Cardeal Marx renuncia à reeleição: um sinal de colegialidade

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • O suicídio no clero do Brasil

    LER MAIS
  • “Agro é fogo”: incêndios no Brasil estão ligados ao agronegócio e ao avanço da fome, diz dossiê

    LER MAIS
  • Polícia de RO invade casa de advogada para apreender material de defesa de camponeses

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Fevereiro 2020

O editor-chefe da página Domradio.de, Ingo Brüggenjürgen, se pronuncia sobre a renúncia do cardeal Reinhard Marx à presidência da Conferência dos Bispos da Alemanha. Em janeiro, o cardeal iniciou junto com os leigos o “Caminho Sinodal”: agora, não quer mais ser presidente da Conferência Episcopal.

A reportagem é de Domradio.de, 11-02-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

O cardeal Marx não se candidatará mais à presidência da Conferência dos Bispos da Alemanha. Essa notícia é surpreendente?

Efetivamente, é uma surpresa. Eu acho que o mundo católico não esperava isso, pelo menos todos aqueles que participaram do Caminho Sinodal, que se reuniram em Frankfurt, que tiveram conversas confidenciais com jornalistas na sala da assembleia e na catedral de Frankfurt. Para mim também essa comunicação é totalmente nova!

Já há notícias sobre as motivações que estão na origem disso?

Na carta que o cardeal Marx enviou aos seus coirmãos bispos, ele indica os motivos. Ele escolhe o momento oportuno em vista da assembleia plenária da primavera da Conferência Episcopal, que ocorrerá em Mainz, no início de março. A escolha do presidente normalmente está em pauta no fim do turno. Até hoje, todos supunham que o cardeal Marx aceitaria continuar o seu mandato. Agora ele comunica que refletiu longamente e que, há algum tempo, está convencido de que deve mais se pôr à disposição. Ele comunica isso aos coirmãos bispos e também diz que a idade afeta a sua escolha. Ao término de um possível outro mandato, ele teria 72 anos. No entanto, não está prevista uma idade para a presidência da Conferência Episcopal.

A partir da história, sabemos que os mandatos sempre envolveram tempos decididamente longos. Lembremos o cardeal Lehmann ou também, antes, a mudança de presidência entre Colônia e Munique. Os mandatos dos bispos sempre eram muito longos, assim como os dos presidentes da Conferência Episcopal. Talvez, porém, agora se trate também de um sinal que o cardeal Marx quer enviar à Igreja alemã, no rastro das discussões sobre o poder que estão novamente no centro das atenções também no Caminho Sinodal: “Eu mesmo faço um sinal. Este (peso) pode ser posto também sobre os ombros de outros. Eu não tenho que carregar tudo sozinho”. Nesse sentido, na minha opinião, é um sinal da colegialidade para os bispos e, em perspectiva, um sinal positivo.

O que acontecerá agora? Como se procederá?

Agora, naturalmente, se discutirá, assim como na CDU [União Democrata-Cristã]. A corrida está completamente aberta de novo. Até agora, acreditava-se que Marx seria nomeado. Ninguém ainda se perguntou se existem outros candidatos. Após essa clara renúncia, as pessoas vão se perguntar nos bastidores como seguir em frente. Vai ser interessante.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Marx renuncia à reeleição: um sinal de colegialidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV