“Aquela história me conturbou. É incrível como há somente 15 anos se agia desta maneira”, diz jesuíta depois de ver “Spotlight”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • "O pior de tudo em Manaus é a sensação de impotência"

    LER MAIS
  • O testamento de Dom Jacques Noyer, bispo francês - " “O celibato eclesiástico é uma falsa aventura"

    LER MAIS
  • “Pelo amor de Deus, nos enviem oxigênio”, apelam os bispos do Amazonas e Roraima

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Março 2016

“Não devemos deixar de trabalhar para descobrir os crimes e os pecados, de fazer justiça para as vítimas e fazer, sim, que estas coisas inenarráveis não aconteçam mais. Devemos trabalhar a 360 graus na prevenção. Há muitas iniciativas dentro e fora da Igreja”, diz. Hans Zollner, jesuíta, membro da Comissão anti-pedoflia criada por Francisco, que efeito lhe faz ver Spotlight?

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada por Repubblica, 01-03-2016. A tradução é de Benno Dischinger.

“Sinto-me conturbado e transtornado. É incrível como há somente 15 anos se podia agir assim. A descoberta dos fatos em Boston foi um momento decisivo para fazer determinar o então cardeal Ratzinger na luta contra esta praga. Ele, como Papa, tomou depois uma posição muito clara e, através das diretivas da Doutrina da Fé lutou contra a lei do silêncio. Francisco prossegue nesta mesma linha: encontra vítimas e, pela primeira vez, ele o fez dentro do Vaticano e disse que um bispo deslocou um sacerdote abusador de sua paróquia a uma outra onde deveria pedir demissão”.

-  No filme estão os números de muitos Países. Falta a Itália, por quê?

“O único País do qual temos números certos são os USA. Fala-se de um enorme “Dunkelfeld”, palavra alemã que significa “um campo escuro” do qual é difícil perceber as verdadeiras dimensões, tanto na Igreja, ou nas outras instituições, como nas famílias”. Pode-se hoje dizer que a Igreja refreou o fenômeno? “Não devemos deixar de trabalhar para descobrir os crimes e os pecados, de fazer justiça para as vítimas e fazer, sim, que estas coisas inenarráveis não aconteçam mais. Devemos trabalhar a 360 graus na prevenção. Há muitas iniciativas dentro e fora da Igreja”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Aquela história me conturbou. É incrível como há somente 15 anos se agia desta maneira”, diz jesuíta depois de ver “Spotlight” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV