Papa Francisco reconhece martírio de vítimas da ditadura argentina

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS
  • Aquele que veio para desconstruir e devastar - Frases dia

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Junho 2018

Vaticano anunciou neste sábado (9) que reconheceu o martírio de quatro vítimas da ditadura argentina, incluindo um padre francês. A decisão abre caminho à beatificação dos envolvidos; entre 1976 e 1983, dezenas de milhares de pessoas foram mortas na Argentina, vítimas da repressão, incluindo muitos padres comprometidos com os mais pobres.

A reportagem é publicada por RFI Américas, 09-06-2018.

O Vaticano anunciou neste sábado (9) que reconheceu o martírio de quatro vítimas da ditadura argentina, incluindo um padre francês. A decisão abre caminho à beatificação dos envolvidos.

Um decreto da Congregação das Causas dos Santos informa que Dom Enrique Angelelli, o padre francês Gabriel Longueville e outros dois católicos mortos na década de 70, sob a ditadura argentina, perderam a vida como mártires e, por isso, serão beatificados.

Em 18 de julho de 1976, Longueville e o padre franciscano conventual argentino Carlos de Dios Murias foram sequestrados e levados para uma base aérea do regime militar. No local, eles foram interrogados, torturados e assassinados. Seus corpos, crivados de balas, só foram descobertos dois dias mais tarde.

Em 4 de agosto de 1976, Dom Enrique Angelelli, bispo de La Rioja, foi vítima de um acidente de carro suspeito, quando retornava de uma missa celebrada em homenagem aos dois padres assassinados pelo regime militar. A morte de Dom Angelelli, tratada inicialmente como um acidente de trânsito, foi reconhecida como um assassinato em 2014. O responsável pela batida foi condenado à prisão perpétua. Antes de sua morte, o bispo também recebeu ameaças de morte por causa de suas atividades em favor dos mais pobres.

Ao reconhecer o martírio dessas quatro vítimas da junta militar argentina, a Santa Sé diz que elas morreram "pelo ódio à fé", enquanto a ditadura reivindicava a defesa do Cristianismo.

Entre 1976 e 1983, dezenas de milhares de pessoas foram mortas na Argentina, vítimas da repressão, incluindo muitos padres comprometidos com os mais pobres.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco reconhece martírio de vítimas da ditadura argentina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV