''Eu não acredito em Francisco'': Esposa de Eduardo Frei, ex-presidente do Chile, critica presença do bispo Barros em missa papal

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Janeiro 2018

A esposa do ex-presidente da República chilena Eduardo Frei Ruiz-Tagle qualificou como uma “vergonha” o fato de o bispo de Osorno, acusado de acobertar Fernando Karadima, estar presente na missa campal do pontífice.

A reportagem é de Claudia Soto, publicada no jornal La Tercera, 16-01-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A ex-primeira-dama Marta Larraechea somou-se aos questionamentos gerados pelo pedido de perdão do Papa Francisco às vítimas de abuso sexual por parte de membros da Igreja.

Em sua conta no Twitter, a esposa do ex-presidente Eduardo Frei Ruiz-Tagle reagiu às palavras do pontífice após ter contado com a presença do bispo de Osorno, Juan Barros, acusado de ter encoberto os crimes de Fernando Karadima.

“Barros participa da cerimônia no Parque O’Higgins. Que vergonha. De que o papa pede desculpas?”, escreveu Larraechea.

Além disso, acrescentou: “Eu não acredito nele em nada. Diz uma co isa e faz outra”.

No Palácio de La Moneda, o sumo pontífice defendeu que “não posso deixar de manifestar a dor e a vergonha, vergonha que sinto perante o dano irreparável causado às crianças por parte de ministros da Igreja”.

Na mesma linha, acrescentou que “é justo pedir perdão e apoiar as vítimas com todas as forças, ao mesmo tempo que temos que nos empenhar para que isso não volte a se repetir”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Eu não acredito em Francisco'': Esposa de Eduardo Frei, ex-presidente do Chile, critica presença do bispo Barros em missa papal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV