A ascensão de Guilherme Boulos, o pré-candidato que Lula ungiu antes de ser preso

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • Enquanto pastores evangélicos apoiam Bolsonaro, cúpula católica lava as mãos. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • Quem pode nos livrar de Bolsonaro. Artigo de Antonio Martins

    LER MAIS
  • PT deveria realizar 'comissão da verdade' para examinar seus erros, diz Noam Chomsky

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Abril 2018

Poucas horas depois de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrar no prédio do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, na última quinta-feira, Guilherme Boulos saiu do local, passou por um pelotão de repórteres e prostrou-se no meio da rua. Esperava a chegada de uma marcha de acampados do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), grupo que coordena, vinda de uma ocupação próxima. Eram os primeiros manifestantes organizados a chegarem ao protesto feito contra a ordem de prisão dada a Lula.

A reportagem é de Talita Bedinelli, publicada por El País, 12-04-2018.

Em algumas horas, os recém-chegados montariam um acampamento na calçada, com uma cozinha improvisada, e só sairiam de lá depois de Lula se entregar, quase 48 horas depois. Era a "resistência" que queria o PT. Mas que só existia, naquele momento, porque era encabeçada pelo pré-candidato à Presidência pelo PSOL, partido criado por ex-militantes petistas que criticavam a maneira de governar de Lula. Do lado de dentro do prédio, Boulos circulava apressado entre lideranças petistas e aliadas. No bunker político de Lula, entrava e saia da sala onde estava o ex-presidente com mais facilidade que muitos nomes importantes do partido. E durante este período, em que ninguém sabia se Lula se entregaria ou se resistiria às ordens do juiz Sérgio Moro, manteve com seus militantes uma frente permanente de protesto diante do sindicato.

A ação rendeu a ele, na tarde seguinte, um afago importante de Lula no único discurso dado pelo ex-presidente durante os dois dias e meio de crise. Diante dos olhos de todo o Brasil, que acompanhava o que seriam as últimas palavras públicas do petista antes da prisão, Lula saudou Boulos antes mesmo de se dirigir a pessoas do alto escalão de seu partido, como a ex-presidenta Dilma Rousseff e seu coordenador de campanha e um dos possíveis planos B petistas, Fernando Haddad. "Nosso companheiro Guilherme Boulos, que está iniciando uma jornada sendo candidato à presidente da República pelo PSOL", apresentou-o Lula. "É um companheiro da mais alta qualidade e vocês têm que levar em conta a seriedade desse menino (...) Você tem futuro, meu irmão. É só não desistir nunca", afirmou o petista, relembrando que iniciou sua vida política nas greves do final dos anos 70 e que só chegou à Presidência em 2003, após perder três eleições.

A incerteza sobre a candidatura de Lula, que após a condenação em segunda instância pode ser impugnada, lança a esquerda brasileira no escuro. O PT vive um paradoxo: sabe que muito dificilmente o ex-presidente poderá concorrer, mas não trabalha publicamente com uma outra candidatura do partido, para não demonstrar que acata a possibilidade de Lula não disputar. "Qualquer discussão, pelo menos no PT, significa concordar com a interdição da candidatura de Lula. Eu entendo que não é hora de ficar construindo plano A, B, C ou D. Eu gosto de dizer que eu sou plano L, de Lula", ressaltou nesta quarta-feira o ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, ao visitar o acampamento montado na frente da Polícia Federal em Curitiba. Wagner é outro dos planos B ainda não trabalhados oficialmente pelo PT, mas o favorito do ex-presidente no partido.

A tática de Lula tem sido trabalhar com as múltiplas possibilidades que a esquerda tem a oferecer. E, mais perto da disputa, o candidato que tiver viabilizado mais sua candidatura e conseguido intenções de votos mais consideráveis, pode acabar ungido pelo ex-presidente, caso ele fique mesmo de fora da disputa, explica o cientista político Rudá Ricci, que coordenou a primeira campanha do ex-presidente, em 1989. Em sua fala, Wagner também faz menção a isso. "Se vier a interdição [da candidatura de Lula], acho que a gente já terá acumulado o suficiente para escolher alguém dentro ou fora do partido. Não sei como isso vai se dar. Algumas pesquisas dizem que qualquer candidato que Lula disser 'é meu candidato' consegue 25%, 30% dos votos. A transmissão de votos não é tão simples assim. Depende muito de quem for o candidato. Eu já vi muitas vezes Lula apoiar gente que não foi eleita para governador ou prefeito."

Por isso, as últimas aparições públicas de Lula ocorreram ao lado de outros dois pré-candidatos da esquerda, que pertencem a outros partidos: Boulos e Manuela D'Ávila (PCdoB). Mas, no último sábado, enquanto o líder do MTST era destacado por Lula no palco, Manuela, que também permaneceu ao lado do ex-presidente por quase todas as 48 horas da crise, ganhou uma menção mais tímida. Lula se dirigiu a ela logo depois de elogiar Boulos, e não citou sequer seu nome. "Quero cumprimentar essa garota, essa garota bonita, garota militante do PCdoB, que também está fazendo a sua primeira experiência como candidata à presidenta da República."

Boulos, cuja pré-candidatura foi criticada por correntes do PSOL que consideram que ele foi imposto sem discussão e que mantém proximidade forte demais com Lula, tem ganhado vantagem nesta corrida. E parece ter entrado no radar do ex-presidente, o que é de extrema importância para a sua candidatura. Não apenas por uma possível transmissão de votos lá na frente, caso ele consiga se viabilizar o suficiente, mas também pela visibilidade que estar ao lado de Lula lhe garante neste momento.

Apesar de muito conhecido dentro dos movimentos sociais e sindicais, Boulos não tem projeção nacional de massa, especialmente fora de São Paulo. E seu partido, o PSOL, sem alianças políticas significativas com legendas maiores, terá pouco tempo de TV e rádio. O líder do MTST, de 35 anos, vive na periferia da capital paulista, com a mulher e duas filhas. Trabalha com professor de educação permanente e escreve artigos para veículos de comunicação, antes a Folha de S.Paulo e, agora, a Carta Capital. Sua origem, entretanto, é de classe média. Filho de um dos mais importantes infectologistas do país, Marcos Boulos, responsável pela Coordenadoria de Controle de Doenças do Governo paulista, ele fez graduação em filosofia, na Universidade de São Paulo, especialização em psicologia clínica pela PUC/SP e mestrado em psiquiatria pela USP.

O PT também se beneficia desta relação. Desde 2016, por meio do MTST, o partido conseguiu movimentar as ruas tanto nas manifestações contra o impeachment de Rousseff quanto durante a crise recente de Lula, apesar de o movimento ter sido na última década um dos responsáveis pelas maiores manifestações contra determinadas políticas petistas. "Qual o partido hoje que não gostaria de ter nas suas bases um movimento nacional do tamanho do MTST e organizando como ele se organiza?", questiona a professora do Departamento de Ciências Sociais da Unifesp de Guarulhos, Débora Cristina Goulart, que estudou o grupo.

Na contramão dos movimentos sociais ligados ao PT, como o Movimento dos Sem-Terra (MST) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o MTST cresceu e se nacionalizou na última década. Reúne mais de 30.000 famílias, em 11 Estados. E sua forma de organização permitiu que as mobilizações sempre tenham grande participação: as marchas rendem pontos para os acampados, que depois de somados são usados para fazer a ordem na lista de prioridade dos que vão receber as unidades habitacionais conquistadas. Ou seja, quanto mais se participa dos atos e atividades internas do movimento, mais chances de se conseguir o imóvel mais rapidamente.

Boulos, por ora, descarta a possibilidade de uma candidatura única da esquerda. "Não estamos discutindo o cenário eleitoral neste momento. E, sim, uma frente pela democracia diante de uma série de episódios extremamente graves, como o assassinato de Marielle Franco, os tiros na caravana de Lula, a fala do general Villas Bôas, a negação do habeas corpus de Lula e a posterior prisão dele", ressalta o líder do MTST, em uma ligação de poucos minutos, espremida entre uma entrevista e outra a veículos nacionais e às vésperas de uma viagem à Portugal, onde ele participará nesta quinta do debate "Pela liberdade de Lula, em defesa da democracia". Nesta quarta, ele esteve em Curitiba, e deixou uma carta para Lula na prisão. "Querido presidente (...) Viemos aqui e estamos organizando ações em todo o país (...) Saiba, em todos os momentos aí dentro, que não está sozinho. Estamos contigo até o fim (...) Um abraço, do seu companheiro e amigo, Guilherme Boulos."

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A ascensão de Guilherme Boulos, o pré-candidato que Lula ungiu antes de ser preso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV