Segundo ensaio da quarentena. As polarizações: a falta que o meio faz

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Discernimentos depois da Primeira Assembleia Eclesial. Artigo de Paulo Suess

    LER MAIS
  • Formação e espiritualidade do Ministro Extraordinário da Eucaristia

    LER MAIS
  • Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Dezembro 2020

"Em plena pandemia, dos extremismos, o aprofundamento das dicotomias de “Bem x Mal”, a desvalorização do caminho do meio, do pensamento como atitude ética, da ciência, da natureza e da potência da vida", escreve Marcio Tavares d'Amaral, Professor titular emérito da UFRJ/Escola de Comunicação (ECO) e Coordenador do Grupo de Pesquisa IDEA – Programa de Estudos Avançados.

Eis o artigo.

A pandemia de Covid-19 deslocou a natureza do medo, do real e do virtual com os quais convivíamos “naturalmente” até ontem. O ofício de dar aulas na ECO-UFRJ e de pesquisar alternativas não reativas e não ressentidas ao “momento da história em que se diz que a história acabou” a partir dos paradigmas da cultura ocidental foi interrompido para lidar, de forma ainda mais intensa do que antes, com a carne viva da filosofia e do pensamento: nossas vidas comuns no contemporâneo. Essas questões se misturam e se refazem no tempo e no espaço alcançados pelo novo coronavírus.

Daí surgiram as bases para os Ensaios da quarentena, que abordam impasses éticos e premissas filosóficas para pensar a situação vigente, os diferentes impactos da doença entre os grupos sociais, a globalização, o capitalismo, as perspectivas de futuro e o antropoceno. O primeiro texto [1], lançado em agosto, apresentou o ponto de partida dessas reflexões apontando mudanças na natureza do medo, na percepção do tempo e do espaço e na nossa demanda de futuro, a partir da irrupção da Covid-19.

Este segundo artigo, intitulado As polarizações, a falta que o meio faz [2] (anexo), retoma proposições filosóficas de Sócrates, Aristóteles, Nietzsche, Foucault, entre outros autores, para analisar o avanço, em plena pandemia, dos extremismos, o aprofundamento das dicotomias de “Bem x Mal”, a desvalorização do caminho do meio, do pensamento como atitude ética, da ciência, da natureza e da potência da vida.

A proposta dos ensaios suscitou, em convergência com o Projeto de Pesquisa atual A ressurreição do sol: a filosofia e a vida comum no contexto cultural-comunicacional pós-moderno [3], a discussão de outras questões que foram desenvolvidas em mais quatro ensaios temáticos sobre os migrantes, a pobreza, o ódio e o Terror, a serem lançados em breve.

Essas dissertações são corroboradas ainda pela pesquisa anterior (2011-2018) sobre a formação e a identidade da cultura ocidental contemporânea, recuperando suas duas fontes originais: a cultura grega (pautada no Ser e na Razão) e a cultura judaica (baseada nos fundamentos da Fé e de Deus), e foram registradas na coletânea Os assassinos do sol: uma história dos paradigmas filosóficos [4], que está sendo publicada pela Editora UFRJ desde 2015.

*O quinto volume da série Assassinos do sol, dedicado a Kant [5], acabou de ser publicado. O evento de lançamento ocorrerá nesta terça-feira (1/12), às 17h, pelo Facebook da Editora UFRJ [6] e pelo Canal no Youtube do Fórum de Ciência e Cultura da Universidade [7], com o debate entre o autor Marcio Tavares d´Amaral e outros dois professores da ECO/UFRJ e pesquisadores do IDEA: Paulo Vaz e Henrique Antoun (divulgação em anexo).

Notas:

[1] Link para o primeiro ensaio (Sobre a pandemia). Disponível aqui.

[2] Link para o segundo ensaio (As polarizações: a falta que o meio faz). Disponível aqui.

[3] Link para o Projeto atual (A ressurreição do sol). Disponível aqui.

[4] Sobre a coletânea Os Assassinos do Sol. Disponível aqui

[5] Sobre o volume do Assassinos do Sol dedicado a Kant, a ser lançado dia 01/02. Disponível aqui

[6] Facebook da Editora. Disponível aqui.

[7] Youtube do FCC/UFRJ. Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Segundo ensaio da quarentena. As polarizações: a falta que o meio faz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV