Em decisão histórica, Noruega diz não ao carvão

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Irreverência

    LER MAIS
  • Uma prova do conclave. O próximo papa assumirá o nome da Comunidade de Santo Egídio

    LER MAIS
  • “Eu estou tirando Deus da Bíblia”. Entrevista com Marc-Alain Ouaknin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Junho 2015

Na sexta-feira (5) o parlamento da Noruega aprovou em votação unânime que o Fundo de Pensão do Governo Norueguês passará a adotar um critério de corte de investimento para empresas envolvidas na exploração e queima de carvão.

A reportagem foi publicada pelo sítio Greenpeace Brasil, 05-06-2015. 

“A decisão da Noruega de desincentivo ao carvão é um exemplo para outros governos – e para investidores – de que o dinheiro de energia poluentes está mudando para as fontes renováveis e limpas”, disse o diretor-executivo do Greenpeace Internacional Kumi Naidoo.

E não se trata apenas de um feito único: é também uma medida vigorosa e enérgica. O Fundo de Pensão Governamental Mundial (GPFG) é o maior fundo soberano do mundo e de acordo com cálculos feitos pelo Greenpeace e pelas organizações Urgewald e Future in Our Hands, os novos critérios farão com que o GPFG seja forçado a retirar investimento de 122 empresas, totalizando 7,7 bilhões de euros.

“Esse é o maior corte em carvão da história, o que deve influenciar outros investidores e países a seguirem um rumo diferente”, comentou o diretor do Greenpeace Noruega, Truls Gulowsen. O critério de exclusão define especificamente que qualquer companhia que deriva mais de 30% de sua atividade do carvão será excluída do portfólio da GPFG. Isso inclui mineração de carvão e a queima do minério.

“É um dia para celebrar, mas o GPFG não vai se livrar de todas as companhias de carvão de seu portfólio, e nem de seus investimento bilionários nas indústrias de óleo e gás. A Noruega ainda está envolvida com a exploração de petróleo no Ártico, então por um lado a notícia é boa, mas ainda existe muito trabalho a ser feito pelo país antes de ser considerado um ‘amigo do clima’”, defende Gulowsen.

Em relação ao encontro do G7 na Alemanha, durante os dias 7 e 8 de junho, a decisão da Noruega deve servir de aviso aos líderes em emissão mundial. O grupo, formado pelos sete países considerados mais poderosos do mundo, ainda não conseguiu reduzir significativamente suas taxas de emissão de gás carbônico.

“Essa decisão do parlamento norueguês serve de inspiração para os líderes mundiais, e espero que isso influencie o encontro do G7 e também Conferência sobre Mudanças Climátias das Nações Unidas, a COP 21, que acontecerá em Paris”, concluiu Naidoo

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em decisão histórica, Noruega diz não ao carvão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV