Chile. Denunciantes de Barros exigem “condições” para participar da investigação papal

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • "Pela Democracia, pelo Brasil". Manifesto contra candidatura de Jair Bolsonaro

    LER MAIS
  • Apelo de Francisco: ''Que o Senhor nos ajude a reconhecer a tempo as sementes de ideologias totalitárias"

    LER MAIS
  • Papa readmite os bispos chineses “ilegítimos” e cria uma diocese na China

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Fevereiro 2018

Dois dias após a divulgação de que o Papa enviou Charles J. Scicluna ao Chile para ouvir as vítimas dos abusos supostamente acobertados por Juan Barros, os denunciantes do bispo de Osorno apresentaram condições para participar da investigação vaticana.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 01-02-2018. A tradução é do Cepat.

O porta-voz da plataforma de Leigos de Osorno, Juan Carlos Claret, anunciou que sua organização colaborará com o enviado papal “apenas se forem cumpridas certas condições”.

Claret admitiu que a notícia “foi uma surpresa”, pois “o Papa havia dado por encerrado o assunto quando primeiro disse que tudo eram calúnias”.

E quais são essas condições? “Em primeiro lugar - apontou Claret -, que haja autonomia do investigador, e que o arcebispo de Malta possa vir a divergir do que o Papa pensa de Barros”. Em segundo lugar, acrescentou, “que o resultado da investigação seja divulgado e não fique em um documento guardado na Cidade do Vaticano”.

Do mesmo modo, Claret reivindicou “que se garanta a bilateralidade, de modo que se permita falar por igual as vítimas de Karadima e todos aqueles que possam contribuir com algo, razão pela qual a visita não tem que ser pautada de antemão”.

Finalmente, os leigos de Osorno reivindicaram a “confidencialidade dos depoimentos” daqueles que queiram declarar sob o guarda-chuva do anonimato.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chile. Denunciantes de Barros exigem “condições” para participar da investigação papal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV