Crise do COVID-19 causa queda de 17% nas emissões globais de carbono, mas é improvável que dure

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • “A atual loucura digital é um veneno para as crianças”. Entrevista com Michel Desmurget

    LER MAIS
  • A religião do medo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Mai 2020

O bloqueio global do COVID-19 teve um efeito “extremo” nas emissões diárias de carbono, mas é improvável que dure – de acordo com uma nova análise feita por uma equipe internacional de cientistas.

A reportagem é publicada por University of East Anglia e reproduzida por EcoDebate, 20-05-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

O estudo publicado na revista Nature Climate Change mostra que as emissões diárias diminuíram 17% – ou 17 milhões de toneladas de dióxido de carbono – globalmente durante o pico das medidas de confinamento no início de abril, em comparação com os níveis médios diários em 2019, caindo para os níveis observados pela última vez em 2006.

As emissões do transporte de superfície, como viagens de carro, respondem por quase metade (43%) da redução nas emissões globais durante o pico de confinamento em 7 de abril. As emissões da indústria e da energia juntas representam mais 43% da redução nas taxas globais diárias emissões.

A aviação é o setor econômico mais impactado pelo bloqueio, mas representa apenas 3% das emissões globais, ou 10% da redução de emissões durante a pandemia.

O aumento no uso de prédios residenciais de pessoas que trabalham em casa apenas compensou marginalmente a queda nas emissões de outros setores.

Em países individuais, as emissões diminuíram 26%, em média, no auge de seu confinamento.

A análise também mostra que as respostas sociais sozinhas, sem aumentos no bem-estar e/ou na infraestrutura de apoio, não conduzirão as reduções profundas e sustentadas necessárias para atingir zero emissões líquidas.

A professora Corinne Le Quéré, da Universidade de East Anglia, liderou a análise. Ela disse: “O confinamento da população levou a mudanças drásticas no uso de energia e nas emissões de CO2. É provável que essas diminuições extremas sejam temporárias, pois não refletem mudanças estruturais nos sistemas econômico, de transporte ou de energia.

“A medida em que os líderes mundiais consideram as mudanças climáticas ao planejar suas respostas econômicas após o COVID-19 influenciará os caminhos globais das emissões de CO2 nas próximas décadas.

“Existem oportunidades para fazer mudanças reais, duráveis e mais resistentes a crises futuras, implementando pacotes de estímulo econômico que também ajudam a cumprir as metas climáticas, especialmente a mobilidade, responsável por metade da redução de emissões durante o confinamento.

“Por exemplo, nas cidades e nos subúrbios, o apoio a caminhadas e ciclismo e a adoção de bicicletas elétricas é muito mais barato e melhor para o bem-estar e a qualidade do ar do que a construção de estradas e preserva o distanciamento social.”

A equipe analisou as políticas governamentais de confinamento para 69 países, responsáveis por 97% das emissões globais de CO2. No auge do confinamento, as regiões responsáveis por 89% das emissões globais de CO2 estavam sob algum nível de restrição. Dados sobre atividades indicativas de quanto cada setor econômico foi afetado pela pandemia foram utilizados para estimar a mudança nas emissões fósseis de CO2 para cada dia e país de janeiro a abril de 2020.

A mudança total estimada nas emissões da pandemia é de 1048 milhões de toneladas de dióxido de carbono (MtCO2) até o final de abril. Desse modo, as mudanças são maiores na China, onde o confinamento começou, com uma diminuição de 242 MtCO2, depois nos EUA (207 MtCO2), Europa (123 MtCO2) e Índia (98 MtCO2). A mudança total no Reino Unido para janeiro-abril de 2020 é estimada em 18 MtCO2.

Prevê-se que o impacto do confinamento nas emissões anuais de 2020 seja de 4% a 7% em relação a 2019, dependendo da duração do bloqueio e da extensão da recuperação. Se as condições pré-pandêmicas de mobilidade e atividade econômica retornarem em meados de junho, o declínio seria de cerca de 4%. Se algumas restrições permanecerem em todo o mundo até o final do ano, seria de cerca de 7%.

Essa queda anual é comparável à quantidade de reduções anuais de emissões necessárias, ano após ano, ao longo de décadas, para alcançar os objetivos climáticos do Acordo de Paris da ONU.

O professor Rob Jackson, da Universidade de Stanford, e presidente do Global Carbon Project, co-autor da análise, acrescentou: “A queda nas emissões é substancial, mas ilustra o desafio de alcançar nossos compromissos climáticos em Paris. Precisamos de mudanças sistêmicas por meio de energia verde e carros elétricos, não reduções temporárias do comportamento imposto”.

Os autores alertam que a pressa por pacotes de estímulo econômico não deve aumentar as emissões futuras ao adiar Novos Negócios Verdes ou enfraquecer os padrões de emissões.

 

Referência:

Le Quéré, C., Jackson, R.B., Jones, M.W. et al. Temporary reduction in daily global CO2 emissions during the COVID-19 forced confinement. Nat. Clim. Chang. (2020).

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Crise do COVID-19 causa queda de 17% nas emissões globais de carbono, mas é improvável que dure - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV