Onde está Deus? Deus sofre com o homem. O contágio desafia a fé

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Pedro descansa onde ele sonhou, na beira do Araguaia, entre um peão e uma prostituta

    LER MAIS
  • Covid-19: Estudo indica como a pandemia do novo coronavírus chegou e se disseminou pelo Brasil

    LER MAIS
  • “A pandemia econômica será de uma brutalidade desconhecida”. Entrevista com Ignacio Ramonet

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Março 2020

Cabe à ciência explicar o que está acontecendo e indicar como sair disso. Não tem dúvidas a tal respeito a opinião pública ocidental às voltas com o drama da pandemia. A religião não é central. É claro que falamos a respeito: por causa da colaboração entre autoridades civis e religiosas na aplicação de restrições, das celebrações on-line e as religiões nas redes sociais, do retorno de ritos antigos de súplica à Virgem e aos santos. No entanto, parece que o Ocidente sairá da emergência fortalecido em sua identidade como espaço secularizado, no qual o poder da ciência conta mais, e onde a religião sobrevive apenas como subalterna e residual.

É realmente assim? Deus realmente tem que se contentar em estar à margem da cena? La Lettura apresentou a pergunta a três teólogos italianos: Cettina Militello, 74, siciliana de Castellammare del Golfo (Trapani), que reside em Roma; Roberto Dell'Oro, 60 anos, natural de Lecco, desde 2003 em Los Angeles; e Severino Dianich, 85 anos, originário de Fiume e que adotou Pisa como sua cidade.

A conversa com Cettina Militello, Severino Dianich e Roberto Dell'Oro foi editada por Marco Ventura, publicada por La Lettura, 21-03-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis a entrevista.

Onde foi parar Deus no momento da pandemia?

Cettina Militello: Deus está exatamente onde pensamos que não esteja. Ele está conosco, não há dúvida. É uma presença misteriosa que não sentimos, e também é justo que nos rebelemos, que lhe perguntemos onde você está ... Mas Deus está onde há alguém que sofre. Não pode haver dúvida. Pelo menos para o crente.

Severino Dianich: Para pensar em Deus, devemos dar um passo em direção a um espaço adicional. Em direção a um horizonte infinito, cujas dimensões não podemos medir. Devemos levar o espírito humano ao limite. Se sentimos Deus dentro do nosso horizonte, com a nossa lógica, percebemos apenas suas contradições.

Roberto Dell'Oro: Com o vírus, experimentamos a contingência, daquilo que atinge a todos sem que o tenhamos desejado. Através dessa experiência, podemos voltar à origem da contingência. Poderia ser o nada. Em vez disso, é o tudo, isso é, Deus. E em Deus encontramos a alteridade das coisas, uma realidade subtraída do nosso controle.

“Deus nos ama”, escreveu um comerciante romano na vitrine de sua loja fechada pelo decreto antivírus. Alguém acrescentou (a versão literal é mais apimentada): "Imagine se não nos amasse".

Cettina Militello: São modos primitivos e toscos de pensar em Deus, Deus sofre e sofre conosco, está presente e está presente conosco. Na tragédia daqueles que não conseguem, daqueles que têm medo, na esperança daqueles que conseguem se confortar. Diante de uma tragédia, se pode perder a fé.

Severino Dianich: Há quem perde a fé. Há quem a encontra. Eu nem tentaria dizer o porquê. Aqui se entra em um terreno insondável. A que fé se pode recorre neste momento?

Cettina Militello: Reagimos à maneira primitiva. Fazendo barulho, gritando, cantando. Remédios atávicos para medos atávicos. A superstição preenche emotivamente os vazios que a fé refletida não consegue preencher...

A fé refletida?

Cettina Militello: A fé adulta. Capaz de argumentar. Em vez disso, somos bombardeados por santos, ostensórios, bispos que imploram ... Vamos deixar claro: a fé dos simples deve ser respeitada. Tem um poder incrível. Mas não aceito que seja usada ou humilhada. Incomoda-me aqueles que se aproveitam dela de maneira inadequada. Aliás, é claro, a verdadeira não precisa dessas coisas.

A fé da fé simples e a fé refletida convivem na Igreja.

Cettina Militello: Uma das nossas responsabilidades como Igreja é ter apoiado essa deriva. Em vez disso, devemos nos perguntar o que fizemos com nossos relacionamentos, que mundo construímos, que fideísmo científico erigimos como substituto da fé.

Severino Dianich: Os bispos convidaram os italianos a rezar a São José no dia 19 de março. Nós nos perguntamos o que isso significa. No Antigo Testamento, a imploração de Deus é coletiva, assim como a penitência coletiva. Quando Jonas vai para Nínive, o rei decreta o jejum de todos os habitantes e, por fim, Deus poupa a cidade. Com Jesus a culpa é pessoal. Mas o senso do povo não se perde, que é, aliás, o sentido da Igreja. Deus poderia parar a pandemia.

Roberto Dell'Oro: O Deus cristão não causa nada. No mundo da realidade e das coisas. Deus está à obra nos eventos humanos, mas não os causa diretamente. Somos nós que, a partir dos eventos humanos, devemos remontar ao significado de sua presença.

Cettina Militello: Deus não é um tapa-buracos que vem para resolver problemas criados por nós mesmos. Ele nos fez livres. Ele nos confiou a criação. Nós o massacramos, estamos nos destruindo por nosso delírio de onipotência.

No entanto, o criador Deus deveria poder intervir.

Roberto Dell'Oro: A criação não reside no efeito físico. O amor de Deus deixa que as coisas estejam em sua liberdade. Não as determina ou controla. A relação entre Deus e o mundo é a relação entre duas liberdades. A liberdade de Deus deixa o mundo estar em sua contingência. Por isso, dela remontamos a ele.

Então, a que serve rezar?

Roberto Dell'Oro: A oração é uma confidência, um retorno à na bondade da origem que nos gerou. É claro que também pedimos que Deus nos salve, que ele nos mantenha vivos, que permanecerá fiel à sua promessa, mas como Deus não é um ídolo ... se pudéssemos controlá-lo, ele seria apenas um ídolo ... em vez disso, confiamos no mistério de sua transcendência e redescobrimos a nossa liberdade.

Cettina Militello: Fora da perspectiva da fé, a oração é apenas uma técnica de relaxamento. No âmbito cristão, a oração é diálogo, é conversa. É abandonar-se a Deus, mesmo com aspereza, mesmo perguntando onde você está. Infelizmente, geralmente prevalece a oração de pedido. É o nosso limite. Eu não vou criticar. Eu mesma digo: Senhor nos ajude. Mas também gosto de dizer a ele: sei que você está aqui, comigo.

Severino Dianich: Jesus recomenda a oração de pedido e promete a resposta. Alguém poderia objetar: querido Jesus, você foi o primeiro a não ser atendido quando rezou no Getsêmani "Deus, afasta de mim esse sofrimento".

Nenhuma certeza.

Severino Dianich: O Evangelho garante: o Pai, no entanto, lhe dará seu espírito. Eu posso derivar disso uma atitude interior de confiança. Uma libertação da ansiedade de minha sorte imediata. Como se dizia entre nós antigamente, e como os muçulmanos ainda falam, será como Deus quiser.

Enquanto alguém reza, todos nos voltamos para a ciência.

Severino Dianich: Na Igreja ortodoxa grega, houve resistência em interromper a comunhão com o pão e o vinho por causa do vírus. Para nós, é clara a distinção entre a substância sacramental, onde Deus não pode transmitir nenhuma infecção, e a substância física dos elementos, através da qual pode se disseminar a epidemia. Podemos ouvir o epidemiologista e, ao mesmo tempo, podemos rezar. O fato é que a ciência pode nos ajudar mais que Deus. E que um Deus que não me ajuda é um Deus mau.

Roberto Dell'Oro: Somos sempre livres para ir a Deus ou recusá-lo, culpá-lo, cobrá-lo por causa das coisas terríveis que acontecem conosco. Deus não nos obriga a interpretar os fatos nem no sentido da bondade das coisas que acontecem nem no sentido de sua maldade. O mau por excelência é o diabo.

Cettina Militello: Nós somos o diabo. Nós somos o sujeito do pecado. A culpa é nossa. Individual e coletiva. Devemos parar de inventar bichos-papões que estão fora de nós.

Severino Dianich: O diabo está agachado diante de nossa porta, lemos no Gênesis. Em outras palavras, o diabo é a tentação da qual devo me defender.

Roberto Dell'Oro: O diabo é o princípio da separação. É o que coloca em nós a dúvida de que a origem seja ruim. Como tal, representa o atentado mais fundamental à fé. O diabo leva a pensar em Deus como mau. A negar que nossa relação com ele seja uma relação de liberdade e não de necessidade.

Essa liberdade poderia ser a chave da aliança entre Deus e os cientistas?

Cettina Militello: A ciência é uma aliada. Exceto quando se pensa onipotente. Vamos lutar juntos para derrotar esse vírus abençoado... ou amaldiçoado...

Abençoado ou amaldiçoado?

Cettina Militello: Amaldiçoada pela dor que traz ... pela quantidade infinita de caixões ... Abençoado no sentido de que pode nos dar um reinício, pode nos devolver o senso do limite que perdemos completamente. Como um amigo teólogo, cujo nome prefiro não citar, disse hoje recentemente, nem tudo ficará bem, mas tudo ficará melhor.

No sentido de que nos distanciarmos nos unirá?

Roberto Dell'Oro: O desafio fundamental nos dias de hoje é a solidariedade social. No momento do distanciamento, repensamos o sentido da proximidade. Porque assim é Deus em relação a nós. Está próximo e, portanto, nos solicita à proximidade recíproca. Vemos isso na solidariedade que se expressa no trabalho do pessoal da saúde.

Cettina Militello: Misericórdia é a palavra que une todo o falar de Deus. Devemos nos preocupar com outras coisas. Temos oceanos de compaixão nestes dias. Pensamos naqueles que arriscam suas vidas. O que os move, se não esse profundo senso do dever de estar perto do outro? Isso, e nada mais, é o nome de Deus.

Severino Dianich: Jesus é perguntado várias vezes sobre a culpa das vítimas. Por exemplo, no desmoronamento de uma torre. Ou no massacre ordenado por Pilatos no templo. Para ele, o que importa não é se os que perderam a vida pecaram, mas se a tragédia será um estímulo à conversão.

É a pergunta que eu dirijo para você para encerrar. A tragédia nos converterá?

Cettina Militello: Tudo isso será uma lição. Não podemos continuar a abusar de nós mesmos e da criação. O ecossistema global insurge. Nesse sentido, a conversão é um retorno a Deus, à sua aliança, à sua Palavra.

Roberto Dell'Oro: Somos dados a nós mesmos como seres livres. Livres para pensar sobre a origem ou negá-la. A experiência do vírus é uma ocasião para se distanciar da origem. Ou se reaproximar.

Severino Dianich: Sim, a pandemia é a ocasião para alguns passos de conversão. Ou seja, mudar o estilo de vida, de orientação da vida. Esse é o significado da fé cristã.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Onde está Deus? Deus sofre com o homem. O contágio desafia a fé - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV