Imposto verde parece irrealista, mas Europa mostra que é possível

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Da crise não saímos iguais. Ou saímos melhores ou saímos piores”, afirma Papa Francisco na ONU

    LER MAIS
  • Vaticano. Aos irmãos de Becciu 1,5 milhão de euros do dono de empresa de petróleo angolano

    LER MAIS
  • Pós-humano: o desafio de falar do humano e de seu valor. Mudança de época. Artigo de Paolo Benanti

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Outubro 2017

Diminuir estragos ambientais cobrando impostos socialmente mais justos parece ambição irrealista. Tanto quanto parecia implausível substituir a energia de carvão, petróleo e átomos pela de ventos e sol, faz menos de uma década.

Não era impossível, mostra a Europa. Vêm de lá também experiências com impostos verdes, a tributação ambiental.

O artigo é de Vinicius Torres Freire, jornalista, publicado por Folha de S. Paulo, 07-10-2017.

O princípio de evitar ou compensar custos ambientais por meio de tributos circula pela teoria econômica faz quase um século. A ideia é que existem custos sociais (para o público em geral) na produção de certos bens, custos que não aparecem nos preços desses produtos.

A produção da maioria dos bens provoca algum dano ao ambiente. Mas o consumidor desses produtos paga apenas o custo e o lucro da empresa. O custo ambiental e sanitário recai sobre toda a sociedade.

Esse produto está barato demais, pois seu preço não embute os custos totais. Assim, produz-se e consome-se demais desse bem (com seus "males"). Um imposto sobre o produto pode corrigir essa falha de mercado e evitar prejuízo social.

Como quase tudo em tributação, não é simples assim. Por exemplo, quem recolhe o valor do imposto, quem entrega o dinheiro ao governo, não é necessariamente quem paga o tributo. A empresa pode repassar o custo extra para seus clientes. No caso de produto de difícil substituição, comida ou combustível, o consumidor fica sem alternativa a não ser pagar mais caro e, além do mais, consumir menos de outros bens, prejudicando terceiras empresas.

É apenas um exemplo didático. As possibilidades de sucesso e de problemas são várias.

É possível isentar atividade que talvez inexistisse, se sujeita a impostos, como a reciclagem por meio de catadores de latas ou a energia solar. Em certo momento, porém, o empreendimento mais "verde" cresce, amadurece e passa a substituir seu irmão mais velho, que paga impostos. A receita do governo pode cair.

Outra dificuldade, países que tributam indústrias poluidoras podem exportar empregos e a produção de resíduos tóxicos para regiões do mundo, em geral mais pobres, com leis mais tolerantes.

Não é simples a conta de perdas e ganhos. Os danos de impostos maiores são compensados pela redução de custos ambientais. Noutro exemplo, recursos poupados no consumo de bens de rápida obsolescência serão usados de outro modo, no médio prazo. O curto prazo, a transição, é complexo.

Ainda assim, a Europa tem tributado mais a energia suja e isenta a limpa; bens cuja produção deixa uma longa pegada de carbono ou geram poluentes duros de matar pagam mais. Empresas que usam matéria-prima reciclada pagam menos.

A receita extra do governo com o tributo verde serve por vezes para reduzir impostos sobre a renda. Ou enviam-se mais recursos a regiões com melhor desempenho ambiental, como fazem alguns Estados do Brasil.

Outra vantagem do imposto verde é reduzir a burocracia, custosa, punitiva e talvez corrupta, que regula e fiscaliza o dano ambiental. Em vez disso, criam-se incentivos econômicos para a mudança de comportamentos em vez de ordens e controles do governo. Em tese, haveria mais liberdade de escolhas, estímulo à invenção de produtos, métodos e práticas que escapem da tributação mais pesada sobre técnicas e hábitos que degradam o ambiente.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Imposto verde parece irrealista, mas Europa mostra que é possível - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV