Cinco anos com Francisco

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Março 2018

cinco anos o consistório dos cardeais elegeu o novo bispo de Roma, "vindo do fim do mundo". O nome foi significativo. Logo no início, foi a Lampedusa encontrar imigrantes sobreviventes (foto 1). Mais adiante, na Bolívia, reuniu-se com movimentos sociais (foto 3). Simples, a caminho da casa Santa Marta, onde mora (foto2). Hoje é uma referência mundial, a personalidade mais atuante e crítica no planeta. Como bispo de Roma (prefiro isso a dizer papa) é o primaz da Igreja Católica Romana. Tem tomado iniciativas surpreendentes e colocado questões à consciência dos cristãos ("quem sou eu para julgar?").

O comentário é de Luiz Alberto Gomez de Souza, sociólogo. 

Um perigo: criar-se um mito, um novo tipo sutil de papolatria, que é uma maneira de colocá-lo no alto de um pedestal e, com isso, afastá-lo para cima: com a consciência tranquila de ter um "papa formidável", a Igreja descansa nele ("temos Francisco") e não faz as mudanças indispensáveis. Os problemas que teve no Chile e no Peru mostram-no felizmente vulnerável e sujeito a questionamentos. Sempre pede que rezem por ele. Um passo mais: ajudemos-lhe na crítica a fatos de seu pontificado e, principalmente, à Igreja institucional que, na cúria e nas igrejas locais, tem enorme dificuldade em rever-se em tantos casos de moral anacrônica (ver problemas de sexualidade e reprodução) e diretrizes que serviram em outras épocas (celibato obrigatório, causa de tantos problemas psíquicos e escândalos).

Celebrar Francisco é sermos fieis aos desafios que nos coloca; é trabalhar pelo "aggiornamento" que ficou inacabado desde João XXIII e o Vaticano II. Então, sim, poderemos dar graças ao dom do Espírito que desceu com ele na Igreja Católica Romana.

Papa Francisco em Lampedusa (Foto: Il Giornale)

 

 

Papa Francisco caminhando pela rua de Roma (Foto: Slate)

 

 

Papa Francisco durante o discurso aos movimentos sociais na Bolívia, 2015 (Foto: L'Osservatore Romano)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cinco anos com Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV