O que realmente nos salva: evitar a desigualdade na vacinação

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Charles Chaput, arcebispo emérito da Filadélfia, chama o Papa Francisco de mentiroso

    LER MAIS
  • Rico ri à toa

    LER MAIS
  • Por dentro do Sínodo: falar com franqueza, ouvir com atenção. Artigo de Austen Ivereigh

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Dezembro 2020

Aprendemos a dizer que “ninguém se salva sozinho”. Mas não a fazer isso realmente. Mesmo assim, a força elementar e letal do novo coronavírus serviu para nos lembrar de uma verdade esquecida: a doença dos meus semelhantes é minha, e eu sou vulnerável enquanto a humanidade permanecer vulnerável.

O comentário é de Marco Tarquinio, diretor do jornal Avvenire, 10-12-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

No entanto, mesmo sob os golpes de marreta que a Covid está infligindo ao velho e injusto sistema global, não fazemos aquilo que dizemos, ou, na melhor das hipóteses, fazemos comodamente, não de acordo com a humanidade, a razão e a justiça.

A Oxfam, na última quarta-feira, colocou essa realidade diante dos nossos olhos com a força dos dados. As vacinas estão chegando, mas, no Sul do planeta, em 2021, apenas um em cada dez será imunizado. Um terrível mal para os seres humanos mais pobres e um mal para o mundo. Porque, enquanto houver medo, dor e morte no mundo, a pandemia e a paralisia que ela provoca não terão acabado.

Esse é o mal que se tentava evitar com os apelos à “destinação universal” dos remédios antipandemia por parte do Papa Francisco e do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres. Um mal contra o qual se organizou a mobilização por “vacinas e medicamentos, bens comuns”, anunciada por Nicoletta Dentico e Silvio Garattini nestas páginas no dia 17 de novembro passado.

Um mal do qual um grupo de países da União EuropeiaAlemanha, França e Itália na primeira fila – se mostraram conscientes, investindo somas enormes em apoio à pesquisa anti-Covid e assumindo o solene compromisso de compartilhar os resultados.

Um mal que a aliança de pesquisa e produção entre Oxford, AstraZeneca e Advent-IRBM se comprometeu em enfrentar, alocando quase dois terços das doses da vacina para países em desenvolvimento.

Sim, mas apesar de o mundo não poder dizer que não sabe, 2021 ainda será o ano de mais uma injustiça vertiginosa: a desigualdade nas vacinas. E, além disso, corremos o risco de ver o triste espetáculo de pequenas (esperemos) parcelas da população que, no rico Norte, recusam a vacina, colocando-se no centro das atenções e dos descontentamentos, e, ao mesmo tempo, de bilhões de pessoas no pobre Sul que gostariam de ser vacinadas, mas não podem.

Até aqui a nova constatação de um pesadelo que se transforma em (des)ordem das coisas. Daqui em diante, o sonho. Que a Europa solidária, que está ressurgindo, consiga compartilhar rápida e eficazmente com os países pobres o excedente de doses da vacina adquiridas. E, acima de tudo, que os Estados Unidos da América de Joe Biden deem um sinal para o mundo, invertendo a política trumpiana, lutando com eficácia contra a Covid na sua pátria e no exterior, e colocando a sua imensa força a serviço dessa causa.

Um planeta seguro e justo também se constrói dessa forma. Assim, se dá novamente uma orientação para o desenvolvimento sem alma das sociedades saciadas e desesperadas do Norte do mundo. Sociedades frágeis como todas as outras, mas fortes e salvas somente se forem humanas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que realmente nos salva: evitar a desigualdade na vacinação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV