É preciso uma nova lógica na luta da Igreja contra a pedofilia

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • A esquerda brasileira em tempo de derrotas: balanços e sentenças

    LER MAIS
  • “O poder do mercado é abuso de poder”. Entrevista com Joseph Stiglitz

    LER MAIS
  • Referência no exterior, Brasil não faz dever de casa na área ambiental 16 de novembro de 2018

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Janeiro 2018

O jornal La Croix conversou com José Andrés Murillo, fundador da associação chilena Confidence que combate o abuso sexual na Igreja.

A entrevista é de Marie Malzac, publicada por La Croix International, 23-01-2018. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

José Andrés Murillo, fundador da associação “Confidence”, do Chile, entidade que trabalha no combate ao abuso sexual, espera que o Papa Francisco reverta “a lógica do poder” na Igreja.

Eis a entrevista.

Você diz que espera mais ação e menos palavras. Concretamente, o que há na Igreja que você critica em relação à questão dos abusos sexuais?

O Papa Francisco falou algumas vezes sobre a questão dos abusos sexuais e deu certos passos. No entanto, o que precisa ser abordado é até que ponto os problemas da pedofilia e dos abusos estão associados com a dinâmica de poder (na Igreja).

Se o papa realmente pretende combater este flagelo, em especial no tocante a atos cometidos por padres e membros da Igreja, será necessário desafiar a dinâmica envolvida e reverter a lógica de poder.

Quando chegou a Iquique, Francisco falou de “calúnia” com respeito a Dom Juan de la Cruz Barros Madrid, da Diocese de Osorno, a quem você acusa de acobertar o padre pedófilo Fernando Karadima, de quem você mesmo foi vítima. Qual foi a sua reação?

O papa exigiu “provas” contra Barros. Mas já chegou a hora de a responsabilidade de apresentar provas trocar de lado.

Não cabe às vítimas provar a culpa de alguém. Se existe uma suspeita plausível contra alguém, então precisa haver uma investigação.

Nós reafirmamos que em várias ocasiões Barros impediu as investigações em torno de Fernando Karadima e que ele estava ciente dos atos de uma pessoa que, por muitos anos, fora o seu pai espiritual.

As provas para esta acusação podem ser vistas nos arquivos cíveis e canônicos.

Há uma falta de coerência grave entre os valores éticos professados e os fatos, assim como uma falha no tratamento dado às informações disponíveis ao sistema judiciário.

Durante a coletiva de imprensa a bordo de seu avião no retorno a Roma, em 22 de janeiro, Francisco, no entanto, lamentou ter exigido “provas”.

A meu ver, o que ele disse nesta entrevista não me faz muito sentido porque a declaração que fizera antes fora diretamente na direção contrária daquele de quem se exige a resolução do problema dos abusos sexuais.

Apesar das declarações, a Igreja mostrou, em diversas ocasiões, que cabe às vítimas agir como denunciantes.

Este foi o motivo para a fundação da nossa plataforma internacional “Ending Clerical Abuse”, lançada no dia 15 deste mês em Santiago em parceria com outras associações de combate ao abuso sexual.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

É preciso uma nova lógica na luta da Igreja contra a pedofilia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV