maria Madalena e suas companheiras não serem mencionadas por Paulo, cujas cartas precedem o Evangelho em várias décadas. Mas quando os Evangelhos foram colocados no papel ficou impossível contar a história da Ressurreição sem incluir o testemunho das mulheres. A tradição oral sobre o túmulo vazio e o encontro de Maria Madalena com Jesus também estava tão arraigado na memória cristã que não poderia ser deixado de fora.

A profunda conexão de Maria Madalena com Jesus no jardim do sepulcro recentemente veio à mente quando assisti ao filme "Uma dobra no tempo", da Disney. Eu já havia gostado muito do livro homônimo de Madeleine L'Engle e gostei do filme quase tanto quanto.

Eu vejo confluir o foco da história sobre o amor que seria a força de ligação no universo e teria capacidade de atravessar o espaço-tempo com a capacidade de Jesus para se fazer presente para Maria Madalena e, em seguida, para os outros discípulos, e agora — para nós!

A história de L'Engle contém outros adoráveis temas cristãos: a luz interior de cada pessoa traz algo excepcionalmente importante para criação; podemos acessar o poder divino amando, buscando o bem e reconhecendo nossas falhas contribuindo para a vitória sobre o mal.

Na história, a adolescente Meg Murry se torna uma figura parecida com Jesus: salva seu irmão mais novo, Charles Wallace, que foi possuído por "Aquilo", o inimigo de tudo o que é bom. Ela salva o irmão por amá-lo apesar das afrontas do mal. Seu amor persiste em face de grave sofrimento. No final, o amor supera todos os poderes das trevas e o irmão dela retorna a ela, inteiro e saudável.

Esta é uma história poderosa. Aumenta a minha fé de que os males significativos que enfrentamos nos nossos dias podem ser superados por nossa união com o amor divino. No processo, temos também de reconhecer nossas falhas — individual e corporativamente — pois então o poder do mal sobre nós é enfraquecido.

Eu suspeito que existam muitos "místicos ocultos criando um ponto de virada decisivo na história da humanidade", em nosso mundo.

Talvez, como Maria Madalena e Jesus, vamos criar uma nova "dobra no tempo" quando os poderes das trevas forem superados e tudo o que estiver oculto for revelado.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A profunda conexão de Maria Madalena com Jesus nos mostra o poder do amor - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV