500 anos da Reforma. Principal bispo luterano ao Papa Francisco: ''Irmão em Cristo, obrigado''

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • O declínio da Teologia da Libertação: uma releitura de 'O novo rosto do clero' de Agenor Brighenti

    LER MAIS
  • Biden e o Papa – a lista negra da Igreja nos Estados Unidos e o futuro do catolicismo. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Liturgia e sinodalidade. Questões-chave

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Novembro 2017

Com uma celebração que começou às 15h na igreja de Wittenberg, conclui-se solenemente o ano da Reforma na Alemanha. “E agora estamos aqui sentados, 500 anos depois, em um país que está em luta consigo mesmo, um país que nunca foi tão abençoado, um país que mostrou uma impressionante quantidade de empatia. Um país que fez muitos esforços, incluindo esforços morais e, ao mesmo tempo, um país em que algumas pessoas se sentem moralmente esmagadas”, disse o presidente do Conselho da Igreja Evangélica Alemã, o bispo Heinrich Bedford-Strohm, diante do presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, da chanceler alemã, Angela Merkel, do presidente do Bundestag, Wolfgang Schäuble, assim como de inúmeros outros convidados do mundo político e ecumênico, e de centenas de fiéis.

A reportagem é do Servizio Informazione Religiosa (SIR), 31-10-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A Alemanha é “um país onde as pessoas têm medo de perder o seu mundo familiar, o seu senso de segurança”, mas também onde “as pessoas querem se sentir em casa. É um país que, por todas estas razões, precisa urgentemente da mensagem da Reforma da justificação somente pela fé!”

No sermão, o bispo luterano agradeceu ao cardeal Reinhard Marx, presidente dos bispos alemães, pela “coragem e apoio fraterno” neste ano especial e lançou uma mensagem ao Papa Francisco: “Irmão em Cristo, agradecemos a Deus pelo teu testemunho de amor e misericórdia, que, para nós, protestantes, também significa testemunho de Cristo. Agradecemos-te pelos teus sinais de reconciliação entre as Igrejas. E se, um dia, quiseres vir aqui para Wittenberg ficaremos alegres em te acolher, meio milênio depois que Lutero queimou a bula papal da excomunhão”.

Porque, concluiu Bedford-Strohm, “queremos seguir em frente corajosamente. Cremos que o Espírito nos ajudará na nossa fraqueza!”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

500 anos da Reforma. Principal bispo luterano ao Papa Francisco: ''Irmão em Cristo, obrigado'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV