É mais crise do que roubo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS
  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS
  • “Segurança alimentar não basta: o alimento exige uma série de direitos”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Junho 2018

Parece óbvio que o dinheiro acabou porque roubaram, mas não é.

O artigo é de Celso Rocha de Barros, doutor em sociologia pela Universidade de Oxford, publicado por Folha de S. Paulo, 18-06-2018.

Eis o artigo.

Cerca de dois meses atrás, em uma das passeatas quase diárias que ocupavam o centro do Rio de Janeiro protestando contra atraso de salários pelo governo estadual, ouvi o seguinte grito de guerra: “Não é crise! É roubo!”. Os manifestantes acreditavam que o dinheiro que estava faltando para pagar salários havia sido roubado por Sérgio Cabral.

Essa parece ser a ideia mais enraizada na opinião pública brasileira nos últimos anos: o dinheiro acabou porque roubaram.

Isso é falso.

A coisa mais importante que você precisa ter em mente nos próximos anos é o seguinte: teve roubo, teve muito roubo, teve roubo em uma escala aterrorizante. Todo mundo que roubou tem que ser punido, nos termos da lei. Mas não foi isso que causou a crise econômica brasileira, e para resolver a crise brasileira faremos sacrifícios.

Não é verdade, por exemplo, que haveria dinheiro para pagar todas as aposentadorias se os políticos não tivessem roubado a grana. Não haveria. A expectativa de vida dos brasileiros subiu, e a regra atual foi pensada quando as pessoas só viviam poucos anos depois de se aposentarem. Se ninguém tivesse roubado nada, seria necessário reformar a Previdência do mesmo jeito.

Também não é verdade que a gasolina subiu porque os políticos roubaram a Petrobras. Os políticos roubaram mesmo a Petrobras, roubaram muito. Se você pensar nesse dinheiro roubado como algo que um sujeito pegou e levou para casa, é uma quantia altíssima. Mas dentro do orçamento de uma empresa do tamanho da Petrobras, não é tanto assim.

A crise na Petrobras foi causada, em sua maior parte, por flutuações do preço internacional do petróleo e por erros administrativos gravíssimos, como segurar os preços artificialmente no primeiro mandato Dilma.

E aí se vê que o discurso “não é crise, é roubo” pode atrapalhar muito o Brasil. O mesmo controle de preço voltou como resultado da greve dos caminhoneiros. Grande parte da população apoiou a greve dos caminhoneiros, porque viu no movimento uma revolta contra os políticos corruptos. Tentar resolver todo e qualquer problema econômico combatendo a corrupção só vai atrasar a saída da crise.

É inteiramente compreensível que a opinião pública ache que a corrupção causou a crise. Afinal, tivemos a segunda maior recessão de nossa história nos últimos anos, e, exatamente no mesmo período, a Lava Jato trouxe a público o imenso escândalo do financiamento da política brasileira pelos cartéis de empreiteiras.

O brasileiro vê que o dinheiro acabou, vê que os políticos roubaram muito dinheiro, e acha que não há mistério nenhum aí: acabou porque roubaram.

Parece óbvio, mas não é, não. A Previdência já vem acumulando problemas há décadas. O gasto público já vem crescendo mais do que o país faz muitos anos. Nossos problemas de produtividade já existem faz tempo, só ficaram meio disfarçados quando o cenário externo foi favorável ao Brasil na década passada. Precisaremos reformar um monte de coisas para colocar isso tudo em ordem.

Cuidado, portanto, com o malandro que aparecer na eleição negando a discutir esses problemas e prometendo achar o dinheiro que nos tem faltado enterrado no sítio do Lula. Se a corrupção acabasse hoje de manhã, hoje de tarde a crise econômica ainda seria igual.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

É mais crise do que roubo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV