O que está acontecendo com a Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores (PCTM)?

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • "José de Anchieta não pode ser usado com fins ideológicos". Nota oficial do Santuário Nacional de São José de Anchieta a respeito do legado de São José de Anchieta

    LER MAIS
  • Por Francisco, mais que orações!

    LER MAIS
  • No país, 72,4 milhões de pessoas moram em domicílios sem acesso à rede geral de esgoto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

19 Janeiro 2018

O que está acontecendo com a Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores (PCTM)?

Por que se permitiu que caísse no esquecimento?

Por que não houve nenhuma declaração explicativa oficial?

Os questionamentos são de Marie Collins, publicados no seu blog, 17-01-2018. A tradução é de Luisa Flores Somavilla.

Faz um mês que as nomeações dos membros para o primeiro triênio do PCTM expiraram - 17 de dezembro de 2017. Até agora nenhum anúncio foi feito quanto a qual dos ex-membros vai ser nomeado novamente para um segundo mandato ou que novos membros se juntarão ao grupo.

O Pe. Hans Zollner (que fez parte do primeiro mandato) disse, num tuíte no dia 13 de dezembro, que o “novo mandato” da comissão “terá início em 2018”. Depois, em outro tuíte, no mesmo dia, disse "enviamos nomes para novos membros, será preciso esperar até a nomeação dos novos membros”. A próxima reunião do PCTM deve acontecer em quatro meses – em abril. Será que nesta data é que começa o novo mandato?

Quando perguntado pelo NCR [1] se os comentários do Pe. Zollner significava que a comissão entraria em inatividade no último dia 17 de dezembro, Emer McCarthy, gerente de projetos da comissão e coordenador de imprensa, teria dito: "a única resposta que posso dar é que aguardamos a decisão do Santo Padre sobre os futuros membros". "Assim que tivermos notícias, entraremos em contato para informar a imprensa e o público". Desde então, silêncio.

Eu saí da comissão em março de 2017, principalmente pela falta de cooperação de alguns departamentos da Cúria, mas também por outras razões; entre elas, a constante perda de independência dos membros.

No início, garantiu-se aos membros e ao público que a PCTM seria independente do controle de qualquer departamento do Vaticano, que os membros decidiriam seus projetos e métodos de trabalho e responderiam diretamente ao Santo Padre. Durante o primeiro mandato, minha experiência foi a de um esforço vigoroso para minar tudo isso e levar o planejamento, o trabalho e o 'controle para a administração permanente da comissão dentro do Vaticano. Eu me opus a estes movimentos em meu mandato, mas não consegui impedir seu avanço constante.

Minha preocupação neste momento é que o que vemos é outra manifestação desta mudança no status da PCTM, de uma entidade independente para mais um departamento permanente do Vaticano controlando a entrada de membros que vão se encontrar cada vez menos e ter cada vez menos poder real. Acredito que a óbvia falta de urgência ou qualquer leve preocupação no Vaticano sobre a situação atual da comissão reflete a falta de importância com que é considerado o grupo. Além disso, o fato de esta questão da proteção infantil não ser priorizada, apesar das afirmações muitas vezes concedidas pelo Papa e por outras pessoas de que teria a mais alta prioridade!

Uma declaração de Emer McCarthy falando do escritório administrativo (no Twitter, no dia 14 de dezembro de 2017) a fim de tranquilizar um sobrevivente preocupado dizia: "Estamos trabalhando arduamente de verdade. Nossos membros deixaram boas bases nos primeiros três anos, agora temos que construir em cima delas". O "nós", aqui, referindo-se, aparentemente, à administração. Isso não foi garantia alguma se não quiser ver o trabalho e o controle da PCTM centrado em um departamento permanente do Vaticano, e não na associação de especialistas. Sabemos que a questão da proteção dos menores na Igreja (o abuso sexual a menores, em particular) estava nas mãos dos departamentos internos do Vaticano antes da criação da PCTM e também sabemos que desastre que foi para tantas crianças e famílias. Queremos retornar a isso?

No início, havia uma promessa do Cardeal Sean O'Malley, presidente da PCTM, de que ele iria trabalhar de forma transparente. Onde está esta transparência agora?

Se alguém tiver dúvidas sobre a duração do primeiro mandato da Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores, isso consta claramente nas cartas de nomeação dos membros - segue aqui uma cópia da minha [2]

Notas:

[1] https://www.ncronline.org/news/vatican/ -commission-member-suggests-francis-may-let-group-lapse-temporarily

[2] http://www.mariecollins.net/documenrts.html

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que está acontecendo com a Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores (PCTM)? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV