"A Igreja tem tratado os homossexuais como contagiosos, mas deve acolher todos os marginalizados". Entrevista com James Martin

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. A vida de Simone Weil marcada pelas opções radicais

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Maio 2018

Dois anos atrás, 49 pessoas foram mortas em uma boate na Flórida. Foi o maior massacre por arma de fogo na história dos EUA. Mas apenas poucos bispos norte-americanos expressaram publicamente a sua solidariedade, como teriam inversamente feito com qualquer outra tragédia de tais dimensões. Isso me perturbou muito e me levou a escrever esse livro. Se a Igreja não pode reconhecer a existência de pessoas LGBT, nem mesmo em circunstâncias trágicas como essa - como a morte - o que isso diz da Igreja? O livro propõe algo simples, mas firmemente evangélico: dar acolhimento àqueles que se sentem mais marginalizados". O padre James Martin, 57 anos, "editor at large" da revista dos jesuítas America e consultor nomeado por Francisco para a Comunicação do Vaticano, é um dos escritores mais lidos e debatidos nos EUA. Mas, sobre o livro Building a Bridge está se falando em todo o mundo. O livro, publicado pela Marcianum Press, será lançado na Itália em 24 de maio sob o título Un ponte da costruire.

Uma nova relação entre a Igreja e as pessoas LGBT, acrônimo de "lésbicas, gays, bissexuais e transexuais." Uma reflexão "para ajudar a promover o diálogo, o conhecimento e a compreensão recíproca, em vista uma nova atitude pastoral a ser buscada juntamente com os nossos irmãos e irmãs LGBT", escreve no prefácio o arcebispo de Bolonha Matteo Zuppi.

A entrevista é de Gian Guido Vecchi, publicada no Corriere della Sera, 20-05-2018. A tradução é de Lusa Rabolini

Eis a entrevista. 

Padre Martin, como se explicam as objeções dos conservadores?

O livro foi contestado por alguns conservadores, mas não todos. A maioria dos católicos o defendeu, porque muitos conhecem ou são familiares de pessoas LGBT. Também foi apoiado por vários cardeais e bispos. As críticas mais violentas vieram da web. A explicação mais simples é também a mais pertinente: muitos desses sites são motivados pela homofobia e pelo ódio. Pensar em apenas ouvir uma pessoa LGBT, para eles é um anátema.

A acusação mais injusta?

Que o livro vai contra os ensinamentos da Igreja. Absolutamente não! Não são colocados em discussão os ensinamentos sobre os relacionamentos ou o casamento com pessoas do mesmo sexo. Se assim fosse, não teria recebido a aprovação oficial do meu superior jesuíta nem o apoio do cardeal Farrel, prefeito do dicastério vaticano para os Leigos, Família e Vida. Muitos que criticam o livro nem sequer se preocuparam em lê-lo.

Qual o maior erro que realizou e poderá fazer a Igreja em relação à comunidade LGBT?

Tratá-los como contaminados. Nenhum grupo de católicos é tão maltratado na Igreja. Eu tive a oportunidade de ouvir as histórias mais inacreditáveis de maus-tratos de pessoas LGBT católicas. Um homem de 30 anos de idade com autismo, que não mantém relações sexuais, me disse que, depois de "se assumir", o seu pastor comunicou-lhe que não poderia mais receber a comunhão aos domingos. No entanto, ele não está em pecado, nem mesmo segundo as mais rigorosas indicações da Igreja. Muito do desprezo vem do medo da pessoa LGBT como "outro". O perfeito amor afasta o medo, diz o Novo Testamento; enquanto o perfeito medo afasta o amor.

O senhor convida a construir uma ponte da Igreja com a comunidade LGBT, mas também vice-versa. Em que sentido, a comunidade LGBT deve se esforçar para entender?

Tratando os pastores, mesmo aqueles com quem não se dá bem, com o mesmo ‘respeito, compaixão e sensibilidade’. Isso implica em ouvi-los com atenção, estabelecer diálogo, compreender a complexidade de seus papéis, especialmente dos bispos. Para os católicos LGBT poderia resultar muito difícil ouvir, especialmente se eles se sentiram insultados, excluídos e marginalizados. Mas, mesmo que eu considere alguns pastores como ‘inimigos’, Jesus convida-nos a amá-los.

O Catecismo fala de "inclinação objetivamente desordenada". O senhor escreve que a frase “parece uma crueldade gratuita."

Muitas pessoas LGBT contaram-me que essa frase fere profundamente. É claro, devemos entender que é uma terminologia teológica com um significado preciso que vem da filosofia tomista. Mas para uma pessoa LGBT significa que uma parte essencial de si mesma – aquela que ama, mesmo que com um amor jamais expressado sexualmente - é desordenada. Uma pessoa me confidenciou que a expressão quase a levou ao suicídio. A mãe de um adolescente homossexual me disse: ‘Mas as pessoas entendem o que pode causar tal linguagem em um jovem? Pode destruí-lo.’ Nós precisamos ouvir aquela mãe. 

A Igreja algum dia chegará a reconhecer um valor na relação homossexual de um casal de fiéis "leigos”? Não é igualmente cruel pretender a castidade?

Depende do que se entende por ‘valor’. Alguns bispos europeus indicaram que estão refletindo como reconhecer o bem que existe nessas relações. Devemos ouvir essas intuições, mesmo que a Igreja não aprove o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

O Cardeal Schönborn contou ao "Corriere" ter conhecido um casal de homens: "Eu vi como eles se ajudaram quando um deles adoeceu. Muitas vezes, embora não aprovemos essa forma de sexualidade, podemos nos curvar diante de comportamentos humanos exemplares."

No livro citei a mesma entrevista. Eu conheço vários casais como esse. Um amigo meu homossexual, cuidou por vinte anos de seu companheiro. E isso é, sem dúvida, uma forma de amor - amor capaz de sacrifício. Precisamos nos perguntar: o que está nos ensinando aqui o Espírito Santo?.

O senhor escreve de sacerdotes e religiosos "que são homossexuais e observam a castidade". Pareceria estatisticamente óbvio, como quando disse que é "possível", acontecer mesmo entre os santos, mas criou um escândalo ...

A reação sempre me surpreende. Dizer que conheço padres celibatários que são homossexuais; membros castos de ordens religiosas, homossexuais ou lésbica não é uma opinião, mas um fato. Existem, e desempenham ministérios significativos na Igreja. Se assumirmos que um percentual da humanidade é homossexual, é lógico concluir que o fossem também alguns santos. Quais? Impossível dizer. Mesmo o Catecismo diz que pessoas homossexuais podem "se aproximar da perfeição cristã" se forem castas. Portanto, considerando todos os bispos, sacerdotes, diáconos, religiosos e religiosas que foram canonizados, por que não poderiam haver gays ou lésbicas? Estaríamos talvez dizendo que Deus não pode fazer santa uma pessoa homossexual?

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A Igreja tem tratado os homossexuais como contagiosos, mas deve acolher todos os marginalizados". Entrevista com James Martin - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV