A greve dos caminhoneiros e o Brasil 100% renovável e sem combustíveis fósseis

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro é um “perigo real”, afirma bispo brasileiro

    LER MAIS
  • Gays, negros e indígenas já sentem nas ruas o medo de um governo Bolsonaro

    LER MAIS
  • Não corresponde à verdade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Maio 2018

"O Brasil tem a segunda gasolina mais cara do mundo. Com a queda do preço internacional do petróleo a população e os agentes econômicos conseguiram suportar a alta carga do preço da energia. Mas a desvalorização cambial e o aumento do preço internacional do petróleo ocorrida nos últimos dois meses foram a “gota d’água” para o gatilho da inflação energética", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências EstatísticasENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 25-05-2018.

Eis o artigo

“O futuro será renovável ou não haverá futuro”

A greve dos caminhoneiros e o aquecimento global são dois alertas para o Brasil levar a sério o cenário do fim do uso generalizado dos combustíveis fósseis e acordar para a necessidade de planejar a construção de um futuro energético 100% renovável.

Num momento em que o país tem 27,7 milhões de pessoas desocupadas ou desalentadas e uma renda per capita menor do que a de 2013, a população empobrecida não aguenta o alto preço das passagens e dos fretes, nem os efeitos generalizados do alto preço da gasolina, do gás e do diesel. A energia barata é essencial para o aumento da qualidade de vida, mas qualquer solução requer uma análise de custo e benefício. O incremento do preço dos combustíveis sempre está associado com o aumento das revoltas e dos protestos. O alto preço da energia leva à carestia.

Mas não se trata simplesmente de diminuir o preço dos combustíveis fósseis. O Brasil assinou o Acordo de Paris, em 2015, prometendo reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE). Porém, as emissões brasileiras de carbono estão aumentando e, no quadro da realidade climática internacional, o mundo caminha para uma situação catastrófica com a elevação da temperatura global do Planeta. Matéria publicada no Ecodebate (24/05/2018) apresenta uma análise feita por uma equipe de cientistas da China que mostra que o clima da Terra pode aumentar em 4°C, comparado aos níveis pré-industriais, antes do final do século XXI. Isto traria um quadro ambiental apocalíptico, que afetaria completamente a vida humana e não humana no mundo e no Brasil.

Assim, qualquer política energética tem que pensar o local e o global. Estamos a quatro meses das eleições presidenciais de 2018 e nenhum candidato até agora apresentou um plano minimamente coerente e ousado para o Brasil fazer sua parte na superação da era dos combustíveis fósseis e para avançar na construção de uma matriz energética a partir da articulação das fontes vindas do sol, do vento e da água. O Brasil está atrasado no aumento da capacidade instalada de energias eólica e, principalmente, solar. Está muito atrasado também no planejamento do futuro renovável.

Um mundo 100% renovável até 2050 é tecnicamente possível. Uma equipe de pesquisadores, liderada pelo engenheiro ambiental da Universidade de Stanford, Mark Jacobson, lançou um roteiro para que 139 países possam alcançar a meta de 100% de energias renováveis até meados do século. O plano leva em consideração as circunstâncias únicas de cada um dos países, que, no conjunto, representam 99% das emissões mundiais de dióxido de carbono. Para desenvolver o roteiro, os pesquisadores primeiro analisaram cada país e analisaram a quantidade de recursos de energia renovável bruta que cada um produz e determinaram o número de geradores de energia eólica, água e energia solar necessários para que esse país alcance 80% de dependência de energia renovável até 2030 e 100% até 2050 (Trata-se do enfoque “vento, água, e solar”, ou WWS na sigla em inglês).

Para Jacobson, além de eliminar as emissões e evitar o aquecimento global superior a 1,5º graus Celsius, a transição eliminaria 4 a 7 milhões de mortes por poluição atmosférica a cada ano e criaria mais de 24 milhões de empregos no longo prazo. Para o autor, a novidade do estudo é que examina não só os benefícios climáticos da redução de carbono, mas também os benefícios da redução da poluição do ar e os benefícios na geração de trabalho decente. O mundo poderia economizar mais de US$ 20 trilhões em custos de saúde e clima a cada ano. Como cada um desses 139 países tem as suas próprias peculiaridades, os caminhos para 100% de energia renovável são únicos também. O potencial de geração de empregos verdes é enorme (Ver Alves 26/03/2014 e 30/10/2017).

Neste ano eleitoral, o Brasil deveria discutir o seu plano de médio e longo prazo para abandonar os combustíveis fósseis e transformar a matriz energética, das fontes fósseis e centralizadas para as fontes renováveis, descentralizadas e democráticas, fortalecendo a figura do PROSSUMIDOR (consumidor + produtor) e contribuindo para a geração de empregos decentes. Todavia, no Brasil, existe ainda uma mitificação dos “poderes milagrosos” do petróleo e da “empresa mãe”. Em vez de olhar para o futuro, o Brasil fica preso a um combustível e a uma tecnologia do passado, enquanto a Petrobras se afunda em meio às disputas corporativistas e politiqueiras.

As forças que apoiam o governo Temer acusam a presidenta Dilma e o Partido dos Trabalhadores de terem manipulado e congelado o preço dos combustíveis, de terem endividado a Petrobras, feito investimentos sem possibilidade de retorno financeiro, usado a empresa com fins eleitoreiros e terem instalado um amplo esquema de corrupção na empresa. Dão como exemplo de corrupção e ineficiência da companhia em diversos fatos, como a compra da refinaria de Pasadena no Texas, o mal planejamento das refinarias Premium I e Premium II, de Bacabeira (MA) e São Gonçalo do Amarante (CE), que foram abandonadas com grande prejuízo para o país, a refinaria Abreu e Lima, em Suape (PE), que foi planejada com um custo de US$ 2,3 bilhões, teve seu orçamento revisado para US$ 20,1 bilhões e, mesmo sendo a refinaria mais cara do mundo, não está pronta para pleno funcionamento, além do fracasso completo do alto custo inútil do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí.

Em contraponto, as forças neodesenvolvimentistas que criticam o governo Temer dizem que o esquema de corrupção da Petrobras é muito antigo e que a atual gestão da empresa não vê o “uso social da propriedade estatal” e que a política de aumento dos preços dos combustíveis está preocupada apenas com a lucratividade dos acionistas e com a venda de ativos visando a privatização total da empresa, numa atitude entreguista que não vê o petróleo como fonte de recursos para financiar o desenvolvimento industrial, educacional e cultural brasileiro.

Em vários pontos, os dois lados têm razão. Como diz o ditado: “Em casa onde falta pão, todo mundo grita e ninguém tem razão”. Uns querem o petróleo para fortalecer o mercado e a lucratividade dos detentores do capital. Outros querem o petróleo para fortalecer o Estado e os privilégios corporativos e políticos, em nome de subsidiar o desenvolvimento nacional. O fato é que a Petrobras tem sido um joguete nas mãos de forças políticas com interesses opostos, mas com uma prática comum de manter a ineficiência na gestão e a permanente dependência brasileira aos combustíveis fósseis. Quem paga a conta é o povo brasileiro.

O Brasil tem a segunda gasolina mais cara do mundo. Com a queda do preço internacional do petróleo a população e os agentes econômicos conseguiram suportar a alta carga do preço da energia. Mas a desvalorização cambial e o aumento do preço internacional do petróleo ocorrida nos últimos dois meses foram a “gota d’água” para o gatilho da inflação energética. As pessoas começaram a perceber que o custo da política energética brasileira é muito elevado. Todos os cidadãos se perguntam: onde estão os benefícios do pré-sal?

Na verdade, a economia brasileira não apresentou melhoras desde que as jazidas abissais de hidrocarbonetos foram descobertas e começaram a ser exploradas. Ao contrário, a década de 2011 a 2020 será a segunda década perdida da economia brasileira. O PIB brasileiro cresce muito menos do que o PIB mundial e o Brasil tem ficado atrás não só das economias avançadas e dos países emergentes da Ásia, mas também fica atrás dos países da África e dos demais países da América Latina. O PRÉ-SAL se revelou um passaporte para o FUTURO DO PRETÉRITO.

Evidentemente, o passaporte para o futuro tem que ser renovável. O bilhete premiado não vem das profundezas salgadas do pré-sal, mas sim do sol, do vento e da água, elementos que o Brasil tem de sobra, mas não está sabendo aproveitar. Por exemplo, o Chile – que é uma economia muito menor do que a brasileira – tem uma capacidade instalada de energia solar superior à brasileira. Enquanto o mundo aumentou a capacidade instalada de energia solar em quase 100 GW em 2017, o Brasil não contribuiu nem com 1% deste total.

O gráfico abaixo mostra que a capacidade instalada de energia solar global em 2017 foi maior do que a do conjunto dos combustíveis fósseis (carvão, gás e petróleo). As estimativas para os próximos anos mostram o predomínio das energias renováveis.

Além do aumento da capacidade instalada de energias renováveis, o mundo está passando por uma revolução na indústria automotiva, com a transição dos carros de motor de combustão interna para os carros elétricos. A indústria automobilística não está passando simplesmente por uma época de mudanças, mas sim por uma mudança de época. A mudança da época do motor à combustão interna, com base nos combustíveis fósseis para a época dos carros elétricos, com base na energia renovável.

O crescimento do mercado de carros elétrico tem sido bastante significativo. Em 2016, houve um aumento de 750 mil veículos e o número de carros elétricos no mundo em circulação ultrapassou o limiar de 2 milhões de unidades. O gráfico abaixo mostra alguns cenários de crescimento do mercado de carros elétricos. Em qualquer alternativa o avanço deve ser expressivo, podendo o estoque chegar a 60 milhões no mínimo ou até 200 milhões em 2030. De acordo com a Bloomberg New Energy Finance (BNEF), pelo menos um terço de todos os veículos vendidos no mundo, até 2030, serão elétricos.

A Noruega é o país mais avançado na transição para o uso de carros elétricos, pois, segundo a Bloomberg, mais de um terço de todos os carros novos são totalmente elétricos ou híbridos plug-in, mais de 10 vezes a proporção nos EUA. Até 2025, o governo norueguês planeja eliminar a venda de carros a gasolina ou a diesel, só elétricos. A fabricante sueca Volvo anunciou, em julho de 2017, que vai encerrar a produção de carros a motor de combustão a partir de 2019. Todos os carros lançados a partir de 2019 terão um motor elétrico, marcando um “fim histórico” para o motor de combustão interna. Na mesma semana em que a Volvo anunciou sua decisão, o governo da França disse que vai encerrar as vendas de veículos a gasolina e diesel até 2040. Mas a dianteira na produção de carros elétricos pertence à China, que pretende liderar a produção e as inovações no mercado dos carros elétricos. A cidade de Shenzhen, megalópole do sul da China, anunciou no final do ano passado que eliminou todos os ônibus movidos a diesel e apresentou uma frota de 16.359 ônibus elétricos, mostrando que já é possível ter uma frota de ônibus 100% eletrificada. O próximo passo seria uma frota de ônibus e caminhões elétricos e autônomos.

Enquanto o mundo avança, o Brasil continua totalmente dependente dos combustíveis fósseis e fica exposto à poluição, aos altos custos da gasolina e do diesel. Fica também permanentemente exposto à chantagem das empresas de transporte. Sem querer entrar no mérito do evento, a greve dos caminhoneiros – que, além da paralisação do transporte, inclui o bloqueio de refinarias e distribuidoras – está mostrando como o Brasil é refém de uma política energética equivocada. Depois de quatro dias de greve, mais de 400 bloqueios de estradas em 23 estados e no Distrito Federal, o país começa a ter desabastecimento generalizado de gasolina nos postos, voos cancelados por falta de combustível, ônibus fora de circulação, linhas de montagem paralisadas, desabastecimento e alta no preço de alimentos e hortaliças, etc.

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, que tinha uma pose de executivo independente, teve que engolir a redução no preço do diesel e não se mostrou à altura dos desafios na área. O senador Cássio Cunha Lima e o deputado Paulinho da Força pediram a cabeça de Parente. As ações da Petrobras caíram e as perspectivas para a economia brasileira pioraram. Já se fala até na queda do presidente Michel Temer e a eleição indireta de um presidente tampão para cumprir o mandato até o final do ano. De modo geral, desde o apagão de 2001, os sucessivos governos brasileiros tem sido vítimas de suas próprias incompetências e inépcias energéticas.

No meio de tantas incertezas, existem duas coisas certas: a primeira é que o Brasil vai ter alguns meses de muita confusão e imprevisibilidade até um novo governo assumir o mandato para o quadriênio 2019-2022; a segunda, é que o país precisa ter um plano para abandonar a dependência dos combustíveis fósseis, democratizar e universalizar o uso de uma energia eficiente e mais limpa e se preparar para um futuro 100% renovável.

Referências:

ALVES, JED. Roteiro para 139 países alcançarem 100% de energias renováveis ??até 2050, Ecodebate, 30/10/2017

ALVES, JED. 100% Energia Renovável. Ecodebate, 26/03/2014

ECODEBATE. Mudanças Climáticas: Em nova análise, cientistas projetam um aquecimento global de quatro graus até 2084, Redação: 24/05/2018

ECODEBATE. Podemos obter 100% da nossa energia a partir de fontes renováveis? Sim, dizem cientistas internacionais em novo artigo. Redação: 22/05/2018

Simon Evans. Global solar capacity grew faster than fossil fuels in 2017. Skeptical Science, 17/05/2018  Lulu Xue and Weimin Zhou. How Did Shenzhen, China Build World’s Largest Electric Bus Fleet? WRI, April 04, 2018 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A greve dos caminhoneiros e o Brasil 100% renovável e sem combustíveis fósseis - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV