“Comissão antiabuso sexual vaticana quer sobreviventes complacentes, então provavelmente não irei retornar”, diz Peter Saunders

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

31 Março 2017

Peter Saunders contou ao Catholic Herald que jamais ficará quieto na questão da proteção a menores de idade.

O sobrevivente de abuso sexual clerical Peter Saunders confirmou que provavelmente não irá voltar a participar da comissão antiabuso sexual do Vaticano.

Saunders, que foi posto em licença indefinida da Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores no ano passado, falou que estava decepcionado porque o Papa Francisco “nunca visitou” a comissão.

A reportagem é de Madeleine Teahan, publicada por Catholic Herald, 29-03-2017.  A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Na segunda-feira, o Cardeal Sean O’Malley, presidente da citada Pontifícia Comissão, contou ao sítio Crux que Saunders provavelmente não voltará a atuar como membro do grupo.

Em reposta, Saunders, fundador da Associação Nacional de Pessoas Abusadas [sexualmente] na Infância – NAPAC, na sigla em inglês, disse ao Catholic Herald: “Quando conversei com o Cardeal O’Malley semanas atrás, disse que se houver alguma coisa que eu possa fazer para ajudar, estou à disposição. Pedi desculpas por qualquer coisa que eu tenha feito e que levou a comissão a me excluir dela, mas a questão da proteção infantil é um assunto sobre o qual nunca me manterei quieto. Fico triste que o Papa Francisco nunca visitou esta comissão”.

Saunders falou ser improvável que lhe peçam para voltar. Disse: “Como um membro da comissão me contou, eles não querem ‘sobreviventes furiosos’. Para mim, isso significa participantes complacentes, que não irão abalar as bases. Me desculpe. Eu não sou assim. É isso o que levou à criação da NUPAC, à Investigação Independente sobre Abuso Sexual Infantil e à liberdade emocional para muitos milhares de sobreviventes”.

E acrescentou: “A Igreja somos nós. As autoridades vêm e vão. Cristo é eterno e assim é a batalha contra o mal do abuso”.
Críticas à comissão vaticana contra abusos sexuais clericais intensificaram-se desde que foi anunciada a renúncia da sobrevivente Marie Collins no começo do mês de março.

Collins, membro fundadora da comissão, renunciou em 1º de março, referindo-se à resistência “inaceitável” por parte da Congregação para a Doutrina da Fé às propostas da comissão.

Ela citou uma suposta recusa desta congregação em implementar algumas propostas aprovadas pelo papa e em cooperar com a comissão.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Comissão antiabuso sexual vaticana quer sobreviventes complacentes, então provavelmente não irei retornar”, diz Peter Saunders - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV