Sem o Papa, os defensores da missa em latim festejam aniversário

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Desigualdade entre ricos e pobres é a mais alta registrada no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Setembro 2017

Dez anos depois que o Papa Bento XVI permitiu um maior uso da missa latina anterior ao Concílio Vaticano II, o Papa Francisco, aparentemente, está fazendo todo o possível para revogar essa autorização.

A reportagem é publicada por La Vanguardia, 14-09-2017. A tradução é de André Langer.

Os defensores da antiga missa celebrada em latim estiveram em Roma nesta quinta-feira para a sua peregrinação anual, em meio à indiferença e inclusive uma franca resistência à sua causa por parte do Papa Francisco.

Dez anos depois que o Papa Bento XVI permitiu um maior uso da missa latina anterior ao Concílio Vaticano II, Francisco, aparentemente, está fazendo todo o possível para revogar essa permissão ou simplesmente fingir que nunca existiu.

Nas últimas semanas, o Pontífice afirmou com "autoridade magistral" que as reformas do concílio da década de 1960 que abriram a possibilidade de celebrar a missa nas línguas vernáculas, em vez do latim, são "irreversíveis". Mais recentemente, o papa autorizou as Conferências Episcopais locais a supervisionarem as traduções dos textos litúrgicos, em vez do Vaticano.

Em mais de um sentido, essas velhas guerras em torno da liturgia na Igreja católica são muito vivas e constituem um microcosmo das diferenças que opõem católicos conservadores e tradicionalistas e o Papa Francisco, desde que ele se recusou a usar o tradicional pluvial, uma capa vermelha, na sua primeira aparição pública como pontífice em 2013.

Demonstrações de não levar em conta o outro parecem recíprocas

Em uma conferência celebrada nesta quinta-feira, 14 de setembro, por ocasião do décimo aniversário do decreto com o qual Bento XVI autorizou a missa em latim, o organizador do encontro, o padre Vincenzo Nuara, nem mesmo mencionou o papa em seu discurso de abertura. O atual pontífice foi mencionado de passagem pelo segundo orador, e o terceiro o omitiu completamente.

Também eram muito reveladores os participantes da primeira fila que prestigiaram o papa emérito Bento XVI e o seu decreto de 2007: o cardeal Raymond Burke, proeminente crítico do atual papa, que Francisco destituiu em 2014 do cargo de juiz da Suprema Corte do Vaticano; o cardeal Gerhard Ludwig Müller, recentemente destituído por Francisco do cargo de prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé; e o cardeal Robert Sarah, nomeado por Francisco para o cargo de prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, mas marginalizado na prática por um representante papal.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sem o Papa, os defensores da missa em latim festejam aniversário - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV