O maior pico de mortes da Covid-19 no mundo. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Refazer os padres, repensando os seminários. Artigo de Erio Castellucci

    LER MAIS
  • Por que os bispos dos EUA não defendem o Papa Francisco dos ataques das mídias estadunidenses?

    LER MAIS
  • PEC 32: ‘terceira via’ e bolsonaristas se unem contra servidores, diz analista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Novembro 2020

"O SARS-CoV-2 continua se propagando pelos territórios do globo, deixando um número de vítimas cada vez maior", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e pesquisador titular da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 23-11-2020.

Eis o artigo.

A pandemia da Covid-19 continua sua marcha ascendente no mundo. Em novembro já superou em muito o pico da 1ª onda ocorrido em abril de 2020. Na semana de 10 a 16/04 houve, na média diária, 80 mil casos e 6.824 mortes. No período de 10 a 16 de novembro houve, na média diária, mais de 575 mil casos e 8.866 óbitos, conforme mostra o gráfico abaixo para os dados da mortalidade. O pico da 2ª onda já é muito maior do que o pico da 1ª onda.

Nos meses de março e abril foram os países da União Europeia e os EUA que responderam pela grande maioria das mortes. Mas no mês de julho a América Latina e Caribe (ALC) respondeu por cerca de 50% das mortes. Nos meses de agosto e setembro a Índia passou a ganhar destaque. Mas em outubro e novembro a Europa (Ocidental e Oriental) e os EUA voltaram a ser epicentros da pandemia, conforme mostra o gráfico abaixo do jornal Financial Times.

O gráfico abaixo, da Organização Mundial da Saúde (OMS), mostra o número de casos por semana epidemiológica ao longo do ano de 2020, com destaque para as grandes regiões. O que mais chama a atenção no gráfico é o crescimento continuado e sustentado do número de casos semanais ao longo de 2020. Na semana de 03 a 09 de fevereiro ocorrem 23 mil casos no mundo. Na semana de 13 a 19 de abril foram 540,9 mil casos. Na semana retrasada, de 09 a 15 de novembro foram pouco menos de 4 milhões de casos. E na semana passada (de 16 a 22/11) o número de casos semanais ultrapassou, pela primeira vez, 4 milhões de casos em 7 dias. E ainda não há sinais de interrupção. Dos mais de 4 milhões de casos da semana de 16 a 22/11, um montante de 1,8 milhão ocorreu na Europa e 1,6 milhão nas Américas.

O gráfico seguinte, também da OMS, mostra o número de óbitos por semana epidemiológica ao longo do ano de 2020. Na semana de 03 a 09 de fevereiro ocorrem 508 mortes no mundo e o pico foi atingido na semana de 13 a 19 de abril com 51 mil óbitos na semana. Nas semanas seguintes houve oscilação, mas sempre com montantes menores do que o pico de abril. Contudo, na semana de 02 a 08 de novembro houve 53,9 mil mortes superando o pico de abril. E o pior, a subida não parou por ai e aumentou nas duas semanas seguintes. Na semana de 16 a 22 de novembro houve o recorde de 67,2 mil óbitos em 7 dias, representando uma média de quase 10 mil mortes por dia. Dos 67,2 mil óbitos da semana, um montante de 33 mil, ocorreu na Europa e 22 mil nas Américas.

No Brasil, o número de casos e de mortes subiu nas últimas duas semanas, conforme mostram os gráficos abaixo da OMS. Tudo indica que o Brasil já está singrando na segunda onda da covid-19.

O relaxamento que ocorreu no país pode gerar um aumento da pandemia no final do ano, complicando as festas de natal e réveillon.

Os esforços para conter a pandemia fizeram parte da pauta da reunião do G-20, dos dias 21 e 22 de novembro de 2020, além dos caminhos para a recuperação econômica e a administração do endividamento dos países emergentes. Segundo o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, os países mais vulneráveis são os mais pobres e altamente endividados do mundo em desenvolvimento, que estão “à beira da ruína financeira e da crescente pobreza, fome e sofrimento incalculável”.

Porém, apesar de todos os discursos politicamente corretos, pouca coisa efetiva foi decidida na reunião do G-20. Por exemplo, faltou um plano efetivo para garantir uma vacinação em massa a partir do ano que vem. Enquanto isto, o SARS-CoV-2 continua se propagando pelos territórios do globo, deixando um número de vítimas cada vez maior.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O maior pico de mortes da Covid-19 no mundo. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV