“O deus da guerra não existe”, diz o Papa Francisco

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Becciu se defende: “A acusação de peculato é surreal. Não sou corrupto, posso provar isso em qualquer lugar”

    LER MAIS
  • Conferência Eclesial da Amazônia - CEAMA. "Tornar visível que o Sínodo está vivo", objetivo da Primeira Assembleia

    LER MAIS
  • Na Amazônia, a floresta perde espaço para pastagens

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Setembro 2016

Francisco, na Capela Santa Marta, antes da Jornada pela Paz: hoje, em Assis, “não haverá espetáculo, mas oração”. “Escrevi uma carta aos bispos de todo o mundo pedindo para que nas dioceses se reze com todos os homens de boa vontade”. “Nos assustamos” com alguns “atos de terror”, mas “isto não tem nada a ver com o que acontece nesses países em que diuturnamente caem bombas e matam crianças, idosos, homens e mulheres”.

A reportagem é de Domenico Agasso Jr e publicada por Vatican Insider, 20-09-2016. A tradução é de André Langer.

A Jornada Inter-religiosa em Assis começa na Cidade do Vaticano, na Casa Santa Marta, residência do Pontífice. O Papa Francisco, durante a homilia da missa matutina desta terça-feira, explicou que vai a Assis para ajoelhar-se e rezar ao Deus da paz, juntos, “superando as divisões”, até sentir a “vergonha” da guerra e sem “fechar os ouvidos” ao grito de dor de quem sofre. “Hoje – precisou –, não haverá espetáculo, mas oração”, para a qual toda a humanidade está convidada: “Escrevi uma carta aos bispos de todo o mundo pedindo para que nas dioceses se reze com todos os homens de boa vontade”. A informação é da Rádio Vaticano.

Não existe um “deus da guerra”, insistiu Francisco. A violência, as bombas que matam e cortam as estradas “para a ajuda humanitária” que não pode chegar às crianças, aos idosos, aos doentes, é ação do “maligno”, que quer “matar a todos”. É por isso que devemos rezar, com todas as religiões unidas na convicção de que “Deus é Deus de paz”.

E assim, nesta terça-feira, “homens e mulheres de todas as religiões, nos dirigiremos a Assis. Não para fazer um espetáculo: simplesmente, para rezar e rezar pela paz”. O que o Papa espera é que isso aconteça em todas as partes, como pediu em uma carta que enviou a “todos os bispos do mundo”. Hoje, haverá “encontros de oração” que convidam “os católicos, os cristãos, os fiéis e todos os homens e mulheres de boa vontade, de qualquer religião, para que rezem pela paz”, posto que “o mundo está em guerra! O mundo sofre!”

Em seguida, uma referência à Primeira Leitura do dia, que termina assim: “Quem tapa os ouvidos ao grito do pobre, também há de clamar, mas não será ouvido”. Se, disse o Bispo de Roma, “nós, hoje, fechamos os ouvidos ao grito desta gente que sofre sob as bombas, que sofre a exploração dos traficantes de armas, pode ser que, quando caberá a nós, não obteremos respostas. Não podemos fechar os ouvidos ao grito de dor desses nossos irmãos e irmãs que sofrem com a guerra”.

E o Papa recordou que “não vemos a guerra, até nos assustamos” com “algum ato de terrorismo”, mas “isto não tem nada a ver com o que acontece nesses países, nessas terras em que diuturnamente caem as bombas” e “matam crianças, idosos, homens, mulheres...”. O Papa perguntou: “A guerra está distante? Não! Está muito perto de nós”, porque “a guerra – destacou – atinge a todos, a guerra começa no coração”.

E, por isso, Francisco invocou: “que o Senhor nos dê paz ao coração, nos tire qualquer vontade de avidez, de cobiça, de luta. Não! – exclamou. Paz, paz! Que o nosso coração seja um coração de homem e mulher de paz. Além das divisões das religiões: todos, todos, todos! Porque todos somos filhos de Deus. E Deus é Deus de paz. Não existe um deus da guerra: aquele que faz a guerra é o maligno, é o diabo, que quer matar todos”.

Diante disso tudo não pode e não deve haver divisões de fé, enfatizou Francisco. E não é suficiente agradecer ao Senhor porque, talvez, “a guerra não nos atinge. Sim, agradeçamos por isso, mas pensemos também nos outros”. Há outros? Além “dos mortos, dos feridos”, também “das pessoas (crianças e idosos) a quem a ajuda humanitária não chega com alimentos. A quem não chegam os remédios. Estão famintos, doentes! Porque as bombas impedem isso”. Enquanto, “hoje, nós rezamos, seria bom que cada um de nós sentisse vergonha”, foi o convite do Papa: vergonha “disso: que os humanos, os nossos irmãos, sejam capazes de fazer isso”. Porque o dia de hoje é “um dia de oração, de penitência, de lágrimas pela paz; dia para ouvir o grito do pobre. Este grito que abre nosso coração à misericórdia, ao amor e nos salva do egoísmo”.

Leia mais...

"Em Assis, 500 líderes religiosos contra o engano do terrorismo" Entrevista com Marco Impagliazzo, presidente da Comunidade de Santo Egídio

Encontro ecumênico em Assis: um chamado ao diálogo necessário

A geopolítica também passa por Assis

Papa Francisco em Assis: "Juntos para rezar e não para fazer espetáculo"

Encontro de Assis: "O diálogo entre as religiões pode muito contra o terror"

Assis, um acontecimento do Espírito. Entrevista especial com Faustino Teixeira

"Espírito de Assis, desça sobre nós"

“Eu, ímã, defendo os cristãos perseguidos”. Entrevista com Mohammed Abdul Khabir Azad

Bauman: "As guerras religiosas? Apenas uma das ofertas do mercado"

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O deus da guerra não existe”, diz o Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV