Importantes

Fonte: Gebhard Fugel

17 Setembro 2021

 

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Marcos 9,30-37, que corresponde ao 25º domingo do Tempo Comum, ciclo B, do Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto. 

 

Eis o texto.

 

Certamente, os nossos critérios não coincidem com os de Jesus. Quem de nós pode pensar hoje que os homens e mulheres mais importantes são aqueles que vivem ao serviço dos outros?

 

Para nós, importante é o homem de prestígio, seguro de si mesmo, que alcançou o sucesso em algum campo da vida, que conseguiu sobressair sobre os outros e ser aplaudido pelas pessoas. Essas pessoas cujo rosto podemos ver constantemente na televisão: líderes políticos, «prêmios Nobel», cantores da moda, atletas excepcionais... que pode ser mais importante que eles?

 

Segundo o critério de Jesus, simplesmente esses milhares e milhares de homens e mulheres anônimos, de rosto desconhecido, a quem ninguém prestará qualquer homenagem, mas que se esforçam em serviço desinteressado aos outros. Pessoas que não vivem para o seu êxito pessoal. Pessoas que não pensam só em satisfazer egoisticamente os seus desejos, mas que se preocupam com a felicidade dos outros.

 

Segundo Jesus, há uma grandeza na vida destas pessoas que não conseguem ser felizes sem a felicidade dos outros. A sua vida é um mistério de entrega e desinteresse. Sabem pôr a sua vida à disposição dos outros. Atuam movidos pela sua bondade. A solidariedade anima o seu trabalho, as suas tarefas diárias, as suas relações, a sua convivência.

 

Não vivem só para trabalhar nem para desfrutar. A sua vida não se reduz a cumprir suas obrigações profissionais ou a executar diligentemente suas tarefas. A sua vida encerra algo mais. Vivem de maneira criativa. Cada pessoa que encontram no seu caminho, cada dor que percebem à sua volta, cada problema que surge junto a eles é uma chamada que os convida a atuar, servir e ajudar.

 

Podem parecer os «últimos», mas sua vida é verdadeiramente grande. Todos sabemos que uma vida de amor e serviço desinteressado vale a pena, mesmo que não nos atrevamos a vivê-la. Talvez tenhamos que rezar humildemente como fazia Teilhard de Chardin: «Senhor, responderei à tua inspiração profunda que me ordena existir, tendo o cuidado de não afogar, nem desviar nem desperdiçar a minha força de amar e fazer o bem».

 

 

 

 

Leia mais:

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV